Meditação diária de 31/01/2017 por Flávio Reti
31/01/2017
Meditação diária de 02/02/2017 por Flávio Reti
02/02/2017

Meditação diária de 01/02/2017 por Flávio Reti

Dia do Publicitário

“Ele, porém, saindo dali começou a publicar o caso por toda parte e a divulga-lo, de modo que Jesus já não podia entrar abertamente numa cidade, mas conserva-se fora em lugares desertos. E de todos os lados iam ter com ele” Marcos 1:45

O que faz um publicitário? Nós temos a impressão de que o trabalho de um publicitário é criar propaganda e divulgá-las em revistas, jornais e na televisão. Publicidade, a arte de publicar, pra nós é isso. Mas podemos estar enganados porque o que vemos na televisão e nas revistas é a parte final da arte de publicar. Um publicitário tem que vender o produto de seu cliente, quer seja industrial ou comerciário. Às vezes ele é contratado para vender a imagem de um artista, de um político, nem sempre de produtos. Para isso, o publicitário tem um longo trabalho antes de apresentar o resultado final. Primeiro ele cursa uma faculdade de Propaganda e Marketing. Já no trabalho, ele faz pesquisas de opinião nas ruas, nos lares, no mercado, define seu público alvo, escolhe que veículo de promoção vai usar e só depois ele senta para criação do que vai ser o resultado final, que é sua criação publicitária.

Quanta diferença dos que publicam coisas sem fundamento!

Publicar é uma arte tão antiga quanto a própria existência do homem. Sempre que é necessário repassar uma informação ou pedir alguma informação, se faz uso de um publicitário. Na história da humanidade isso era feito por alguém que saía às ruas anunciando em voz alta ou subia num estrado elevado para que todos vissem e anunciava seu objetivo. Mais futuramente passou-se a escrever em letras grandes para que passando a pessoa pudesse ler (Hab.2:2).

Na bíblia está registrado um caso em que Davi pede para não publicar, não anunciar.

Foi quando o rei Saul e seu filho Jônatas foram mortos em batalha contra os amalequitas. Provavelmente o pedido de Davi se devia ao fato de que, ao dar conhecimento ao povo da morte do rei, algum alvoroço se levantaria provocando a desmoralização do povo e dando oportunidade para os inimigos se alegrarem e triunfarem sobre os vencidos (II Sam. 1:20).

Por outro lado, Asafe, mestre do canto, se compromete a publicar os louvores do Senhor com as seguintes palavras: “Assim, nós teu povo e ovelhas de teu pasto, te louvaremos eternamente e de geração em geração publicaremos os teus louvores” (Sal.79:13).

Dizem que a publicidade é a arma do negócio. Eu posso entender arma de duas maneiras: Arma dispara e assim pode disparar um bom negócio, ou arma mata e assim pode também matar um bom negócio.

A publicidade tem um alcance imprevisível. O próprio Jesus certa ocasião se preocupou com a publicidade. Ainda não era chegada a hora dele se manifestar publicamente e ele pedia aos seus discípulos que não dessem publicidade da sua presença, mas quanto mais os proibia, mais

o divulgavam (Mar.7:36). Duas vezes Jesus pediu que não publicassem: No caso da cura de um homem surdo e mudo (Mar.7:32) e na cura de um homem com lepra (Mar.1:45).

E você, o que anda publicando? Há pessoas a quem basta subir em cima de um tijolo já começam a fazer discurso. Cuidado, a publicidade é imprevisível no seu alcance.

Os comentários estão encerrados.