Meditação diária de 18/11/2019 por Flávio Reti – Ali Lesid Izz-Edim ibn Salim Hank Malba Tahan
18/11/2019
Meditação diária de 20/11/2019 por Flávio Reti – Samuel Klein
20/11/2019

Meditação diária de 19/11/2019 por Flávio Reti – Avram Yossievitch Bloch

19 de novembro

I Coríntios 15:32  “…comamos e bebamos porque amanhã morreremos”

Avram Yossievitch Bloch

Um russo que veio ao Brasil, tornou-se empresário, fundou uma revista, depois uma televisão e fez história no Brasil. Seu nome adaptado para o Português foi Adolpho Bloch, o mesmo das empresas Bloch Editoras. Ele criou a Revista Manchete em 1952 e fundou a Rede Manchete de Televisão em 1983. A rede Manchete foi extinta e hoje existe com o nome de Rede TV transmitindo do Rio de Janeiro para o mundo. Só pelo fato da família Bloch ser de origem judaica já foi o suficiente para se envolver em muitos problemas, especialmente por ocasião da Revolução Russa. A família Bloch, 17 parentes ao todo, passou fome e por isso abandonaram sua cidadezinha natal, Jitomir, e se mudaram para Kiev, na Ucrânia. Quando deixaram a Ucrânia se mudaram para a Itália, em Nápoles, mas em 1922 eles aportaram no Brasil e aqui ficaram para sempre radicados no Rio de Janeiro. A única fortuna que trouxeram na mudança era um pilão usado para moer sementes de especiarias e condimentos. Quando, em 1980, se lançou sua biografia, o título escolhido foi “O pilão”. Aqui chegando, a família Bloch investiu tudo que sobrara de sua economia no mesmo ramo de atividade que tinham na Rússia, o ramo gráfico. Assim que puderam, compraram uma impressora manual e passaram a rodar folhas numeradas para o jogo do bicho, um jogo hoje considerado ilegal no Brasil. Era humilde, mas era a primeira tipografia da família Bloch. Por uma dessas casualidades que não se explicam, Adolpho Bloch foi trabalhar na editora gráfica pertencente a Roberto Marinho, dono da futura Rede Globo do Brasil. Até aqui eles vinham ganhando para sobreviver, mas em 1952 Adolpho Bloch se arriscou lançando a Revista Manchete em todo o território nacional e a partir daí a vida dos Bloch começou a dar sinais de mudança positiva até se tornar um império da Mídia escrita e televisiva na América Latina. A Bloch editores não parou com a revista Manchete, passou a publicar livros e revistas de qualquer natureza. Outra coincidência sem explicação foi a amizade de Adolpho Bloch com o ex-presidente Juscelino Kubitschek e quando Juscelino morreu Adolpho fez tudo que pode para que o corpo fosse velado no saguão da Editora Bloch, mas pouco sabia ele que 19 anos depois seria a vez dele ser velado naquele saguão. Nosso amigo Adolpho Bloch não era muito afeito à tecnologias, especialmente a eletrônica, isso nunca lhe prendeu a atenção. Mesmo assim, auxiliado por um sobrinho, a Bloch editora lançou a TV Manchete e 5 emissoras de FM com o nome de Rádio Manchete. Aconteceu que em novembro de 1995, nosso personagem Adolpho Bloch foi internado com problemas de embolia pulmonar e uma disfunção numa das válvulas do coração. Embora tratado e medicado, seu quadro se agravou e no dia 19 de novembro daquele ano ele passou para seu descanso aos 87 anos de vida sem nunca ter filhos. Deixou apenas a esposa, a Sra. Anna Bentes com quem viveu 12 anos sem ser casado e só se casou com ela 3 anos antes de falecer. O império da Empresa Bloch ficou nas mãos de um sobrinho, Pedro Bloch que no ano de 2000 conseguiu levar tudo à falência.

Precisa de mais alguma prova de que essa vida é muito incerta? E que só a vida eterna é certa? Uma vida de luta para construir um império e tudo se foi como um vento que passou. Por isso, convém pensar na vida, ela às vezes nos prega algumas peças.

Os comentários estão encerrados.