Programação dos Ex-Alunos 2019
04/06/2019
Assista os Seven Bikers no Programa F.E. em Ação da TV Novo Tempo
05/06/2019

Meditação diária de 05/06/2019 por Flávio Reti – Josef Mengele

05 de junho

Salmos 71:4  “Livra-me, Deus meu, da mão do ímpio, do poder do homem injusto e cruel”

Josef Mengele

Este camarada era um dos médicos a cargo da seleção das vítimas que seriam ou não mortas nas câmaras de gás e também o grande realizador de experiências mortais com seres humanos prisioneiros do regime de Hitler. Os trens chegavam lotados de prisioneiros e os que se demonstravam aptos para o trabalho ficavam no campo de trabalho forçado e os que eram incapazes iam direto para as câmaras de gás a fim de serem mortos e um peso financeiro seria eliminado. E pensa que Mengele era um João ninguém? Não senhor, ele tinha doutorado em antropologia e também em medicina. Começou no partido como médico oficial e quando esteve em Auschiwitz percebeu a oportunidade de fazer experiências genéticas com as pessoas que chegavam, geralmente judeus. Ele estava interessado em gêmeos de boa linhagem genética para reproduzir seres humanos perfeitos, brancos, para provar a superioridade da raça ariana, como queria Hitler. A ideologia do nazismo era antissemitista, queria uma limpeza racial, uma raça pura porque Hitler visionava uma espécie de pangermanismo a fim de alargar seu território para o povo alemão. Foi assim que Hitler tentou tomar inicialmente a Polônia, depois a União Soviética, e ir matando todos os judeus e eslavos que por ali viviam e que eram considerados de raça inferior. Mengele pediu para ir para Auschiwitz e trabalhava na separação de quem iria morrer e de quem iria para os campos, e ele fazia isso sorrindo e muitas vezes assoviando uma música qualquer. Mengele também participava da equipe que aplicava o pesticida feito de cianeto que era o que fornecia o gás para matar nas câmaras. Vários surtos de doenças surgiam nos acampamentos, gangrena, tifo, escarlatina, mas ninguém era tratado, eram antes levados para a câmara de gás, especialmente mulheres, crianças e velhos que segundo ele não serviam para nada, nem para suas experiências. Ele matou um cem números de crianças com injeções letais, fuzilamento dos velhos, espancamentos além das experiências mortais. Amputava membros de uma criança e implantava noutra, infectava intencionalmente com tifo, fazia transfusão de sangue a esmo, sem necessidade, injetava produto químico no olho das crianças para mudar a cor dos olhos, costurava gêmeos costa com costa na tentativa de criar gêmeos xipófagos e eles morriam de gangrena em seguida. Com a aproximação da derrota alemã, Mengele fugiu de navio para Buenos Aires, de lá veio para o Paraguai e posteriormente para o Brasil em 1960. Nessa altura já era procurado por Israel e por caçadores de nazistas, mas Mengele sempre escapou da captura. Em 1979 Mengele morreu afogado na praia de Bertioga, litoral de São Paulo, e foi enterrado com um nome falso. Seus restos foram exumados e identificados, era ele mesmo.

O que dizer de uma criatura dessa? Um monstro? Um demônio? Ou o próprio demônio em pessoa? Felizmente, no céu, os anjos mantém um fiel registro de tudo que se passa nesta terra e um dia Deus executará seu juízo indistintamente, para os bons e para os maus. O que pensar agora? É de que lado eu vou estar no dia desse juízo.

Os comentários estão encerrados.