Meditação diária de 29/02/2020 por Flávio Reti – Cama Hospitalar
29/02/2020
Meditação diária de 02/03/2020 por Flávio Reti – Câmbio automático
02/03/2020

Meditação diária de 01/03/2020 por Flávio Reti – Câmara Fotográfica

01° de março

Salmos 57:2  “Clamarei ao Deus altíssimo, ao Deus que por mim tudo executa”

Câmara Fotográfica

A história da câmara fotográfica e da fotografia tem muita gente envolvida e um processo de séculos até se chegar à fotografia, diga-se em branco e preto ainda. Uma câmara, nada mais é do que um aparato ótico para se obter as fotos com imagens. Imagine a ousadia dos inventores, capturar uma imagem, assim como capturar o som, coisas praticamente impossíveis. Aquilo que você vê ao piscar ou virar o pescoço já se apagou, mas a audácia dos homens era capturar a imagem e eternizar de algum modo. Não existia a fotografia e para se ter a cara de alguém teria que recorrer ao desenho livre e pra isso a pessoa ficava horas sentada ou deitada servindo de motivo. A câmara fotográfica foi uma tentativa de copiar o olho humano. Era inicialmente uma caixa grande com um orifício por onde entrava a luz e no fundo da caixa uma placa de vidro, ou de metal, betumada ou com algum sal sensível à luz. Começou por aí e foram fazendo experiências com a placa no fundo, com a substância sensível, com o tempo de exposição. Até se chegar aos sais de prata, às lentes objetivas, ao obturador, ao diafragma, à técnica de foco, no visor superior, muitas experiências foram feitas e muitas horas de laboratório. Desde 470 anos antes de Cristo já se tem notícia de um filósofo chinês (Mozi) construindo uma câmara escura e descobrindo que a imagem se formava invertida no interior da câmara. O pulo do gato foi quando, em 1727, se descobriu que algumas substâncias escureciam quando expostas à luz solar até que se chegou ao cloreto de prata. A primeira câmara comercial surgiu em 1839. Só em 1885 George Eastman, fundador da Kodak, lançou a câmara fotográfica munida de um filme de celuloide sensível à luz e depois copiado para papel fotográfico e revelado na atual fotografia como a conhecemos. No final do século XX as câmaras que fizeram tanto sucesso cederam lugar para as câmaras digitais e passou para sempre a fase da fotografia em papel fotográfico. Hoje tudo é digital processado dentro de um computador miniaturizado dentro de um celular. Hoje as câmaras digitais estão dentro de celulares, de radares, de automóveis, de relógios de pulso, de canetas. De uma caixa do tamanho de um quarto de uma casa até o tamanho de um grão de arroz, podendo ser introduzida dentro de nossas veias, incrível, não é? Eu vi nesse histórico muita mudança para melhor, mas quando olho para o ser humano não vejo melhorias, apenas involução e degeneração. Por isso eu aguardo o dia quando “transformados seremos todos” (I Cor.15:52).

Os comentários estão encerrados.