Meditação diária de 19/05/2019 por Flávio Reti – Honoré de Balzac
19/05/2019
Meditação diária de 21/05/2019 por Flávio Reti – Laszlo Toth
21/05/2019

Meditação diária de 20/05/2019 por Flávio Reti – Yonatan Netanyahu

20 de maio

Apocalipse 3:11  “Venho sem demora, guarda o que tens para que ninguém tome a tua coroa”

Yonatan Netanyahu

Há um livro do qual já foi feito um filme denominado Operação Entebbe que narra uma missão de resgate real, verdadeira, executada pelas forças de Israel, mas no Aeroporto Internacional de Entebbe, o aeroporto da capital de Uganda, em Adis Abeba. Aconteceu que sequestradores de uma frente denominada Frente Popular para Libertação da Palestina, custeada pela Alemanha e localizada em Entebbe, sequestraram um avião Air Bus A300 da Air France que fazia a rota TelAviv – Paris com 248 pessoas a bordo e obrigaram o piloto aterrissar em Entebbe. O governo local apoiava os sequestradores, na época o ditador Idin Amin Dadá que deu boas vindas aos sequestradores. Naquela mesma noite os delinquentes separaram os passageiros em judeus israelenses e os demais passageiros e os colocaram em salas diferentes. Os 148 reféns não israelenses foram libertados no dia seguinte, e seguiram a viagem, mas os outros 100 que eram de Israel, mais a tripulação, foram todos ameaçados de morte. Eles exigiam a libertação de 50 terroristas presos em vários países, sendo 40 só em Israel. Imediatamente, lá em Israel, as autoridades se organizavam para um plano de resgate dos reféns. Examinando o mapa de satélite do aeroporto se descobriu que havia sido construído por engenheiros israelenses e a estratégia mais perfeita foi montada. Enfrentar terroristas dentro de sua pátria é uma coisa, mas enfrentá-los fora de seu país é bem diferente, e Israel encarou o desafio. O comandante da missão seria o Yonatan Netanyahu, irmão do 1º ministro Benjamin Netanyahu. O plano de Israel foi aterrissar à noite com 4 aviões Hércules carregado de tropas de ataque rápido atrás de um avião Inglês esperado em Entebbe. Num voo quase rasante os aviões voaram até Uganda e o primeiro que seguia o avião Inglês levava o pelotão de resgate, chefiados pelo comandante Yonatan Netanyahu, O Yoni, assim chamado, mais dois jipes e uma réplica do famoso Mercedes preto do ditador Idin Amim Dada. Nos demais aviões seguiam tropas encarregadas de destruir os Migs que estavam em terra. Sem esperar o Mercedes preto e os dois jipes desceram a rampa e todos os sentinelas acharam que era o chefe deles, Idin Amim, mas eram os israelenses que invadiram o aeroporto de surpresa, metralharam os sentinelas e libertaram os reféns. Levantaram voo em seguida e bombardearam o aeroporto para não serem seguidos. Uma verdadeira humilhação para Idin Amim Dada que no dia seguinte ordenou a execução dos operadores de radar por não terem detectado a invasão de 4 Hércules e um outro avião hospital para levar os resgatados. A única pessoa ferida e morta nesse assalto de resgate foi o comandante Yoni. Em menos de 40 minutos todos estavam resgatados e salvos a bordo do avião hospital e de volta para Israel.

Nós também esperamos um resgate a qualquer hora. Estamos na terra do inimigo, somos reféns do maior terrorista, satanás. Mas o comandante Jesus está vindo com carruagens de fogo para nos levar de volta ao lar. Em pouquíssimo tempo tudo estará terminado por aqui e estaremos de volta para casa. O único ferido, com arcas por toda a eternidade, terá sido nosso comandante Jesus.

Os comentários estão encerrados.