Meditação diária de 29/05/2020 por Flávio Reti – Formiga
29/05/2020
Feliz Sábado
29/05/2020

Comentários da Lição 9 (2o Trim/2020)

Lição 9 A criação: Gênesis como fundamento (parte 2)

1.Abertura 23 a 29 de maio

Verso para memorizar:

 “Os céus proclamam a glória de Deus, e o firmamento anuncia as obras das Suas mãos” (Sl 19:1)

Muitos pensadores importantes foram inspirados pelas Escrituras a investigar o mundo criado por Deus. Como resultado, nasceu a ciência moderna. Após a Revolução Francesa, a ciência do século 19 passou de uma cosmovisão teísta para uma cosmovisão fundamentada no naturalismo e no materialismo.

Essas ideias filosóficas foram popularizadas por Charles Darwin, em seu livro A Origem das Espécies (1859). Desde essa época, a ciência tem se distanciado cada vez mais de seu fundamento bíblico, resultando em uma reinterpretação radical da história do Gênesis.

Comentário

O impressionante relato bíblico tem intrigado pensadores até os dias de hoje por apresentar fatos que ora corroboram com o pensamento científico e ora desafiam o pensamento comum pela sua linguagem metafórica, porém independente da forma, sempre inspirado pelo Espirito de Deus, o que garante ao mais sincero estudante a coerência e beleza interpretativa da narrativa bíblica.

2- Uma Terra Plana   

 Verso: Apocalipse 7:1

 E depois destas coisas vi quatro anjos que estavam sobre os quatro cantos da terra, retendo os quatro ventos da terra, para que nenhum vento soprasse sobre a terra, nem sobre o mar, nem contra árvore alguma.

Comentário

Mesmo a bíblia não sendo um livro de propósito científico a mesma se fez valer de citações a frente do seu tempo sobre a percepção humana diante do universo revelado, e tal percepção impressiona quando oportunamente se comprova o exposto científico. É claro que por vezes em virtude da estrutura literária, que se apresenta metafórica e simbólica, há o risco de incorrer em conclusões precipitadas ou nada científicas como a afirmação de que a terra seria plana.

Sempre é bom lembrar que Deus optou, em sua misericórdia, para que a bíblia por meio da inspiração divina fosse escrita através da sua criatura, preservando as impressões humanas e, portanto, aceitar a cosmovisão do escritor a época, é coerente e de maneira alguma desmereceria a inspiração do texto bíblico.

Aplicação

A bíblia é a revelação de Deus ao ser humano, seu tema principal é a salvação da humanidade através do Messias Jesus Cristo, sua simplicidade e profundidade devem ser o nosso propósito maior. Temas periféricos e especulações não devem fazer parte do desprendimento de nossa energia a menos quando em defesa da nossa fé e preservação da unidade do corpo de Cristo, onde para tal o princípio do amor é o norte.

3- A criação na literatura antiga  

 Verso: Gênesis 1:27

 E criou Deus o homem à sua imagem; à imagem de Deus o criou; homem e mulher os criou.

Comentário

O relato bíblico da criação descrito por Moisés apresenta diferenças marcantes, quando comparado a outros escritos antigos, dentre as quais destacamos a inversão de valores nos papéis da divindade e de sua criatura onde é perceptível o princípio escravocrata idealista do ser humano, em oposição ao propósito espiritual da comunhão da criatura com o seu Criador. Outro aspecto contraditório é a brutalidade pela qual as narrativas primitivas imprimem sobre a criação, diferentemente do processo de Elohim no qual a morte ainda não existia e nem outrora o pecado. E finalmente o maior de todos os princípios diferenciais que comprovam a inspiração divina no relato da criação, o amor.

Aplicação

Entender que não se pode reproduzir a história em laboratório, mas que pelas evidências históricas , linguísticas, sociológicas e culturais se pode identificar características comuns de uma mesma narrativa central, e que por sua vez paira sobre diferentes civilizações antigas onde geograficamente seria impossível em muitos casos, o encontro de seus povos, apenas nos traz a percepção da criação original e de um diluvio universal em comum com o texto bíblico.

Nossa fé apenas se fortalece ao constatarmos tais evidências, sendo ela a fé, a única e suficiente garantia de nossa experiencia relacional com Deus e sua palavra.

