Meditação diária de 16/11/2018 por Flávio Reti
16/11/2018
Meditação diária de 17/11/2018 por Flávio Reti
17/11/2018

Comentários da Lição 7 (4o Trim/2018) por Classe dos Pais

Quando Surgem conflitos (Atos 6: 1 a 7; Atos 10)

A lição inicia com um dos conflitos existentes na igreja primitiva: os preconceitos étnicos, onde judeus circuncisos em suas firmes crenças apresentam dificuldades em aceitar os gentios conversos como parte da igreja cristã. As desavenças com a distribuição de alimentos entre as viúvas judias e as de origem grega é o destaque da narrativa, que logo em seguida, apresenta a solução do problema com uma reunião especial e a escolha de diáconos cheios do Espirito Santo.

A igreja cresce em numero e novos conversos gentios são acrescidos na comunidade cristã. Chegara o tempo de ser introduzida na igreja uma fase de trabalho mais ampla. Desta vez, sob a ação direta do Espirito Santo, o líder Pedro precisa deixar de lado seus preconceitos e visitar a casa de um centurião e estrangeiro que estava a procura da verdade.  Após a visão controversa com animais imundos prontos para comer, o apostolo é levado a considerar que Deus não faz acepção de pessoas e que em nosso mundo há muitos que estão mais próximos do céu do que se supõe.

Quando os irmãos da Judeia souberam sobre a visita de Pedro a um estrangeiro, foi censurado e precisou expor detalhadamente toda questão. Contou-lhes a respeito da ordem divina sobre ir e pregar. Silenciosos e convictos sobre o plano de Deus disseram: “Na verdade até aos gentios deu Deus o arrependimento para a vida.” Atos 11:18.

“Assim, sem controvérsias, derribou-se o preconceito, abandonou-se o exclusivismo estabelecido pelo costume dos séculos, e abriu-se o caminho para que o evangelho fosse proclamado aos gentios.” Atos dos Apóstolos pág. 78 EGW

Somente quando estivessem unidos com Cristo seria possível receber o poder do Espirito Santo. Assim também nós, cristãos atuais, precisamos seguir o exemplo dos nossos pais na fé, com oração e uma firme busca do Espirito Santo, a fim de que nos esvaziemos de tradições, costumes e do nosso eu, para permanecermos unidos e deixarmos de lado os nossos   preconceitos raciais, religiosos, sociais e culturais.

Temos dificuldades em reconhecer quando erramos. É preciso enfrentar os conflitos propondo uma solução, e não dar as costas, nem esperar por pastores ou obreiros, e sim começar por nós. Ser como Jesus que atraía pessoas com amor, misericórdia, atendendo suas necessidades e ser parte do corpo de Cristo, a noiva do Senhor.

O que nos faz diferentes das pessoas do mundo? Estamos honrando o santo nome de Jesus em nossa vida? Como está o nosso envolvimento com o próximo?   Somos indiferentes à dor dos outros? Buscamos a paz ou a guerra?

Onde há pessoas, sempre haverá conflitos, que possamos através de orações e suplicas buscar soluções e quebrar paradigmas destrutivos aos nossos relacionamentos, pois maior é o Deus que nos une, do que o mal que nos separa.

“… e sede todos sujeitos uns aos outros, e revesti-vos de humildade, porque Deus resiste aos soberbos, mas da graça aos humildes.”                                                                                        1 Pedro 5:5

 

Cintia Mendes da Luz

Mãe e Esposa

Os comentários estão encerrados.