Meditação diária de 16/09/2019 por Flávio Reti – Jean William Fritz Piaget
16/09/2019
Meditação diária de 18/09/2019 por Flávio Reti – Percy Lebaron Spencer
18/09/2019

Meditação diária de 17/09/2019 por Flávio Reti – Carlos Lamarca

17 de setembro

Lucas 11:23  “Quem não é comigo é contra mim e quem comigo não ajunta, espalha”

Carlos Lamarca

Inicialmente Carlos Lamarca era um militar que chegou ao posto de Capitão do Exército Brasileiro, mas que, diante da implantação da ditadura de 1964, desertou e passou para o outro lado vindo a ser comandante do movimento VPR (Vanguarda Popular Revolucionária), uma organização de guerrilha armada com ideologia de extrema esquerda para desbancar o regime ditatorial. Sem dúvida ele foi condenado pelo Superior tribunal militar e considerado traidor e desertor e como tal um inimigo em potencial porque detinha as técnicas e as abordagens do exército. Quando passou a ser caçado pelo exército, ele criou um foco guerrilheiro no Vale do Ribeira, em São Paulo, e comandou vários assaltos a bancos para fazer dinheiro que pudesse bancar o movimento, liderou também um grupo que sequestrou o embaixador Suíço no Rio de Janeiro, o Sr. Giovanni Bucher pretendendo trocar por 70 presos políticos. Dois anos durou a perseguição militar até que ele foi descoberto e morto no interior da Bahia, em 1971, sete anos depois de instaurada a ditadura militar no Brasil. Seu pai era apenas um sapateiro e sua mãe simples dona de casa, mas aos 16 anos o jovem Carlos Lamarca já participava de manifestações de rua fazendo campanha nacionalista como “O Petróleo é Nosso” e já separou como livro de cabeceira o “Guerra e Paz” de Leon Tolstoi. Entrou para o exército na Escola preparatória de cadetes de Porto Alegre e depois veio para a Academia Militar de Agulhas Negras. Destacou-se como exímio atirador, na realidade era o melhor do seu regimento e sempre saía como representante do II exército em campeonatos de tiro. Esteve nas forças de paz da ONU, no canal de Suez, Faixa de Gaza, Palestina e vendo a miséria em que vivia o povo árabe, se comoveu pela luta dos pobres e resolveu lutar pelo povo aqui no Brasil. Sua primeira atividade na luta de fato aconteceu no centro de São Paulo quando o grupo dissidente tentava assaltar um banco e com a reação do vigia para impedir o assalto Lamarca o matou com dois tiros. A repressão militar vinha dizimando pouco a pouco os integrantes das guerrilhas, centenas deles, e os líderes foram ficando encurralados, mas não desistiam da luta armada. Sequestraram no Rio o embaixador da Alemanha Ocidental, Ehrenfried von Holleben e trocaram por 40 guerrilheiros que foram banidos para a Argélia. Lamarca não participou dessa vez, mas foi denunciado como o comandante do sequestro. Por ele mesmo foi feito outro sequestro, o do embaixador Suíço Diovanni Butcher, em cuja ação Lamarca matou a tiros o agente de segurança que dirigia o carro onde estava Giovanni que posteriormente foi trocado por 70 membros do grupo terrorista. Resumindo, depois de fugirem, fugirem e fugirem, Lamarca foi morto pela polícia do exército no interior da Bahia. Consegue fazer uma ligação com o comportamento de Lúcifer? Tinha alto cargo, se rebelou, foi expulso, vive perambulando pela terra, só não foi morto ainda, mas será. A rebelião contra o governo de Deus, que neste caso não é ditatorial, não poderá terminar bem. Um dia satanás vai cair nas mãos da justiça de Deus e fatalmente será eliminado e assim como muitos simpatizantes da guerrilha foram mortos, todos os simpatizantes de satanás também serão. Conclusão óbvia: Não podemos tomar parte em movimentos contra o governo de Deus, porque as consequências serão certas. Fiquemos, pois, longe de qualquer rebelião.

Os comentários estão encerrados.