Meditação diária de 15/10/2019 por Flávio Reti – João Batista Viana Drumond
15/10/2019
Semana de Reflexão Espiritual: Na Direção de Deus
16/10/2019

Meditação diária de 16/10/2019 por Flávio Reti – João Carlos de Oliveira

16 de outubro

Romanos 14:17  “Porque o reino de Deus não consiste no comer e no beber, mas na justiça, na paz e na alegria do Espírito Santo”

João Carlos de Oliveira

Conhecido como João do Pulo, foi um atleta dedicado aos saltos. Salto triplo, salto em distância, além de ser medalhista olímpico, tetra campeão pan-americano e recordista em salto à distância foi também político e militar com a patente de cabo no exército. Inicialmente ele era militar, depois se dedicou a esporte, mas teve a infelicidade de perder uma das pernas num acidente automobilístico e não podendo mais competir, se dedicou à política e foi por duas vezes deputado estadual por São Paulo. Muito novo, com apenas sete anos, perdeu a mãe e foi ser lavador de carros. Ajudado por um treinador da USP, o professor Pedro Henrique de Toledo, ele se destacou e colecionou medalhas durante a sua vida (Bronze em Salto Triplo em Moscou, Bronze em Salto Triplo em Monteral, Ouro em salto Triplo em San Juan, Ouro em Salto em distância em San Juan, Ouro em Salto Triplo na cidade do México e Ouro em Salto em distância no México). Ele quebrou record com salto triplo atingindo a marca de 14,89 mts, mais do que o record que era do russo Viktor Saneyev. João do Pulo só vencia. Venceu em Düssendorf, em Montreal, em Roma, foi porta bandeira na abertura dos jogos em Montreal e em Moscou, era o principal ídolo do esporte brasileiro. Mas a vida às vezes nos reserva surpresas, e foi o que aconteceu com João do Pulo, porque um acidente brutal interrompeu a carreira brilhante do nosso atleta quando dirigia pela via Anhanguera voltando de Campinas para São Paulo. Um ano de internação e não houve saída, o recurso foi a amputação da perna direita e a declaração de encerramento de sua carreira de atleta. Mas mesmo amputado, ele ainda estudou Educação Física e entrou para a vida política quando se elegeu por duas vezes deputado estadual. Sua morte se deu por cirrose hepática devido à depressão que sobre ele abateu e por problemas financeiros, ele se entregou ao alcoolismo. Por dever pensão alimentícia a dois de seus filhos, ele chegou a ser preso. Os correios do Brasil lançou em 1975 um selo e um carimbo em sua homenagem pelo seus recordes e pelo que significou ao nosso país.

Quanta sabedoria saiu da boca do Rei Salomão quando escreveu “Não olheis para o vinho quando se mostra vermelho, quando resplandece no copo e se escoa suavemente” (Prov.23:31) e “o vinho é escarnecedor e a bebida forte alvoroçadora, e todo aquele que neles errar não é sábio” (Prov.20:1). Precisamos aprender que tudo tem seu preço na vida e quem paga a conta somos nós mesmos. Nossas atitudes, nossos erros cobram caro de nós. Mais cedo ou mais tarde a conta chega pra pagarmos com juros e multas pelas nossa incompetência de gerir a vida sabiamente. “Que grande quantidade do capital confiado por Deus é gasta na compra de fumo, cerveja e bebidas alcoólicas! Deus proíbe todas essas condescendências porque elas destroem a estrutura humana. Devido a sua condescendência a saúde é sacrificada e a própria vida é oferecida no altar de Satanás. O apetite pervertido faz com que o cérebro enfraqueça, de modo que os homens não possam pensar com argúcia e clareza, nem idear planos que levem ao êxito nas coisas temporais; e muito menos poderão pôr um intelecto culto em suas transações religiosas. São incapazes de distinguir as coisas sagradas e eternas das que são comuns e temporais”

(Conselhos sobre Mordomia, p.134)

Os comentários estão encerrados.