Meditação de Pôr do Sol de 05/02/2016 por Carlos José Lacorte
03/02/2016
Meditação de Pôr do Sol de 12/02/2016 por Conceição A. S. Bernardes
09/02/2016

Comentários da Lição 7 (1º Trim/2016) por Jael Eneas

Comentários da Lição da Escola Sabatina
Lição 7 Ensinos de Jesus e o Grande Conflito
por Jael Eneas

Teaser
A cena é de guerra. O soldado ferido se refulgia para descansar. Tira a armadura. Põe remédio sobre os ferimentos. Bebe água e respira profundamente. Quando revigorado, ele volta à luta, com mais ânimo, pois descanso é vital para que a vitória seja plena e total.

Resumo
Cristo nos convida para o “descanso” porque as mais cruéis batalhas são travadas no âmbito das escolhas pessoais. Ele nos convida: “Venham a Mim, todos os que estão cansados e oprimidos”. Cristo tem unguento para nossas feridas e água para nossa sede, pois, Ele é a Água Viva.

1. Colo de Deus
Por ser Deus de amor, Ele nos oferece vários tipos de “descanso”. Assim, Seu colo se transforma em um lugar de esperança. A Lição destaca

“O descanso que Jesus oferece é um pacote muito generoso. Ele inclui o presente do sábado, que nos concede tempo com o Criador. A oferta de descanso feita por Cristo reconhece nossa condição perdida e nos restaura em todos os aspectos. E, quando cometemos erros, ainda temos um lugar de descanso ao lado do Salvador” (LES, p. 82).

Na descrição bíblica, o “descanso” do Sábado é tão vital para o homem, que Deus o deixou na forma de mandamento: “Lembra-te do Dia de Sábado para o santificar”. Uma das coisas que o soldado faz quando se refulgia para descansar é “respirar profundamente”. Durante as horas sagradas do sábado, aproveite para respirar adoração. Veja a rotina de Sábado da família White com os filhos:

“O Sábado era o dia mais agradável da semana para os filhos. A família assistia aos cultos na igreja e, se o pastor White e a Sra. White estavam livres de compromissos com pregações, a família se assentava junta durante o culto. No jantar havia um prato especial que não era preparado noutros dias; daí, se o dia estivesse propício, a Sra. White caminha com os filhos pelos bosques, observando a beleza da natureza e estudando as obras de Deus…Nos dias frios…lia para as crianças histórias…histórias que foram posteriormente impressas em livros para que os pais pudessem contá-las aos filhos” (Ellen G. White, Conselhos para Igreja, p. 19).

Outra perspectiva. No deserto, quando Deus envia o maná ao povo, Ele não o enviava no Sábado. A descrição do livro “História da Redenção” nos faz refletir:

“Ao sexto dia colheram pão em dobro…Disse o Senhor: [Pois] amanhã é repouso, o santo sábado do Senhor: o que quiserdes cozer em água, ou no forno, cozei-o … o que sobrar separai, guardando para a manhã seguinte…E, não cheirou mal nem deu bichos…porque o sábado é do Senhor…” (EGW, HR, p. 130).

a) Descanso Eterno
Ainda sobre o Sábado como uma antecipação do descanso eterno no Céu, destaca a Lição dos Jovens:

“Observar o Sábado é a melhor maneira de experimentar o descanso que Deus originalmente planejou para nós. Embora após o pecado o inimigo tenha maculado esse propósito, o Sábado continua sendo o memorial da criação. “O Sábado teve sua origem num mundo sem pecado. É um dom especial de Deus que habilita a humanidade a experimentar aqui na Terra a realidade do Céu” (LES Jovem, p. 54; Nisto Cremos, Crença Fundamental no. 20).

b) Justificação
Finalmente, na Pessoa de Cristo reside o descanso pleno. É Ele quem convida: “Vinde a Mim todos os que estais cansados…porque suave é o Meu jugo e leve o Meu fardo” (Mt 11: 28-30). Aqui emerge a ideia da justificação pela fé. Só o Espírito Santo pode nos ajudar a fazer a troca da vitória: o “jugo de Satanás” que é pesado, opressor, acusativo, pelo “jugo de Cristo” que é de paz e de liberdade. “Tendo sido, pois, justificados pela fé, temos paz com Deus, por nosso Senhor Jesus Cristo” (Rm 5:1).

2. O Semeador
Lembrar que nesta semana o desafio é, a partir dos ensinos de Jesus, olhar as cenas do Grande Conflito no âmbito pessoal e das escolhas. Uma boa lente para isto está na Parábola do Semeador. O evangelho é simbolizado por aquele que semeia a boa semente.

