história

“Uma breve história do tempo”

 

As origens

IGREJA

Setembro de 1973. O Instituto Adventista São Paulo, pouco tempo depois de ter deixado o nome Ginásio Adventista Campineiro, contava com cerca de 350 alunos, 80 professores e funcionários e por volta de 200 membros da comunidade do Parque Ortolândia, então um bairro do município de Sumaré.
A cada sábado essa congregação de pouco mais de 500 pessoas reunia-se no Salão de Atos da instituição, conhecido como “Capela”, atualmente parte integrante da biblioteca (anteriormente “Prédio Central”). Era nítida a necessidade de mudança, primeiro pela lotação do local já há muito atingida, associada à tendência de crescimento rápido no número de alunos e professores, assim como de famílias que mudavam-se para Hortolândia. E depois porque o IASP, uma das instituições de referência da Igreja Adventistas do Sétimo Dia no mundo, precisava de um local dedicado exclusivamente à adoração à Deus. Deus merecia a honra e os esforços de um local especial.
Assim, numa reunião pequena, mas significativa, Pr. Tércio Sarli, diretor geral do IASP à época, Dimas Targas, tesoureiro do IASP, e Pr. Leeondenis Vendramin, pastor da Igreja, considerando os fatos e a sugestão de muitos, tomaram o voto de iniciarem a construção do Templo.
Existia na época, de origem e projeto desconhecidos, os contornos de um alicerce para a construção de uma igreja precisamente no local onde hoje estão construídos os banheiros e salas de apoio, entre a nave da Igreja e os Módulos. No entanto os contornos mostravam-se acanhados, o que indicava uma construção de tamanho insuficiente, mesmo para a época.
Um projeto totalmente novo era necessário.

A Construção

 

