Meditação diária de 08/04/2017 por Flávio Reti
08/04/2017
Meditação diária de 10/04/2017 por Flávio Reti
10/04/2017

Meditação diária de 09/04/2017 por Flávio Reti

Dia Nacional do Aço

“que com pena de ferro e com chumbo fossem para sempre esculpidas na rocha” Jó 19: 24

No estado do Piauí existem várias áreas de proteção e preservação ambiental criadas por decreto presidencial cuja administração está a cargo do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade.

É o Parque Nacional da Serra da Capivara, uma unidade de conservação arqueológica com vestígios de provas que se conservam durante milênios. O valor do sítio é devido às formações rochosas e provas inquestionáveis da presença de seres humanos e de animais pré- históricos na região. Na área há paredões com gravuras e pinturas rupestres que os estudos científicos confirmam que a Serra da Capivara foi densamente povoada nos períodos pré- históricos porque trazem vestígios do homem há 50.000 anos (assim dizem os pesquisadores) sendo os registros mais antigos na América. No local foram encontrados peças de pedra, esqueletos humanos e pinturas coloridas expressando cenas de sexo, de dança, de parto, de animais entre outras.

Parece que há muita especulação quanto ao passado para tentar justificar a evolução da vida no mundo há milhares e milhões de anos, quando, segundo a bíblia, a terra foi recentemente criada por Deus.

Durante a duplicação da rodovia Pan-Americana, foram encontrados mais de 70 fósseis de baleias no deserto do Atacama, no Chile, considerado o deserto mais seco do mundo, mais do que o Saara, na África. Mas a pergunta é a seguinte: O que explica a presença de fóssil marinho no deserto? E como explicar o secamento do mar na região que um dia foi coberto de águas? Não há outra explicação a não ser que se aceite o dilúvio bíblico como solução. A palavra de Deus é bem clara, as águas cobriram a terra toda e os animais marinhos se deslocaram em meio as águas e quando estas baixaram eles ficaram presos em regiões hoje desérticas. Há também, ainda por explicar, conchas marinhas no alto do Grand Canyon Americano.

A bíblia vem sendo desafiada por muitos assim chamados cérebros da humanidade. A herança maldita de Darwin ainda nega o reino dos céus a muitas pessoas atualmente. Mas a palavra de Deus não voltará “vazia”. A verdade prevalecerá para sempre e nós um dia veremos a glória de Deus confirmando a veracidade da sua palavra. O reino do céu nos aguarda. Precisamos estar lá para ver todas as perguntas respondidas e todas dúvidas vindo às claras. Um dia Ele esclarecerá. Pode esperar e confiar.

A bíblia é tal qual uma bigorna de aço, onde os homens malham tentando destruí-la, mas sobre ela já se desfizeram muitos malhos. As doutrinas errôneas nos desafiam a provar a existência de Deus, a existência de um dilúvio universal, o sacrifício de Jesus. Nossa mente vem sendo desafiada e para nos safar desse aperto, precisamos conhecer mais as obras de Deus. Precisamos nos aprofundar no conhecimento da criação, da destruição pelo dilúvio, na orientação de Deus nos acontecimentos da vida para estarmos preparados para responder a quem nos interpelar. A verdade deve prevalecer sempre e nós temos que conhecer a verdade. Disse Jesus: “E conhecereis a verdade e a verdade vos libertará” (Jo.8:32). Jó era um homem que se sentia seguro na sua confiança em Deus e queria que suas palavras de confiança, de esperança fossem escritas na pedra, que se transformasse num fóssil eternamente e por isso ele disse o verso acima: “quem dera que minhas palavras fossem escrita na rocha, que com pena de ferro e com chumbo fossem para sempre esculpidas na rocha”. Assim deveria ser nossa segurança em Deus, na palavra de Deus, na mensagem que conhecemos, nas promessas de vida eterna, na certeza da salvação. Jesus em breve virá, pode estar seguro disso.

Os comentários estão encerrados.