4- Gênesis versus paganismo  

 Verso: Gênesis 1:14

 E disse Deus: Haja luminares na expansão dos céus, para haver separação entre o dia e a noite; e sejam eles para sinais e para tempos determinados e para dias e anos.

Comentário

No relato do gênesis cada ação criativa sugere um propósito, uma função e em nenhuma dessas ações o que foi criado exerce o papel de Deus ou reivindica adoração, daí o cuidado do autor na escolha das palavras ao se referir aos astros sol e lua como luzeiros e suas finalidades especificas. Quanto a criação do homem, é curioso perceber que os mitos pagãos são uniformes no propósito de criar o ser humano para alivio do trabalho dos deuses, enquanto o próprio Criador Elohim elege um dia para o descanso e não à escravidão de sua amada obra prima.

Aplicação

O distanciamento de princípios nas narrativas dos mitos pagãos e do gênesis, são evidencias suficientes da ação humana e do egoísmo das civilizações da época sobre o texto, este fato traz alivio e confirma ainda mais o plano original de Deus para a humanidade. O livre arbítrio, a vida eterna, o paraíso e sua perfeição são presentes idealizados no coração de Deus para a sua criatura e isso fortalece o partilhamento da fé no Criador.

5-A criação e o tempo

Verso: Gênesis 5:1 Este é o livro das gerações de Adão. No dia em que Deus criou o homem, à semelhança de Deus o fez.

Comentário

Apesar de num primeiro momento percebermos as genealogias como meramente descritivas, existe todo um cuidado do autor quanto a cronologia dos fatos relatados no Genesis, bem como a preservação da profundidade teológica do texto. É através das gerações que confirmamos o cuidado de Deus com a linha do tempo, onde essa cronologia dos personagens passa a ser testemunha da criação em contraste com os milhões de anos da teoria evolucionista, é essa profundidade teológica das genealogias que apontam para a existência de um Criador e de um primeiro homem, Adão, com suas gerações subsequentes.

Aplicação

A coesão na descritiva genealógica fortalece a nossa fé e nos aproxima ainda mais do sentimento de retorno ao éden. Saber que Adão está tão próximo de nós e de que o plano da redenção foi implementado oportunamente, reforça o desejo do reencontro com o Deus Elohim, o nosso Criador.

6- A criação nas Escrituras

 Verso: Romanos 5:14

No entanto, a morte reinou desde Adão até Moisés, até sobre aqueles que não tinham pecado à semelhança da transgressão de Adão, o qual é a figura daquele que havia de vir.

Comentário

O testemunho dos personagens bíblicos do novo testamento, bem como o testemunho do próprio Jesus Cristo, se referia ao gênesis como narrativa histórica, suas argumentações estabeleciam a defesa da veracidade bíblica tanto para o contexto imediato como para os cristãos que surgiriam em consequência dessa fé.

O entendimento da literalidade do gênesis, bem como de um Adão como primeiro homem a pecar, sustenta de igual modo a literalidade da existência de Jesus e seu plano salvífico. O que for diferente disso torna insustentável a coerência teológica cristã.

Aplicação

Contar com a autoridade do próprio Jesus ao citar o gênesis e seu relato histórico bem como aprender com o testemunho dos apóstolos, nos traz conforto e fortalece ainda mais nossa visão e coesão de fé. Falar de um Deus não contraditório deve nos motivar em defesa da propagação da nossa crença.

Deus nunca revelou aos mortais como exatamente realizou a obra da criação em seis dias literais. Suas obras criativas são tão incompreensíveis quanto Sua existência” (Ellen G. White, Spiritual Gifts [“Dons Espirituais”], livro 3, p. 93)

Se submeter a soberania de Deus é o que nos torna criaturas, do contrário não as seríamos, e esquivar-se desse pensamento autossuficiente é o que nos proporciona a maior de todas as bênçãos, viver plenamente em comunhão com esse Deus criador que nos ama e nos sustenta.

Deus seja louvado.

_____________________________________________________________________

Dr. Pedro Paulo F. Soares

Líder do Ministério de Saúde do UNASP – HT.

 

Os comentários estão encerrados.