Meditação de Pôr do Sol de 23/12/2016 por Valerya M. Rodrigues
23/12/2016
Meditação de Pôr do Sol de 30/12/2016 por Wilson Roberto de Oliveira Furquim
29/12/2016
ALGUMAS LIÇÕES DO LIVRO DE JÓ
 
-Alguma lição deve ter ficado do estudo do livro de Jó
-1º Nossa dificuldade de entender a Deus vem da diferença entre nós e Ele
-2º Nós somos finitos e ele é infinito, embora sejamos semelhantes a ele pela criação
-Quer isso dizer que jamais vamos entender a Deus na sua totalidade
-Ainda bem, porque assim sempre teremos incentivo para estudar a pessoa de Deus
-Passaremos a eternidade e não esgotaremos o assunto da pessoa de Deus
-A eternidade não pode ser monótona, jamais chegaremos a um pondo a dizer: e agora acabou?
-Fizemos tudo e nada mais há para fazer. E agora, vamos viver eternamente a monotonia?
-Com certeza ainda nos falta muita informação, como faltava aos amigos de Jó e a ele mesmo
-Quanto mais aprendermos sobre Deus mais maravilhados ficaremos e maior desejo de saber teremos
-A bondade de Deus, o plano da salvação serão materiais para estudarmos eternamente
-Um dia vamos saber como Jó se sentiu depois que soube de tudo que aconteceu com ele
-Um dia ele soube daquele diálogo a seu respeito entre Deus e satanás
-E sobre nós? O que será está Deus dizendo a nosso respeito aos anjos, a satanás?
 
Domingo – Pela Fé e não pela Vista – 25 de dezembro
-Somos parte de um todo muito maior do que entendemos. Estamos imersos num conflito
-Achamos que estamos entendendo, mas não sabemos tudo sobre a realidade que nos cerca
-Se já soubéssemos tudo, já seríamos como Deus mesmo. Seria fim de curso.
-Quanto mais a vida se arrasta, mais a ciência descobre e mais emaranhados ficamos
-Pergunta-se: Quanto você acha que já sabe sobre Deus e sobre a realidade que nos envolve?
-Quer arriscar? 1% talvez. Percebe quanto Deus está além da nossa compreensão?
-Por isso disse Paulo: “Não atentando para as coisas que se veem, mas para as que não se veem”
-“Porque a que se veem são temporais e as que se não veem são eternas” (II Cor.4:18)
-O que vemos em nosso entorno não têm muita importância para a vida eterna
-Há coisas e assuntos que não vemos que têm muito mais importância para a vida eterna
-Ex: A trindade, Deus, anjos existem, mas são invisíveis para nós aqui, por enquanto.
-O conhecimento de Deus aplicado nesse universo para nós é desconhecido
-Se com tão pouco conhecimento o ser humano é capaz de tão grandes coisas!
-Imagine o que faria a humanidade se tivesse o triplo desse conhecimento, 3% mais
-Certamente usaria esse conhecimento para o mal, por isso Deus pôs limite ao conhecimento
-Dedução lógica: Temos que aceitar muitas coisas pela fé. Aliás, quem somos para duvidar de Deus?
-E fé não é algo virtual, ela pode existir em nós, podemos ter experiências reais com ela
 
SEGUNDA – Um Ser Mau – 26 de dezembro
-Negar a existência do mal? Alguém consegue, em perfeito juízo?
-Se não existisse o mal não existiria o sofrimento, a dor, a incerteza, o medo, a morte, etc.
-O que causa essas coisas, senão o mal? E o mal, segundo a Bíblia, é o próprio satanás
-Existe explicação para a origem do mal, e a explicação é simples e fácil
-O que não existe é justificativa para o mal. A explicação é a inveja de Lúcifer de Deus
-O formoso anjo desejava mais, queria “ser semelhante ao Altíssimo”
-Queria assentar-se no trono do Rei do Universo, como se fosse ele o criador
-Agora, como se justifica esse fato? Foi pela sede de poder, que ele possuía
-Foi por orgulho, querendo ser semelhante ao Altíssimo? Sim, ele desejava ser isso mesmo
-Mas nada disso justifica o que ele fez. Se houvesse justificativa, DEUS teria errado.
-Se tais coisas justificassem, DEUS teria errado em dar liberdade a Adão e Eva
-Qualquer justificativa que haja torna DEUS culpado, afinal, Ele é o Criador
-Não queremos defender DEUS, Ele nem precisa, é simplesmente ser coerente com os fatos
-O único culpado pela queda de Lúcifer é ele mesmo.
-Lúcifer originou a sua própria queda e a queda dos anjos, e é o culpado pela desgraça no mundo
-Mas os anjos que caíram não têm alguma culpa? Adão e Eva também não tem alguma culpa?
-Tem sim, porém não toda culpa: Lúcifer os enganou, e essa é a sua parte da culpa e do castigo
-No caso de Jó, satanás era o culpado direto do sofrimento, das perdas, das mortes e da doença
-Deus estava certo ao classificar todos de faladores tolos que falavam sem sentido
 