iasp2
No início de 1974, após algumas idéias preliminares, Pr. Sarli e Pr. Vendramin, em uma visita à Associação Paulista, na época a única associação no estado de São Paulo, localizada na capital, depararam-se com uma igreja não muito grande mas de beleza singular, diferente dos projetos arquitetônicos comuns para as igrejas no Brasil, mas ainda assim transmitindo a sensação solene que um templo requer. Era o templo da Igreja Reformada Holandesa, ainda de pé hoje em São Paulo.
Após alguns contatos o engenheiro responsável pela construção foi encontrado: Franz Andreas Pestalozzi, um engenheiro suíço radicado no Brasil que havia trazido para cá um projeto visto na Europa anos antes e construído o templo da Igreja Reformada Holandesa.
Após receber as informações sobre a Igreja Adventista através dos pastores Sarli e Vendramin e de entender a missão do IASP, Pestalozzi prontificou-se à adaptar o projeto para um templo de 1.200 lugares e acompanhar as obras, distantes portanto mais de 100km de seu escritório em São Paulo, em troca dos “almoços com a carne adventista” que ele conheceu no refeitório durante sua primeira visita à Hortolândia. Dessa forma, um dos projetos arquitetônicos sacros mais bonitos do Brasil até hoje, foi um presente de um engenheiro europeu à Igreja.
Esse foi o início de uma série de milagres e intervenções inimagináveis de Deus. Dentre elas destacam-se a doação de toda a parte elétrica original da Igreja, a doação de todos os vidros, esquadrias e portas, a doação, pelo irmão Johannes Hess, do material e mão de obra de toda a pintura original e dos mais de 3 milhões de cruzeiros levantados pelos membros e amigos da Igreja, sob coordenação do Pr. Vendramin e usados desde a contratação do primeiro pedreiro, irmão Geraldo Targas, até o fechamento do livro caixa da construção.
A concretização final desses feitos se deu em 13 de Julho de 1976: após um prazo recorde de 26 meses a Igreja do UNASP Hortolândia estava sendo oficialmente inaugurada, totalmente concluída e paga.
22 Anos.
No final de novembro de 1998, após o culto de ação de graças pela formatura de mais uma turma, na sexta-feira à noite, uma forte chuva caiu sobre Hortolândia. Naquela noite, uma das placas de cimento prensado com palha originalmente usados na composição do forro interno da Igreja, foi atingida por uma insistente goteira que acabou, depois de algumas horas, por derrubar aquela placa sobre os bancos onde algumas horas antes sentavam-se convidados para o culto de formatura.
Na manhã seguinte, Sábado, a área precisou ser isolada dentro da Igreja e para a tarde do mesmo dia, Pr. Cláudio Vilela, então pastor no IASP, convocou uma reunião extraordinária da comissão da Igreja para definir, com a máxima urgência, a retirada do forro de placas de cimento.
Naquela semana de 1998, 22 anos após a inauguração da Igreja, iniciava-se o processo que se transformaria numa reforma completa do templo.
Inicialmente prevista para durar alguns meses, apenas o suficiente para a escolha, preparo e colocação de um novo forro, a reforma foi decidida após uma consulta à congregação e as obras acabaram tomando cerca de 7 anos, passando pela reavaliação estrutural da Igreja, troca das esquadrias e vidros, remodelagem e construção do piso, remodelagem e construção da plataforma e tanque batismal, reconfecção do projeto elétrico e hidráulico, construção das salas de apoio, colocação de carpete e forrações, projeto e instalação do sistema de som e troca dos bancos, entre outros detalhes estéticos e de acabamento. Ah, e claro, a troca do forro.
A conclusão.
30 anos após a inauguração e 7 anos após iniciada a reforma completa, a Igreja reabre suas portas com toda sua significância em prol da Causa.
Muitos irmãos, membros dessa igreja, deram tudo de si pela obra, financeiramente e emocionalmente. Muitos profissionais doaram seus talentos e como forma de gratidão e reconhecimento à Deus por tantos dons que deu à sua Igreja, formaram uma comissão multidisciplinar que trabalhou com afinco, incontáveis horas, na condução da reforma. Muitos amigos dessa igreja, vários não adventistas, contribuíram de alguma forma e nota-se que mesmo em construção, um prédio pode servir de ferramenta de evangelização e aproximação de pessoas à Cristo.
Esse templo, por si, é só um prédio. É uma coleção de materiais coordenados entre si por mãos humanas formando uma construção funcional. Não está nele a glória. Mas representa a glória de tudo o que Deus pode fazer e faz pelo seu povo.
Os 7 anos da reforma, assim como durante a construção, foram um período de esforços, contribuições, milagres e histórias que em parte são recordadas nessa publicação, em parte recordadas somente daqui à alguns anos, talvez no Céu. Mas também foi um período de uma terrível batalha espiritual, em que hostes do maligno empenharam-se em bloquear a comunicação do humano com o Criador, tentando trazer para as coisas a importância que somente Deus pode ocupar em nossas vidas.
E foram nesses momentos que as palavras de Cristo ressoaram como nunca entre nosso povo: “edificarei minha Igreja sobre a rocha e as portas do inferno jamais prevalecerão contra ela.”

Lista de Pastores da Igreja do UNASP Hortolândia

Pastor Geraldo Marski

1970 - 1971

Pastor Leondenis Vendramin

1972 - 1976

Pastor Natanael Batista

1977 - 1979

Pastor Edgard de Oliveira

1980

Pastor Sérgio Schaeffer

1981 - 1963

Pastor Abel Molina

1984 - 1985

Pastor Otávio Alves da Costa

1986 - 1988

Pastor Mário Valente

1989 - 1991

Pastor Antônio Cláudio Vilela

1992 - 1993

Pastor Aurelino Aurélio Ferreira

1994

Pastor Ronaldo Alberto de Oliveira

1995 - 1997

Pastor Antônio Cláudio Vilela

1998 - 2000

Pastor Urias Chagas

2001 - 2002

Pastor Antônio Braga de Moura Filho

2003 - 2010

Pastor Heber Mascarenhas

2010 - 2012

Pastor Jael Enéas de Araújo

2012 - 2013

Pastor Gilson Grüdtner

2013 - 2015

Pastor Helbert Almeida

2015 - Atual