Todavia, o inimigo de Deus transtornou tudo, porque o semeador encontra em sua trajetória terra de todo tipo: terra ruim, terra com pedras, terra com espinhos; e, somente uma porção, caiu em terra boa (Mt 13: 3-8; 18-23). A terra aqui significa pessoas e suas reações diante do evangelho.

a) O Significado de …
I) Terra ruim. A pessoa ouve o evangelho, mas, não entende de pronto. Satanás, então, aparece, e arrebata o que foi semeado, porque a terra era de chão batido. Obra do inimigo! (Mt 13: 19).

II) Terra com pedras. A mensagem é recebida com alegria. Como existe pouca terra, a semente germina mas não cria raiz. Vem o sol da angústia e da perseguição, fazendo a pessoa desistir. De novo, obra satânica! (Mt 13: 20-21).

III) Terra com espinhos. Neste tipo de solo, a semente não encontra boa acolhida. Até germina, contudo a corrida da vida, riqueza e status, sufocam a palavra e a planta murcha. Quem faz isso? O inimigo de Deus! (Mt 13: 22).

IV) Terra boa. A semente que cai em boa terra representa a pessoa que ouve e compreende a palavra. Por isso, dá fruto, produzindo cem, sessenta e trinta. Na cena do Grande Conflito, Deus oferece sabedoria para todo aquele que deseja “ouvir e compreender” Sua Palavra. A quem pede conhecimento, Ele dá “liberalmente”. Mas, há um alerta: “não peça duvidando, porque quem duvida é semelhante a onda do mar, que vai de um lado para outro” (Tg 1: 5-6).

Coisa para Refletir
A semente que cai em “terra boa” germina e dá fruto. Paulo aos Gálatas (5: 22,23) diz que o fruto do Espírito é “amor, alegria, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fidelidade, mansidão, domínio próprio”. Quais dessas dimensões do fruto você deseja pedir?

3. Casa sobre a rocha
Nesta ilustração aparecem dois fatores: escolha e intencionalidade. É no campo espiritual que a escolha aparece como vital: escolher construir sobre a areia ou sobre a rocha? Em ambos os casos a decisão é pessoal.

Ao se deparar com isto, Satanás vai lhe insinuar dizendo que o caminho mais fácil é o mais largo, curto e atraente. Lembre-se: o caminho que conduz à vida eterna é estreito! (Mt 7: 14). Por isso, construir na rocha demanda constância, tenacidade, convicção e fé. E, a Rocha é Cristo! A Lição destaca:

“[A] batalha pessoal contra o mal pode ser vencida, mas somente se edificarmos nossa vida firmemente sobre Cristo, e somente podemos edificar sobre o Salvador por meio da obediência a Ele. ‘Todo aquele, pois, que ouve estas Minhas palavras e as pratica será comparado a um homem prudente que edificou a sua casa sobre a rocha’” [Mt 7: 24] (LES, p. 84).

4. Julgar pode ser perigoso!
Julgar os outros é coisa do Grande Conflito. Existe uma regra: antes de falar do cisco do olho alheio, primeiro tire a trave de seu próprio olho (Mt 7: 1-5). Por que agimos assim? Porque o Grande Conflito nos põe em campos opostos quer seja com familiares, amigos ou na convivência social. A Lição destaca:

“Não vos julgueis melhores que outros…Uma vez que não podeis discernir os motivos, sois incapazes de julgar um ao outro. Ao criticar uma pessoa, estais sentenciando a vós mesmos, pois mostrais ter parte com Satanás, o acusador dos irmãos” ([EGW, O Desejado de Todas as Nações, p. 314]; LES, 85).

Coisa para Refletir
Há uma diferença entre julgar a pessoa e julgar seus acertos ou erros. Por que é importante fazer essa distinção?

5. Cristo está conosco todos os dias (Mt 28: 20)
Por iniciativa de Deus, Ele nos diz: “Estarei com você. Não temas”. Na cena do Grande Conflito isto é tudo! É diante das dificuldades da vida que Cristo relembra Sua promessa, com o verbo no presente: “Eis que estou convosco…todos os dias…até à consumação do século”. O Comentário Bíblico Adventista (CBA) assevera:

“À primeira vista, parece estranho que Jesus fizesse este anúncio, estando prestes a subir ao Céu…No entanto, pela virtude do dom do Espírito Santo, Jesus estaria mais perto dos crentes em todo o mundo do que seria possível se permanecesse como antes, na Terra (ver Jo 16: 7). As Escrituras tornam a presença de Cristo real para cada crente humilde … [E isto] até o fim dos tempos” CBA, v. 5 p. 604).

Amém. Que assim seja!

_________________________________________________
Jael Eneas
Diretor de Desenvolvimento Espiritual
Pastor do Campus | UNASP Hortolândia
@JaelEneas

Os comentários estão encerrados.