Culto de Sábado – Transmissão Ao Vivo, a partir das 9h30
24/04/2020
Lembra-te do dia do sábado!!!
24/04/2020

Comentários da Lição 4 (2o Trim/2020)

Lição 4 – Bíblia: A fonte autoritativa de nossa teologia.

RESUMO

À lei e ao testemunho. Se não falarem desta maneira jamais verão a alva. Isa.8:20

Por que tantas divergências teológicas nas igrejas cristãs se a fonte para tudo é uma só?

De forma perceptível ou imperceptível, somos influenciados por várias fontes em nossa compreensão das escrituras.

Muito interessante analisar as cinco diferentes fontes de influência na interpretação das escrituras:

  1. A tradição
  2. A experiência
  3. A cultura
  4. A razão
  5. A própria Bíblia.

Qual deve ter a primazia em nossa interpretação e prática?

  1. A tradição pode ser uma bênção.  Ela nos ajuda a permanecer em nossas raízes. Porém se não estiver em harmonia com a Santa palavra de Deus será uma maldição.  “Ele respondeu: “Bem profetizou Isaías acerca de vocês, hipócritas; como está escrito: “ ‘Este povo me honra com os lábios, mas o seu coração está longe de mim. Em vão me adoram; seus ensinamentos não passam de regras ensinadas por homens’. Vocês negligenciam os mandamentos de Deus e se apegam às tradições dos homens”. E disse-lhes: “Vocês estão sempre encontrando uma boa maneira de pôr de lado os mandamentos de Deus, a fim de obedecerem às suas tradições!” Marcos 7:6-9 NVI

Pode ser uma maldição. Se a tradição viola algum princípio da palavra de Deus.

Precisamos examinar o quanto a tradição não santificada tem nos influenciado.

Não devemos ser cristãos por tradição apenas, mas por convicção de que ela provém da palavra de Deus. Devemos distinguir entre a tradição e os ensinos da palavra de Deus.

  1. EXPERIÊNCIA.

O que experimentamos molda de uma forma significativa a nossa compreensão de Deus e de sua palavra.

Exemplos: Experiências negativas: Pessoas que tiveram revelações contrárias ao que está escrito.

Experiências Positivas: Moisés, Elias, Abrão, etc.

  1. Cultura. Um povo politeísta e sincretista. (politeísta: acreditam em vários deuses. Sincretista: fusão de diversos cultos e religiões e reinterpretação de suas crenças) carrega um fardo cultural difícil de ser erradicado. Exemplo: os israelitas ao saírem do Egito.

Mesmo na terra prometida sofreram fortes influências culturais das nações vizinhas.

Precisamos submeter os valores culturais às verdades da palavra de Deus.

“Os seguidores de Cristo devem se separar do mundo em princípios e interesses.” (Conselho aos pais professores e estudantes, 323)

  1. Razão. Com o surgimento do Iluminismo no século XVIII, a razão tornou-se predominante. Tudo o que não podia ser provado era descartado.

Portanto, a razão necessita de uma plataforma sustentável e essa é Deus e Sua palavra. Sem isso, a razão descamba para o irracionalismo.

Existem milhares de coisas que a razão nunca poderá explicar. As coisas de Deus vão muito além da capacidade racional do homem. O temor do Senhor é o princípio da sabedoria.

  1. Bíblia. A palavra de Deus tem uma autoridade superior à tradição, experiência, cultura e razão. Todos os espíritos que surgirem com instruções contrárias, que se colocam acima da Bíblia são falsos. Deus não se contradiz.

Somente quando aceitamos a Bíblia como suprema autoridade, a palavra infalível e final de Deus ao homem, e quando estivermos dispostos a segui-la, então haverá uma compreensão e transformação completa em nossa vida.

Não podemos ser mais apostólicos em nosso tratamento com as escrituras do que os apóstolos, e não podemos ser mais cristãos do que o próprio Cristo.

Em nossa vida cristã precisamos de uma fonte confiável, que seja mais profunda do que nossos sentimentos, mais elevada que nossos pensamentos que vá além da cultura e tradição humana. Essa é a sua Santa palavra. A BÍBLIA.

 

Os comentários estão encerrados.