Meditação de Pôr do Sol de 22/01/2016 por Berenice Cleide Ferreira
19/01/2016
Meditação de Pôr do Sol de 29/01/2016 por Bruno Grange
29/01/2016

Comentários da Lição 5 (1º Tri/2016) por Jael Enéas

No. 5 | O Conflito Continua …

24-30 de Janeiro – 2016

 

Histórias de tirar o fôlego

O Guia de Estudos começa com o trio: Davi, Golias e Bate-Seba. Desta história, Davi é o protagonista. Aliás, o enredo continua com Elias, Ester, Neemias, todos atores no Grande Conflito. São histórias de livramento real, onde Deus é o Deus Libertador. Eles resistiram porque Deus é fiel em Suas promessas, cumpridas na pessoa de Cristo. A Lição destaca:

 

“Regozijar-nos no livramento de Deus antes que ele ocorra é um ato de fé e adoração… Por outro lado, por causa do que Cristo fez por nós, confiar na fidelidade de Deus é a única atitude lógica que podemos ter” (LES, p. 55).

 

História 1

A Contradição (1Sm 17: 43-51; 2Sm 11: 1-17)

“A vida é complicada porque somos complicados” (LES, p. 56). Na história de Davi essa frase nos mostra como somos iguais. No vale de Elá, o cantor de Israel vence Golias, o gigante, reivindicando o “nome do Senhor” (1Sm 17: 45). Mas, nas campinas do coração, Davi fracassou. Ele “viu uma mulher tomando banho”, chamou-a para se deitar com ela, sendo Bate-Seba, casada (2Sm 11: 2-4).

 

Por que a contradição? Porque somos incongruentes por natureza, condição a nós imposta por Satanás, pela desobediência de Adão e Eva. Por toda estrada da vida, Deus coloca avisos luminosos: “Seja sóbrio e vigilante. O diabo, o adversário, anda ao redor, como leão que ruge, procurando alguém para devorar”” (2Pe 5:8). Não observar isso, torna a vida mais complicada!

 

Tática de corroer… devagar

Se Davi venceu Golias reivindicando a Deus: “Tu vens com espada, lança, escudo, eu, porém, vou em nome do Senhor dos Exércitos” (1Sm 17: 45), então, por que ele se perdeu com Bate-Seba?

 

Porque Davi “não trancou a porta do coração”. Ele estava enfraquecido demais para poder resistir a Satanás. Ao desobedecer a Deus (ele possuía um harém de mulheres…), Davi foi se esfacelando aos poucos. Hoje, mais do que nunca, Satanás se vale da mesma tática: corroer devagarzinho, as percepções espirituais, dia a dia… Perigo!

 

Então, como posso mudar minha história?

Fazer como Davi: arrepender-se. Rogar a Deus poder do Espírito para proteger as entradas do coração. Orar como Davi no Salmo 51: “pequei contra Ti (v. 4); purifica-me, ficarei limpo; lava-me, ficarei mais alvo que a neve (v. 7); cria em mim, ó Deus, um coração puro, renova-me um espírito inquebrantável (v. 10)”. Deus vai livrar você, pois, Deus é o Deus Libertador.

 

História 2

Quem converte o coração é o Espírito! (1Rs 18: 37)

Elias, o tesbita: “Até quando ficareis divididos entre dois pensamentos” (1Rs 18: 21). Incrível! O clima de oposição do Grande Conflito divide famílias, casais, amigos, pessoas. Pior: divide a mente. Assim estava o povo de Israel: divididos, sem saber se adoravam a Deus ou a Baal. Perderam a identidade. Coisa triste.

 

A Cena: Ilustração da Vida

Por ordem divina, Elias enfrenta Acabe, dizendo-lhe que a fome seria implacável. Três anos sem chuva, sem orvalho, sem nada. Miséria por todo lado. Um ponto: desligados da Videira não há Vida. Longe de Cristo o que resta é morte. No Carmelo, Deus manda preparar o cenário. Dois novilhos. Dois símbolos: o falso e o verdadeiro. Era meio-dia quando os profetas de Baal, exauridos, entregam os pontos. Nada de fogo! (1Rs 18: 27-29). Então, Deus entra em ação.

