Meditação diária de 31/10/2019 por Flávio Reti – Catherina de Medicis
31/10/2019
Culto de Adoração (Sábado 02/11/2019)
01/11/2019

Meditação diária de 01/11/2019 por Flávio Reti – Luís Vaz de Camões

01 de novembro

Salmo 102:18    “Escreva-se isto para as gerações futuras, para que um povo que está por vir louve ao Senhor”

Luís Vaz de Camões

Considerado uma das figuras mais ilustres entre os escritores portugueses, Luís Vaz de Camões guarda para Portugal um lugar no pódio da arte literária. Sabemos pouco sobre sua vida, mas se sabe que teve uma boa educação, dominou o Latim, conhecia muito bem literatura e história, frequentou a corte, se envolveu com namoradas da nobreza e do povo, a chamadas plebeias, e teve uma vida boêmia e agitada. Frustrado com seus amores se exilou para a África e entrou para o exército, onde perdeu um olho em batalha. Ao voltar para Portugal, brigou e feriu um palaciano e foi preso. Saiu e foi para o Oriente, mas lá também foi preso várias vezes combatendo a favor dos Portugueses e lá ele escreveu a obra que o deixou famoso, Os Lusíadas. Camões foi adotado como símbolo de Portugal e ele ainda hoje representa a cultura e a identidade do povo português pela sua importância no contexto histórico. Seus escritos narram as epopeias e aventuras vividas pelo povo português na edificação e na formação de seu território, sua gente.  A vida de Camões coincide com a época das grandes navegações, quando Portugal navegava os sete mares em busca de conquistas territoriais. Numa das suas viagens, Camões estava voltando de Moçambique para Goa e o navio sofreu naufrágio. Camões conseguiu salvar-se nadando com um só dos braços, porque ele era aleijado de um dos braços, e preso à cabeça salvou também os manuscritos de “Os Lusíadas”. Esse fato ajuda criar mais suspense, mais êxtase nos seus escritos. Os Lusíadas é a história de Portugal e de suas conquistas contadas em verso pelo poeta Camões. Dizem que se perderem a história de Portugal, será possível reconstruí-la através dos escritos de Camões.

Quando vejo a divulgação que Portugal faz de seu herói, fico a pensar nas palavras do anjo ao profeta João, quando estava preso na Ilha de Patmos por causa do evangelho: “O que vês, escreve num livro e envia-o às sete igrejas” (Apoc.1:11) que estavam na Ásia. Ele escreveu e de fato enviou e hoje nós temos o Livro do Apocalipse, um manual do que aconteceu, está acontecendo e ainda irá acontecer no mundo. O livro de Apocalipse, diferente do livro de Camões, tem deixado muita gente que o lê perplexa, há quase 2.000 anos. No decorrer dos tempos, ele tem sido um livro muito incompreendido e mal interpretado pelas pessoas do mundo. Mas não é necessário ser assim, seu nome diz que ele é a revelação de Jesus Cristo. A mensagem principal do Apocalipse é simples. É Deus prometendo que implantará a paz universal sobre toda a terra após o retorno de Jesus Cristo. O livro revela como esse mundo será destruído e como o mundo maravilhoso será estabelecido para sempre, eternamente, como o reino de Deus. O livro do Apocalipse também descreve forças e poderes numa missão satânica enganosa envolvendo política e religião para impedir que Cristo reine soberanamente. Essa oposição a Cristo e aos seus santos vai gerar um momento de turbulência religiosa internacional, trazendo sofrimento aos remanescentes diferente de tudo que já se viu no mundo. Camões pode ter tido sua importância na formação histórica do povo português, mas Apocalipse tem importância muito maior na preparação de um povo mundial para herdar o reino eterno de Cristo, onde eu espero estar pela sua graça.

Os comentários estão encerrados.