Meditação de Pôr do Sol 22/11/2019 por Maria Leci Novo
22/11/2019
Novo Encontro (Domingo 24/11/2019 às 20h00)
23/11/2019

Meditação diária de 23/11/2019 por Flávio Reti – João Rubinato

23 de novembro

Efésios 5:17  “Por isso, não sejais insensatos, mas entendei qual seja a vontade do Senhor”

João Rubinato

Certamente você não faz ideia de quem é esse camarada, mas nasceu aqui pertinho, em Valinhos, e foi um renomado compositor, cantor, humorista e ator brasileiro que veio a ser conhecido nas rodas de samba, especialmente o samba paulista, como Adoniram Barbosa. Seus pais eram imigrantes italianos que desembarcaram em Santos em 1895 e foram trabalhar na lavoura no Município de Tietê. Infelizmente ele abandonou a escola logo cedo, não por falta de escola ou de orientação, era porque não gostava mesmo de estudar. A família Rubinato não parava em lugar algum, por isso eles moraram em vários lugares, tais como incialmente em Santos, depois Valinhos, Tietê, Campinas, Jundiaí, Santo André e finalmente em São Paulo. Foi em Jundiaí que João Rubinato, nosso Adoniram Barbosa, começou a trabalhar no seu primeiro emprego, entregador de marmitas. Com 14 anos ele circulava pelas ruas da cidade entregando as marmitas, mas fazia algo mais. Ele que nunca aprendeu matemática formal nas escola, criou uma regra matemática com uma lógica curiosa. Ele saía para entregar marmitas com comida, enquanto ele mesmo passava fome, então, o que não aprendeu na escola ele descobriu por si mesmo. Se na marmita havia 8 bolinhos, ele comia 2 e deixava 6 para os clientes. Se na marmita houvesse 4, ele comeria 1 e três seriam para os clientes e se houvesse apenas dois, então era um por um, na matemática dele. Nosso personagem de hoje tem um longo histórico de vida, desde marmiteiro esfomeado, passando pela rejeição como artista até chegar a condição de ator, de cantor, compositor respeitado, mas não sem antes sofrer as agruras da vida. Ele tentava nos teatros, nas rádios, mas sem educação formal e sem padrinhos que o apoiassem, ele só recebia a porta na cara. Ele almejava, mas não sabia como chegar lá, embora tivesse boa voz para locutor de rádio, para cantar. A primeira oportunidade de cantar foi gongado e saiu frustradíssimo, mas não desistiu e voltou cantando um outro samba composto por Noel Rosa e as portas das rádios se lhe abriram para suas composições futuras. Seu primeiro sucesso na vida de compositor, foi e ainda é até hoje sucesso nas rodas de samba e nas casas de show musical, a famosa música “Trem das Onze” gravada por ele e pelo grupo Demônios da Garoa, um grupo paulistano que foi fazer sucesso com a dita música no Rio de Janeiro. Mas cantar em Rádios era uma profissão ingrata, porque o público não estava presente para apoiar ou para queimar o artista, logo cantar em casas de espetáculos rendia mais promoção e dinheiro também. Nos seus últimos dias de vida ele amargou uma enfisema pulmonar e já respirava com dificuldade e se cansava facilmente. Sem poder sair, ele passava os dias inventando objetos miniaturas como roda gigante, trenzinho, enfeites e quando alguém que o visitava dizia que aquilo era higiene mental, ele retrucava que era coisa de um débil mental. O grande Adoniram Barbosa morreu em 23 de novembro de 1982, com 72 anos e hoje descansa no Cemitério da Paz, em São Paulo.

Um cantor morrendo de enfisema pulmonar é lamentável, mas foi o preço que a vida lhe cobrou por suas extravagâncias, vida boêmia entre outras. Tudo tem seu preço na vida, se você não pagar agora, pagará depois com juros e correção monetária. Por isso, cuida da sua vida! Uma vida não tem valor que pague e não podemos desperdiçar.

Os comentários estão encerrados.