 

Convida Elias: “Chegai-vos a mim. E, o povo veio” (1Rs 18: 30). Elias restaura o altar (primeira atitude); edifica-o com doze pedras (demarca a identidade); manda encharcar o altar com água (o poder vem de Deus, não de homens!); e ora: “responde-me, para que este povo saiba que tu, ó Senhor, és Deus, e que fazes o coração deles voltar para ti”” (v. 37 NVI). Então, desceu fogo do Senhor, consumiu tudo: holocausto, lenha, pedra, terra e lambeu a água (v. 38). Quem tudo faz em nós é o Espírito Santo. Destaca a Lição:

 

“…Deus não forçou os corações a se voltarem para Ele. Enviou Seu Santo Espírito, e o povo, respondendo ao Espírito, primeiro teve que fazer a escolha de voltar para Deus. Só, então, em Sua força, eles conseguiram agir de acordo com essa escolha” (LES, p. 57).

 

História 3

Tomento além da conta…

Não era para menos. Assíria e sua máquina de guerra toma Israel, no norte. Espalha o povo. Tempos depois, Senaqueribe decide invadir Judá, ao sul. Ele saqueia cidades e exige tributo. Não satisfeito, retorna para sitiar Laquis e Libna, enquanto envia Rabsaqué contra Jerusalém, um tormento! (2Rs 18: 9-18)

 

A zombaria assíria era grande, assim, como o escárnio: “Que confiança é essa em que te estribas?”, gritava o comandante de cima do muro (2Rs 18: 19-37). Na crise, Deus está sempre presente, por isso, enviou Isaias para confortar Ezequias, rei de Judá. No dia do ataque, saiu o “Anjo do Senhor e feriu o exército…185 mil; e, pela manhã, todos eram cadáveres” (v. 35). Senaqueribe retorna desmoralizado quando foi morto pelos seus próprios filhos (v. 37). Lembre-se: quando o tormento é além da conta, Deus age!

 

Para Refletir: Como aprender a confiar em Deus em meio às situações desanimadoras? Liste opções e ore por isto.

 

História 4

O decreto era de morte

Sim, era para exterminar: “destruam, matem, aniquilem de vez a todos os judeus, moços, velhos, crianças, mulheres, em um só dia” (Et 3: 13). Coisa terrível! Hamã, ao propor o decreto, disse mais: “eles [o povo] estão espalhados, dispersos, povo cujas leis são diferentes…convém não tolerá-los” (Et 3: 8). No Tempo do Fim, essa história de intolerância religiosa vai se repetir. Você está pronto? A Lição destaca:

 

“Embora o contexto seja diferente no fim dos tempos, a realidade … ainda é a mesma: o grande conflito entre Cristo e Satanás. Os que procurarem ser fiéis a Deus enfrentarão algo semelhante ao que os judeus enfrentaram nessa história. … Já fomos advertidos…que devem “morrer os que não [adorarem] a imagem da besta” (Ap 13: 15) LES, p. 59).

 

Felizmente a história teve final feliz por uma moça: Ester. Por sua lealdade a Deus, ela definiu o conflito.  Como a batalha é do Senhor, Ester decidiu: irei, “se perecer, pereci”. Antes, porém, pediu: “ajunta a todos os judeus que se acharem em Susã, e jejuai por mim…por três dias” (Et 4: 16). As batalhas do Senhor são regadas por orações intercessoras, no poder do Espírito!

 

História 5

O copeiro que orou

A notícia era de chorar: o “povo espalhado, em grande miséria, muros derribados e portas queimadas”. Esta era a situação em Jerusalém. Então, Neemias ora: “Senhor, temos procedido de todo corruptamente contra ti, não temos guardado os mandamentos…”. Um ponto: quem se humilha diante de Deus se candidata para grandes vitórias espirituais.

 

Neemias era copeiro do rei quando pediu permissão para reconstruir os muros. O ponto aqui são os obstáculos, pois, quem luta na obra do Senhor, empecilhos são coisas que não faltam. E, Neemias teve muitos. Ao invés de desanimar, ele (1) desafiou o povo para ação [Ne 2: 18a]; (2) elevou o “moral da tropa” [2: 18b]; (3) delegou segundo habilidades e dons [3: 1-31]; e estabeleceu estratégias para metas [4: 1-20]. Um exemplo de motivação!

 

Em meio à oposição, a palavra mágica não é “desânimo”, mas, “avante”. Não olhe para os obstáculos, olhe para a linha de chegada, colocando as adversidades nas mãos de Deus.

 

Responda:

 

  • Na vida diária, quando recuar e quando continuar?

 

Exortação

“Tudo posso nAquele que me fortalece”. Fl 4: 13.

_________________________________________________

Jael Eneas

Diretor de Desenvolvimento Espiritual

Pastor do Campus | UNASP Hortolândia

@JaelEneas

Os comentários estão encerrados.