Meditação diária de 08/06/2019 por Flávio Reti – Arthur Charles Clark
08/06/2019
Novo Encontro – 2019/06/09
09/06/2019

Meditação diária de 09/06/2019 por Flávio Reti – George Stephenson

09 de junho

Mateus 5:12  “Alegrai-vos e exultai, porque é grande o vosso galardão nos céus…”

George Stephenson

Todo mundo sabe que o início dos transportes sempre foi em lombo de animais e posteriormente em carroças também puxadas por animais, até que um engenheiro inglês inventasse o motor a vapor estacionário que passou a servir para os teares, para bombear água, sobretudo para drenar a água que juntava dentro das minas de carvão, tudo baseado no princípio de que o calor produz movimento, aquecendo a água, gerando vapor que sob pressão empurra um êmbolo que aciona uma manivela e faz girar a roda. Ainda hoje o sistema é usado nas usinas nucleares, onde a fusão aquece a caldeira produzindo vapor que vai girar os geradores de eletricidade. Com a evolução da vida, foi lá pelos anos 1840 que George Stephenson, também engenheiro e mecânico Inglês, resolveu pôr a máquina a vapor em cima de trilhos com rodas munidas de rebordos para não sair dos trilhos. Ele que não sabia ler nem escrever, trabalhava numa mina de carvão como operador de máquina a vapor, recebendo um salário miserável não suficiente para pagar sua educação, projetou sua primeira locomotiva. Inicialmente sua invenção era para o transporte de carvão dentro da mina, mas tinha capacidade de transportar 30 toneladas e logo em seguida ele foi convidado para construir uma ferrovia de 13 quilômetros entre duas cidades (Hetton e Sunderland). Foi a primeira linha de transporte por terra que não usava força animal. Carros nos trilhos já existiam, mas eram puxados por cavalos e Stephenson convenceu os empresários a usar a máquina a vapor sobre trilhos e deu muito certo. No dia da inauguração da linha férrea entre Liverpool e Manchester, grandes figuras políticas estiveram presentes, inclusive o Duque de Wellington, mas a cerimônia foi estragada porque um dos membros do parlamento foi atropelado e morto pela locomotiva de Stephenson. Daí para frente só fama e Stephenson era o engenheiro chefe de diversas linhas férreas que surgiram.

Como se pode perceber, a fama não acorre somente aos letrados e doutos, pobre também pode ter seu dia de glória e foi o que aconteceu com George Stephenson, o inventor da locomotiva a vapor sobre trilhos que logo passou a transportar passageiros também, além de cargas de carvão e outras mercadorias. Mas a glória vem e logo se vai. Em 1893, poucos anos depois da máquina a vapor, Rudolf Diesel estava apresentando seu motor de combustão interna desbancando a locomotiva a vapor. A glória do homem é passageira, nada aqui é para sempre. É por isso que nós, os crentes, esperamos “novos céus e nova terra” onde tudo haverá de perdurar pela eternidade. Eu aguardo com ansiedade esse dia eterno na presença dos santos anjos e de Cristo, nas mansões celestiais. Não se assuste se alguém lhe disser que a glória do mundo é passageira, aliás, tudo aqui é passageiro, inclusive nós que estamos aqui de passagem. Nosso lugar definitivo não é aqui, será no céu, nas mansões que Jesus foi preparar, logo, quando eu digo que aguardo esse dia eterno é porque eu aguardo mesmo, conscientemente, com certeza, aliás, eu não tenho motivos para duvidar das palavras de Jesus: “Virei outra vez e vos levarei” (João 14:3).

Os comentários estão encerrados.