Comentários da Lição 8 (1º Trim/2016) por Moisés Sanches Jr.
19/02/2016
Meditação de Pôr do Sol de 26/02/2016 por Edite Ostrovsky Teixeira
26/02/2016

Comentários da Lição 9 (1º Trim/2016) por Jael Eneas de Araújo

O Grande Conflito e a Igreja Primitiva


Estorvo

Na cena do Grande Conflito ideias preconcebidas tornam-se um desastre. Neste aspecto a igreja primitiva é um bom “case”. Embora tivessem passado tempo com Cristo (três anos e meio), presenciado milagres extraordinários, participado do drama da cruz, os discípulos ainda tinham dúvidas sobre a real missão de Cristo.

 

Pior: tinham também dúvidas sobre o que deviam fazer! Aqui está o tema da Lição. Uma coisa é certa: preconceitos se enraízam no coração. Por isso, examiná-lo é a primeira coisa que deve ser feita!

 

Receita

Primeiro: saiba como ideias preconcebidas atrapalham sua resposta a Deus. Pergunte-se: minhas atitudes têm aprovação divina? Depois, permita que o Espírito Santo faça a diferença em sua vida. E, por fim, experimente a alegria de uma vida dirigida pelo Espírito de Deus. Coisas extraordinárias vão acontecer!

 

  1. A triste pergunta

Após ressurreição, Cristo apareceu aos discípulos por quarenta dias a fim de falar-lhes do Reino de Deus. Um dia, enquanto comia com eles, Cristo ordena: “Não saiam de Jerusalém, mas esperem pela promessa de meu Pai”, o Espírito Santo (At 1: 5). O contexto aqui era espiritual. Aí vem a pergunta: “Senhor, é nesse tempo que vais restaurar o reino de Israel?” Triste! Ideias preconcebidas realmente são um estorvo na compreensão das coisas de Deus!

 

A Lição destaca:

 

“Jesus estava prestes a subir ao Céu. Ele estava admoestando os discípulos a esperar pelo único poder de que precisavam para ser Suas testemunhas. Porém, tudo o que conseguiram perguntar foi se Ele estava prestes a estabelecer um reino terrestre! … Essa noção errônea constitui uma advertência para nós!” LES, p. 115.

 

Jesus tem a receita: “Quando o Espírito Santo descer sobre vocês, receberão poder, e serão minhas testemunhas em Jerusalém, em toda a Judéia e Samaria, e até os confins da terra”. Depois disso, tudo mudou. Eles perseveraram unânimes em oração (At 1: 14). Por isso, o coração foi transformado e o eu subjugado.

 

O “case” tem aplicações hoje. Então, o que fazer para repetir a experiência e preparar-se para ao derramamento do Espírito Santo?

 

  1. Babel e o Pentecostes

O que faz o Espírito Santo? Une a igreja, famílias, pessoas, tornando todos uma unidade na diversidade. Como exemplo, observe dois fatos distantes no tempo, porém, relevantes para ilustrar o contexto.

 

Após o dilúvio, os habitantes da Terra decidiram construir uma grande torre, na presunção de que chegasse até os céus. (Gn 11: 1-9). Além da presunção, o espírito era de arrogância, orgulho, ufania e soberba. Para impedir que por esse empreendimento o mal se multiplicasse, Deus confundiu a linguagem comum e os dispersou (Gn 11: 7-9).

No Pentecostes, Deus fez o oposto. Ao ver os apóstolos dispostos a proclamar de que o mal, um dia, teria fim e seria banido para sempre, Deus envia o Espírito Santo para os unir na empreitada. Isto é tremendo!

 

Se na antiga Babel houve confusão da linguagem, no Pentecostes aconteceu o contrário. Por ação do Espírito Santo, Pedro recebe o dom de línguas e a linguagem se torna compreensível a todos, com o propósito salvífico. Por isso, multidão de diferentes etnias (At 2: 5) ouviram a Boas Novas em “sua própria língua” (At 2: 6). É para propósitos espirituais que o Espírito Santo é derramado de forma abundante e plena.

 

Pedro em seu sermão enfatiza a plenitude do Espírito (At 2: 17-21) e exalta a missão do Messias (At 2: 31-33). Como resultado, houve arrependimento (At 2: 37) e batismo de “quase três mil pessoas” (At 2: 41). Como repetir esta experiência hoje?

 

  1. Perseguição: Obra Satânica

A perseguição é a face mais dura do Grande Conflito. Como mentor, Satanás tem levado milhares de cristãos ao sofrimento e a morte por este método.  Por Obra do Espírito Santo os apóstolos não eram mais os mesmos. Em lugar do orgulho, agora eles eram mais solícitos, no poder do Espírito.

