Novo Encontro – Pr. Renato de Paula da APSO (2/6/2019)
02/06/2019
Meditação diária de 04/06/2019 por Flávio Reti – Karl Marx
04/06/2019

Meditação diária de 03/06/2019 por Flávio Reti – Fidel Alejandro Castro Ruz

03 de junho

Isaías 13:11  E visitarei sobre o mundo a sua maldade, e sobre os ímpios a sua iniquidade; farei cessar a arrogância dos atrevidos e abaterei a soberba dos cruéis”

Fidel Alejandro Castro Ruz

Fidel Castro era seu nome de guerra, o homem que governou a Ilha de Cuba por 49 anos, 17 anos como primeiro ministro e 32 como presidente. Depois de passar o governo para seu irmão Raul Castro, ele ainda serviu como conselheiro do país e do seu partido até 2016, quando morreu com 90 anos de idade. Enquanto estudava na Universidade de Havana, apesar de ser filho de um rico fazendeiro e não precisar de política, ele adotou a política imperialista e foi assim que ele sempre esteve envolvido em lutas contra o governo cubano de Fulgêncio Batista até conseguir sua derrubada, mas não sem antes ser preso durante um ano e se abrigar no México onde criou um grupo revolucionário auxiliado pelo seu irmão Raul Castro e pelo líder Che Guevara. Na época os Estados Unidos não se envolveram porque perceberam a íntima amizade de Fidel com a Rússia, antiga União Soviética. Os Estados Unidos até tentaram destituí-lo através de bloqueio comercial, invadindo a Baía dos Porcos, tentativa de assassinato, mas Castro amparado pelos soviéticos permitiu que eles colocassem armas nucleares espalhadas pela Ilha e os americanos temerosos iniciaram a chamada guerra fria com a Rússia. Com Fidel Castro no poder, Cuba até alcançou um grande desenvolvimento econômico, conseguiu a menor taxa de mortalidade infantil do mundo e o fim da desnutrição infantil, a erradicação do analfabetismo, entre outra benfeitorias, mas na contra mão disso tudo Fidel imprimiu um rigoroso controle estatal de tudo, suprimiu a liberdade de Imprensa e de expressão. Foi nessa fase política que Fidel aprimorou a medicina no país e oferecia seus préstimos a vários países dando a Cuba uma boa imagem no exterior. Já debilitado pela idade, ele achou melhor passar o comando da Ilha para seu irmão Raul Castro que já vinha atuando como vice presidente. Além de Fidel ter sido um ditador totalitário, ele cometeu muitos abusos aos direitos humanos e criou condições para o êxodo de mais de um milhão de cubanos para os países da América Central e para os Estados Unidos. Aos 12 anos de idade, enquanto ainda cursava o ensino básico, Fidel mandou uma carta escrita em Inglês ao presidente americano, olha a ousadia, na época Franklin D. Roosevelt, pedindo 10 dólares, o que o governo americano negou e respondeu se desculpando dizendo que essa não era sua política. Posteriormente, Fidel afirmou que se ele tivesse dado os dez dólares, talvez teria evitado a dor de cabeça que Fidel causou ao governo americano.

Pois bem, dominador, ditador, totalitarista, mão de ferro, cruel, sem pena de seu próprio povo, não é esta a mesma política do maior adversário da humanidade, satanás? Ou se não, de onde vem todo o sofrimento por que passa o mundo hoje? Guerras, mutilações, gente desabrigada, sem alimento, em estrema pobreza, sofrendo sem causa, fugindo de seus próprio país, rejeitada, oprimida, sem perspectiva de um dia ser feliz. Não é assim a política do céu, onde a lei suprema é o amor. Lá o amor é a medida de todas as coisas, é tudo que rege a relação dos seres de outros mundos e dos anjos. É isso que nos faz almejar estar naquele país, onde reina a paz e a vida se conta pelos milênios e não pelos dias de sofrimento vistos aqui.

Os comentários estão encerrados.