Meditação diária de 23/03/2017 por Flávio Reti
23/03/2017
Meditação diária de 25/03/2017 por Flávio Reti
25/03/2017

Meditação diária de 24/03/2017 por Flávio Reti

Dia Mundial de Combate à Tuberculose

“Tudo quanto tem fôlego louve ao Senhor. Louvai ao Senhor!” Salmos 150:6

No início do século XIX a tuberculose grassava pelo mundo. Ela chegou a ser chamada de ‘o mal do século’. Foi uma das causas que marcou a poesia romântica (1.836 início do romantismo no Brasil) com uma característica acentuada de lastimação, sofrimento, tristeza, melancolia, depressão, em função da doença.

A população morria jovem, antes dos 40 anos, devido à doença que era na época incurável. (Emily Bronté com 30 anos, Castro Alves (poeta dos escravos) com 24 anos, Cruz e Sousa com 36 anos, Alvares de Azevedo com apenas 20 anos, Lord Byron (o iniciador do romantismo na Europa) morreu aos 36 anos com a tuberculose).

E não pense que a doença está erradicada, porque ela está ainda muito vida e atuante. É a doença que ainda mais mata no mundo, mais do que a Aids e a malária juntas. O sucesso da

doença é a nossa concepção de que ela não existe mais e nos acomodamos com essa ideia. Todos os anos cerca de 6.8 milhões de infectados adoecem no mundo e ao redor de 3 milhões morrem anualmente de tuberculose, enquanto a Aids mata 2.6 milhões no mundo. Segundo a previsão da OMS (Organização Mundial de Saúde), até 2020 haverá cerca de 1 bilhão de novos infectados com o bacilo da tuberculose e dentre eles 200 milhões vão adoecer. Pense agora que a Argentina inteira tem 35 milhões de habitantes. Logo, a população de infectados será muito maior do que a população de muitos países, três vezes a população da Argentina.

Bem, estou tecendo comentários em torno de uma doença, a tuberculose, mas no mundo existem centenas de doenças. O mundo é um grande sanatório, um grande hospital, só tem gente doente. Como é que vamos sobreviver nesse meio ambiente que só tem doenças de todos os tipos? Você sabe de alguma saída?

Pedro e João haviam curado um homem coxo desde o nascimento. Diante do ocorrido, o povo aglomerou atônito perto deles querendo saber como se deu o fato. Pedro aproveitou e deu a solução que serve para nós também. “A fé em nome de Jesus que fortaleceu este homem, que

vocês veem e conhecem, foi que deu a ele esta perfeita saúde” (At.3:16). Quando o Senhor apareceu a Salomão, na dedicação do templo, Ele disse o seguinte: Se o meu povo, que se chama pelo meu nome, se humilhar e orar e buscar a minha face e se desviar dos seus maus caminhos, então, eu ouvirei do céu, perdoarei os seus pecados e sararei a sua terra” (II Cr.7:14). Existe cura para os males humanos. A fé nos aproxima de Deus e cura nossas enfermidades. E se ele não curar agora, ele nos ressuscitará no último dia e transformará esse corpo mortal em corpo imortal. Os salvos ressuscitados sairão dos túmulos irradiando eterna louçania da eterna juventude. Nunca mais haverá doença no lar eterno. Essa é uma notícia alvissareira que traz esperança e conforto para quem

está sofrendo, no momento, com alguma doença incurável. Tenha fé em Deus! É uma questão de tempo e o milagre da transformação virá. Maravilhosa será a transformação operada naquele que, pela fé, abre a porta do coração ao Salvador. “Mediante a graça de Cristo, operara-se na vida uma transformação maravilhosa. “Se alguém está em Cristo, nova criatura é” (II Cor. 5:17). Mediante o poder de Cristo homens e mulheres têm quebrado a cadeia do hábito pecaminoso. Têm renunciado ao egoísmo. O profano tem-se tornado reverente, o bêbado, sóbrio, o pervertido, puro. Almas que tinham estampada em si a semelhança de Satanás, têm-se transformado à imagem de Deus. Essa transformação é em si o milagre dos milagres. Uma mudança operada pela Palavra, é um dos mais profundos mistérios da mesma Palavra. Não podemos compreender isto. Somente podemos crer, conforme declaram as Escrituras, que é “Cristo em vós, esperança da glória” (Col. 1:27).

Os comentários estão encerrados.