Feliz Dia das Mães 2019
12/05/2019
Meditação diária de 14/05/2019 por Flávio Reti – Lina Medina Vasquez
14/05/2019

Meditação diária de 13/05/2019 por Flávio Reti – James Warren

13 de maio

João 10:10  “O ladrão não vem senão para roubar, matar e destruir; eu vim para que tenhais vida e a tenham em abundância”

James Warren

Conhecido como Jim Jones, James Warren foi o fundador e líder dirigente de uma seita denominada “ People Temple: Christian Church Full Gospel” (Templo dos Povos: Igreja Cristã do Evangelho Pleno) que migrou da Califórnia para Georgetown, na Guiana, onde aconteceu o suicídio em massa de 918 pessoas, membros do grupo, por envenenamento com a ingestão de cianeto. Entre os mortos, Jim Jones foi o único encontrado com uma bala na cabeça, daí a suspeita que ele se suicidou depois de envenenar os demais da seita. Jim Jones fundou a seita na década de 1950 e foi ganhando notoriedade mantendo a sede da igreja na cidade de São Francisco, na Califórnia. Ele e sua esposa Marceline eram contra a segregação racial e acabaram adotando crianças de todas as raças e etnias. Com sua filosofia de ante segregação, ele sofreu várias ameaças de morte dele e dos integrantes da seita. Jim Jones assustava sua congregação falando do Apocalipse Nuclear e convencendo-os a se mudarem para um lugar mais seguro e nessa busca de um lugar seguro ele acabou passando por Belo Horizonte, Rio de Janeiro, onde conheceu as favelas e depois foi para a Guiana Inglesa. O ano era 1965 e Jim Jones fazia previsão de que a guerra nuclear estava a caminho para 1967 e com isso ele alimentava a expectativa e a expansão de seu grupo. Enquanto isso seu grupo se expandia no estado da Califórnia com filiais do People Temple em várias cidades como Los Angeles e São Francisco. Eles promoviam distribuição de folhetos, arrebanhando viciados de drogas e moradores de rua em outras grandes cidades como Detroit, Houston, Cleveland, mas a sede continuava em São Francisco com mais de 3.000 pessoas onde a maioria era pobre e negra. Para manter tudo isso, os membros doavam do que tinham e vendiam amuletos e livros. Chegaram até possuir uma Estação de Rádio própria e uma gravadora. Quando se mudaram para Guiana, Jim Jones acenava com uma comunidade agrícola, com uma vida simples no campo e ali estariam abrigados da guerra nuclear ameaçadora que deveria vir em breve. Aos poucos os membros foram se mudando da Califórnia para Georgetown e em pouco tempo passava de 900 membros. Mas as denúncias contra Jones surgiram, como sequestro de crianças de quem abandonava o Temple, ameaças físicas e morais aos membros, tortura psicológica e negação de alimento, obrigação dos membros doarem 25% da renda, interferência de Jim nos casamentos e na vida sexual dos membros, isolamento das crianças separando-as de seus pais e outras loucuras mais. A história vai longa, mas chegou o dia em que todos apareceram mortos por envenenamento, exceto o líder Jim Jones que morreu por uma bala na cabeça.

Seria isso o que Jesus ensinou? Quanta diferença quando cremos no evangelho e confiamos nas palavras de Cristo: “Virei outra vez e vos levarei para mim mesmo, para que onde eu estiver vós estejais também” (João 14:3). O chamado carismatismo existe e nós estamos assistindo diariamente líderes religiosos arrebanhando milhares e vendendo promessas ilusórias que nunca poderão cumprir. Jesus profetizou sobre os falsos cristos e eles já estão por aí.

Os comentários estão encerrados.