 

Juntamente com os conversos, os apóstolos “diariamente perseveraram unânimes no templo, partiam pão de casa em casa e tomavam as suas refeições com alegria e singeleza de coração. [Além disso], louvavam a Deus e contavam com a simpatia de todo o povo” (At 2: 46, 47). Eles foram transformados!

 

Quando isto acontece, Satanás se enfurece e ascende as fogueiras da perseguição, dentro e fora de casa. No episódio de Atos 4, a perseguição foi dentro de casa, a partir do “capitão do templo e dos saduceus”, pois estavam ressentidos (At 4: 1).

 

Por que razão? O motivo era simples: os apóstolos ensinavam o povo e anunciavam Jesus. Pedro, homem iletrado, porém cheio do Espírito, curou um homem coxo. Intrépidos, Pedro e João enfrentam o Sinédrio: “como, pois, deixar de falar das coisas que vimos e ouvimos?” (At 4: 20). Quando a perseguição se estabelece, o melhor que se faz é orar e cantar!

 

Em vez de se calarem, eles louvaram a Deus (At 4: 24) e oraram por mais ousadia (At 4: 29, 30). Resultado: por onde passava a sombra de Pedro, havia leitos, macas e enfermos para serem curados (At 5: 15). Doentes vinham de cidades distantes (At 5: 16). O reino de Satanás treme e teme quando o Espírito Santo se apodera de homens e mulheres de fé. Você crê sinceramente que isso pode se repetir em nossos dias?

 

  1. Estevão pode ser você

A afirmação é quase uma provocação. Todavia, é no Tempo do Fim que Satanás vai endurecer seu método de “perseguir os escolhidos de Deus”. Ellen White escreve:

 

“…Está diante de nós o tempo em que a diferença [entre aquele que professa a religião falsa e o cristão verdadeiro] aparecerá. Levantar-se-á oposição, de novo exercerão domínio, o fanatismo e a intolerância, acender-se-á perseguição, e os insinceros e hipócritas vacilarão…mas, o verdadeiro crente permanecerá firme como uma rocha, tornando sua fé mais viva do que nos dias da prosperidade” Grande Conflito, p. 602.

A Lição destaca:

 

“A morte de Estêvão marcou o início de um esforço concentrado da parte de Satanás para eliminar aquele novo movimento. Até esse ponto, os seguidores de Jesus haviam sido perseguidos e ameaçados, porém Estêvão foi o primeiro a ser morto” LES p. 111.

 

Para Refletir

Estêvão foi caluniado e apedrejado só porque “cheio de graça e poder fazia prodígios e grandes sinais entre o povo” (At 6: 8). Como a experiência de Estêvão pode preparar você para o Tempo do Fim?

 

  1. Preconceito sob judice

Satanás é o autor das ideias preconcebidas. Ele semeia dúvida e implanta na mente visões distorcidas do evangelho e da missão. Formam-se, então, barreiras étnicas, culturais, familiares, e até religiosas a impedir que se compreenda a essência daquilo que Cristo ensina.

 

Reconhecer nossos próprios preconceitos se torna vital no contexto do Grande Conflito. Todavia, saber usar estratégias que sejam eficientes em lugares em que há forte oposição ao evangelho é a coisa mais relevante a ser feita.

 

O preconceito pode trafegar por duas vias. Um exemplo disso é o caso dos judeus, onde eles próprios disseminavam preconceitos, a ponto de não se falarem com os samaritanos (Jo 4: 9). Esta barreira precisa ser vencida, porque Cristo morreu para salvar a humanidade. Na visão de Pedro (lençol cheio de animais, répteis e aves do céu), ele entendeu a mensagem, e disse a Cornélio: “Reconheço, por verdade, que Deus não faz acepção de pessoas” (At 10: 34). Destaca a Lição:

 

“Pedro estava aprendendo uma lição que todos ainda precisam aprender: em Cristo, todas as barreiras foram derrubadas, e a distinção entre judeus e gentios, entre todas as pessoas, deixo de existir e, “em qualquer nação, aquele que O teme e faz o que é justo Lhe é aceitável” (At 10: 35); LES p. 112.

 

Pensar e decidir: Ideias preconcebidas atrapalham a missão. Existe algum preconceito que preciso abandonar hoje? Que recurso Deus oferece para quem deseja vencer neste quesito?

 

Motivação: “Tudo posso nAquele que me fortalece” (Fl 4: 13).

 

Jael Eneas
Diretor de Desenvolvimento Espiritual
Pastor do Campus | UNASP Hortolândia
@JaelEneas

Os comentários estão encerrados.