Culto de Gratidão (Domingo 15/12/2019)
10/12/2019
Meditação diária de 12/12/2019 por Flávio Reti – Orlando Villas Boas
12/12/2019

Meditação diária de 11/12/2019 por Flávio Reti – Charles Romuald Gardès

11 de dezembro

Lucas 12:21  “Assim é aquele que para si ajunta tesouros e não é rico para com Deus”

Charles Romuald Gardès

Nascido na França, criado na Argentina desde os 2 anos de idade, foi o mais famoso cantor e dançarino de tango da história argentina. Ficou conhecido publicamente como Carlos Gardel. Filho de pai desconhecido, sempre que perguntado ele se esquivava e nunca dizia sua paternidade nem o local de seu nascimento, por isso mesmo especulavam que ele teria nascido na França, no Uruguai ou na Argentina mesmo, mas ele dizia “nasci na Argentina aos dois anos de idade” e ficava por isso. A explicação mais correta é que tenha vindo da França com sua mãe e que lá ela era passadeira e lavadeira de uma empresa. Seu apelido era “el morocho del Abasto” porque foi no bairro Abasto que passou sua infância. Família dividida e pobre, ele gostava de cantar nos bares e nas esquinas, nas festas e nos comícios para ganhar alguns centavos a fim de ajudar no sustento dele e da mãe. Sua mãe se empregou numa companhia teatral de Buenos Aires e com isso ele teve contato com personalidades da vida artística. Nascido em 1890, com 21 anos, em 1911 ele começou a cantar profissionalmente e começou também percorrer algumas cidades argentinas. Cantou em duetos, em trios, em conjuntos e o sucesso começou a aparecer e ele rodando por mais cidades cada vez mais longe. Cantou no Uruguai em Montevidéu, no Brasil em São Paulo e no rio de Janeiro, no Chile em Santiago e Valparaíso, e ao mesmo tempo gravando suas canções. Em pouco tempo ele estava cantando tango na Europa, em Cuba, nos Estados Unidos. Espanha, França e Alemanha. Costumo dizer que tudo nesta vida descreve um gráfico. Observe um animal, uma árvore, uma empresa, quase tudo, e você vai notar que nasce, cresce, se mantém por um tempo e depois começa declinando e morre. Assim foi a vida de Carlos Gardel, nasceu, cresceu, se manteve por um tempo, começou declinando e morreu em Junho de 1935 com apenas 44 anos em um acidente de avião na cidade de Medelín, na Colômbia. Em 2003, por proposta do governo Uruguaio, A UNESCO gravou a voz de Carlos Gardel em um programa chamado “Memória do Mundo” para a posteridade e para estudo sobre a música no mundo.

A história da vida de Carlos Gardel, morto aos 44 anos, deixando para trás uma carreira de sucesso absoluto, nos serve muito bem para mostrar quanto esta vida é incerta. Os homens propõem, mas só Deus dispõe. Nós fazemos planos, conjecturamos e na nossa cabecinha nos julgamos super capazes de levar tudo a efeito, mas Deus tem os destinos deste mundo e da nossa vida em suas mãos, aliás, ele mantém os mundos no espaço, pra ele não é difícil cuidar da sua vida também. Lembra-se de quando Jesus contou a parábola do rico insensato?  Ele, cujos campos produzira em abundância, dizia no seu coração “destruirei esses celeiros, construirei outros maiores para guardar todo o grão e depois direi à minh’alma, come e bebe porque tens para muitos dias”. Louco, disse Jesus, e se nesta mesma noite sua vida for tirada, o que tens para quem será? (Luc.12:13 – 21). E Jesus arremata dizendo que “assim é aquele que para si ajunta tesouros e não é rico para com Deus”. Conclusão, essa vida é muito incerta, só a vida eterna é certa, logo, vamos ajuntar tesouros no céu, óbvio.

Os comentários estão encerrados.