Meditação diária de 06/05/2019 por Flávio Reti – Ariel Castro
06/05/2019
Meditação diária de 08/05/2019 por Flávio Reti – Antoine Laurent de Lavoisier
08/05/2019

Meditação diária de 07/05/2019 por Flávio Reti – Alfred Josef Ferdinand Jodl

07 de maio

Isaías 28:17  “E farei do juízo a linha para medir e da justiça, o prumo, e a saraiva varrerá o refúgio da mentira”

Alfred Josef Ferdinand Jodl

O nome de batismo do nosso personagem de hoje era Alfred Josef Ferdinand Jodl que depois passou para Alfred Josef Ferdinand Baumgärtler por ter nascido na cidade de Baumgärtler. Era alta patente do exército de Hitler, integrante da cúpula, que servia na artilharia. Com o final da guerra e com a derrota da Alemanha ele foi julgado e sentenciado à morte de enforcamento pelos crimes praticados em Nuremberg. Ele já havia sido comandante na I guerra mundial quando foi duas vezes ferido em batalha. Seu nome aparece muito em destaque porque foi ele o general encarregado de assinar a rendição incondicional da Alemanha, logo após a guerra que terminou em 1945. Era dele a ordem de que os capturados na guerra não deveriam ser tratados como prisioneiros de guerra, mas que deveriam antes ser todos fuzilados independente da sua posição hierárquica no exército inimigo. É bom lembrar que ele havia jurado fidelidade a Hitler até o fim, desse o que desse e assim aconteceu. Mas aconteceu o contrário do que esperavam, porque terminada a guerra ele foi julgado por um tribunal internacional e foi acusado de conspiração, de cometer crimes contra a paz, de planejamento da guerra, de iniciar a agressão invadindo a Polônia, de crimes contra a humanidade. Os acusadores internacionais tinham provas com a assinatura dele nas ordens que expedia pedindo a execução sumária de todos os capturados, assinaturas ordenando a deportação de judeus para os campos de concentração. Seus crimes deixaram pistas que ele não conseguiu negar. Quando se viu acusado e condenado, ele pediu para ser executado por fuzilamento com outros líderes nazistas, mas foi negado seu pedido e ele foi enforcado um ano depois da guerra terminar. Suas propriedades foram confiscadas e depois de um tempo após sua execução foram devolvidas à sua viúva.

Deu para perceber, com esse pequeno relato sobre um nazista, que o poder corrompe? Que o status envaidece? Que quando o orgulho está dentro a razão está fora? Era um jovem soldado como muitos que serviram no exército de Hitler, talvez nunca tivesse pensado em ser elevado a alta patente diante do Führer, mas quando chegou lá, se tornou o carrasco de milhares que se somaram aos 6 milhões de judeus executados. Bem que poderia ter deixado para seus descendentes um relato de uma vida de glórias, mas infelizmente o que deixou foi uma vergonha para o povo alemão e um motivo de revolta para o mundo inteiro por causas das atrocidades cometidas sob sua assinatura. Quão longe ele se achava quando comparado ao meigo e manso Jesus que andava por toda parte fazendo o bem! Com quanta propriedade não disse Jesus: “Quem comigo não ajunta, espalha”. Ele nada agregou ao reino de Cristo, mas espalhou muito ódio nos povos subjugados e condenados. Não se impressione com isso, porque um dia tudo virá à luz e nada há que ficará escondido. O juízo de Deus é fiel e justo.

Os comentários estão encerrados.