TERÇA – Com Amigos como Esses
-Péssimos amigos, mas nos ensinam alguma coisa de útil
-Suponha que estivessem certo, Jó tria cometido alguma coisa má
-Suponha que o castigo de Jó era merecido. Jó era culpado
-Suponha que de fato Deus castiga de imediato os erros graves de seus filhos
-Mesmo assim a postura dos amigos não estava correta
-Eles vieram para consolar Jó ao saber de sua situação
-Deveriam ajudá-lo a se restabelecer, ajudar psicologicamente, prestar algum auxílio
-Mas não foi isso que fizeram. Eles só condenaram, prerrogativas de Deus unicamente
-Aqui temos Jó no centro e vários amigos acusando e Deus observando tudo
-No caso da mulher adúltera, temos ela no centro, vários acusadores e Jesus
-Ali, no caso da mulher estava o modelo de como agir com pessoas acuadas pela acusação
-A mulher teve uma nova oportunidade: Vai e não peques mais
-Conclusão: Todo pecador merece uma nova oportunidade, o que os amigos de Jó não deram
 
QUARTA – Mais do que Espinhos e Cardos
-O sofrimento humano não é só encontrar pela vida espinhos e cardos
-Há muito mais: miséria, doenças, dores. Há inúmeros outros (Veja 2º § de quarta-feira)
-Medo, depressão, ansiedades dominam a humanidade. Hoje todos sofrem alguma coisa
-A ciência vem avançando, mas o mundo está piorando
-Vivemos mais tempo, mas vivemos pior que antigamente.
-As consequências do pecado perpassou a todos e aí estamos vendo o mundo como está
-O mundo vive uma guerra de competição e com isso vem o desespero de muitos
-Não existe justiça, e não adianta exigir justiça. Ela não vem neste mundo. Só no porvir
-Hoje, os crentes, vivem num estado de esperança, esperam e confiam em deus
-Um dia vamos acordar com essa esperança se tornando realidade
-Ao ver o estado do mundo atual, lembre-se que você tem direito à esperança de vida eterna
– No momento, parece um sonho, do qual do qual um dia vamos acordar parta a realidade
 
QUINTA – Jesus e Jó
-A lição se preocupa em traçar alguns paralelos entre Jesus e Jó
-Ambos foram inocentes dos sofrimentos que passaram
-Ambos foram acusados injustamente pelos amigos e mais próximos
-Ambos foram recompensados após o sofrimento:
*Jó recebeu o dobro do que possuía antes
*Jesus recebeu de volta o trono do universo e o direito de julgar vivos e mortos
-Ambos permaneceram fieis o tempo todo mesmo sob feroz acusação sem justificativa
-Jó e Jesus, ambos eram seres humanos, nascidos de mulher como nós
-Ambos eram mortais, podiam morrer (Jesus assumiu a natureza humana com toda consequência)
 
-Havia também muitas diferenças entre eles (Jó e Jesus)
-Jó não sabia a causa do sofrimento. Jesus sabia porque tudo estava planejado
-Jó reclamou da sua provação enquanto Jesus aceitou sem reclamar
-Jó era um pecador, nasceu pecador, Jesus não era pecador, nasceu do Espírito Santo
-Jó era apenas um ser humano. Jesus era um ser divino que se fez humano para ser salvador
-Jó foi acusado por falsos amigos. Jesus foi acusado por uma multidão de falsos amigos
-Jó não foi morto pelas acusações dos amigos. Jesus foi morto por causa das acusações da turba
-O acusadores de Jó não queriam a sua morte. Os acusadores de Jesus exigiam a sua morte
-Jó morreu e ainda aguarda na sepultura. Jesus ressuscitou e está vivo no céu
 
SEXTA – Conclusão
-O tema é manter-se fiel a Deus apesar da e em meio da adversidade
-Esse é o grande problema, já que vivemos num mundo injusto e cruel
-A fé, a esperança, exige de nós um esforço contínuo, firmeza como foi firme Jó
-Nenhuma recompensa vem sem esforço de nossa parte. Assim é a salvação
-Exige que sejamos fortes diante das injustiças e das perseguições que fatalmente virão
-O estudo de Jó é uma conscientização para o que está vindo aí pela frente
 
Flavio Reti
Membro e ancião da Igreja do IASP

Os comentários estão encerrados.