Meditação diária de 26/06/2020 por Flávio Reti – Lancheira
26/06/2020
Programação de Sábado – UNASP-HT
26/06/2020

Comentários da Lição 13 (2º Trim/2020)

Lição 13: Vivendo Pela Palavra de Deus

20 de Junho a 26 de junho

 Abertura

 Verso para memorizar:

“Tornai-vos, pois, praticantes da Palavra e não somente ouvintes, enganando-vos a vós mesmos” (Tg 1:22).

 O melhor método de estudo da Bíblia será inútil se não estivermos determinados a viver de acordo com o que aprendemos das Escrituras. O que é verdadeiro para a educação em geral também é correto no que diz respeito especificamente ao estudo da Bíblia: aprendemos melhor não apenas lendo ou ouvindo, mas praticando o que sabemos.

Comentário

Viver pela Palavra sempre transborda em testemunho, evangelismo e promoção de justiça. É a única maneira de sermos luz do mundo e sal da terra. Viver pela Palavra é o único modo de fazer com que os homens vejam as nossas boas obras e glorifiquem a Deus.

  1. A palavra viva de Deus e o Espírito Santo

Verso:  Filipenses 2:12-16

“De sorte que, meus amados, assim como sempre obedecestes, não só na minha presença, mas muito mais agora na minha ausência, assim também operai a vossa salvação com temor e tremor; Porque Deus é o que opera em vós tanto o querer como o efetuar, segundo a sua boa vontade. Fazei todas as coisas sem murmurações nem contendas; Para que sejais irrepreensíveis e sinceros, filhos de Deus inculpáveis, no meio de uma geração corrompida e perversa, entre a qual resplandeceis como astros no mundo; Retendo a palavra da vida, para que no dia de Cristo possa gloriar-me de não ter corrido nem trabalhado em vão”.      

 Estar disposto a viver a verdade aprendida significa estar disposto a se submeter a essa verdade bíblica. Essa escolha às vezes envolve uma luta intensa, pois estamos travando uma batalha a respeito de quem terá a supremacia em nosso pensamento e em nossa vida. E, no fim, há apenas dois lados para escolher.

Comentário

O Espírito nos permite ver o significado espiritual e existencial da Palavra das Escrituras para nossa vida (ver 1Co 2:12, 14, 15; Ef 1:17-19; Sl 119: 8). O Espírito Santo continua a falar às pessoas através da Bíblia, dando vida à Palavra Escrita de Deus. Assim, a letra morta do livro bíblico se torna a Palavra viva de Deus, que é mais afiada do que uma espada de dois gumes (Hb 4:12), cortando o mais íntimo do nosso ser e transformando nossa vida à luz das suas verdades. Várias passagens bíblicas indicam que a tarefa do Espírito Santo é colocar Jesus Cristo em destaque, enaltecendo o Filho de Deus e o que Ele fez por nós (ver Jo 15:26; 1Jo 4: 2, 3).

  1. Aprendendo de Jesus

Verso: Lucas 4:4

“E Jesus lhe respondeu, dizendo: Está escrito que nem só de pão viverá o homem, mas de toda a palavra de Deus”.

Comentário

Jesus conhecia bem as Escrituras. Ele estava tão intimamente familiarizado com a Palavra de Deus que poderia citá-la de memória. Essa intimidade com a Palavra escrita era resultado de precioso tempo de qualidade com o Senhor no estudo das Escrituras.

Se Ele não conhecesse as palavras exatas das Escrituras e o contexto em que elas aparecem, poderia facilmente ter sido enganado pelo diabo, que citou as Escrituras e as usou para seus propósitos enganadores. Portanto, apenas ser capaz de citar a Bíblia, como o diabo fez, não é suficiente. Além de um texto específico, é preciso saber o que outras passagens das Escrituras têm a dizer sobre um assunto e conhecer seu significado correto. Somente essa familiaridade com a Palavra do Senhor nos ajudará, como ocorreu com Jesus, a não ser enganados pelo adversário de Deus, mas resistir aos ataques de Satanás.

  1. Jesus versus as Escrituras?

Verso: João 5:45-47

Não cuideis que eu vos hei de acusar para com o Pai. Há um que vos acusa, Moisés, em quem vós esperais. Porque, se vós crêsseis em Moisés, creríeis em mim; porque de mim escreveu ele. Mas, se não credes nos seus escritos, como crereis nas minhas palavras?

Jesus não aboliu o Antigo Testamento nem diminuiu sua autoridade em nenhum grau. O oposto é verdadeiro. O Antigo Testamento, de fato, prova quem Ele é. Cristo intensificou o significado das declarações das Escrituras, mostrando-nos as intenções originais de Deus.

Usar a autoridade de Jesus para desqualificar a Bíblia ou denegrir partes da Palavra como se não fossem inspiradas talvez seja uma das mais sutis, e ainda mais perigosas, críticas às Escrituras, visto que ela é feita exatamente no nome de Jesus. Cristo reconheceu a grande autoridade das Escrituras, que, em Seus dias, consistiam apenas no Antigo Testamento.

Comentário

“Resumidamente, Cristo é o Senhor, não o servo, o Senhor do sábado, da Lei e de todas as coisas. As Escrituras devem ser entendidas a favor de Cristo, não contra Ele. Por esse motivo, devem se referir a Ele ou não devem ser consideradas Escrituras verdadeiras. […] Portanto, se os adversários impõem as Escrituras contra Cristo, recomendamos Cristo contra as Escrituras. Nós temos o Senhor, eles, os servos; nós temos a Cabeça, eles, os pés ou membros, sobre os quais a Cabeça necessariamente domina e tem precedência. Se um deles tivesse que ser abandonado, Cristo ou a Lei, a Lei teria que ser rejeitada, não Cristo. Pois se tivermos Cristo, podemos facilmente estabelecer leis e julgaremos todas as coisas corretamente. De fato, faríamos novos decálogos, como Paulo faz em todas as epístolas, e Pedro, mas acima de tudo Cristo no evangelho. E esses decálogos são mais claros que o decálogo de Moisés, assim como o semblante de Cristo é mais brilhante que o semblante de Moisés (2Co 3:7-11; Martin Luther, Luther´s Works, v. 34: Carrer of the Reformer IV, ed. Hilton C. Oswald e Helmut T. Lehmann [“Obras de Martinho Lutero, v. 34: Caminho do Reformador”], Filadélfia: Fortress Press, 1999, p. 112, 113). Compare essa citação com João 7:38, em que Jesus se refere às Escrituras, e não a Si mesmo como a norma para a fé autêntica.

  1. Horas tranquilas com a Palavra de Deus

Verso: Salmos 62:1-2,7

“A minha alma espera somente em Deus; dele vem a minha salvação. Só ele é a minha rocha e a minha salvação; é a minha defesa; não serei grandemente abalado. Em Deus está a minha salvação e a minha glória; a rocha da minha fortaleza, e o meu refúgio estão em Deus”.

 Se amamos alguém, certamente gostamos de passar tempo a sós com essa pessoa amada. Devemos escolher um lugar em que possamos ler e refletir sobre a Palavra de Deus sem interrupções. Em nossa vida frenética, isso só terá sucesso se reservarmos deliberadamente um tempo específico para esse encontro. Muitas vezes, o começo do dia é melhor para esses minutos de quietude e reflexão. Esses momentos, antes do início da jornada de trabalho, podem se tornar uma bênção para todo o restante do dia, pois os pensamentos valiosos que recebemos nos acompanharão por muitas horas. Mas sejamos criativos para encontrar o tempo de qualidade que é necessário para estarmos com Deus, sem interrupção.

 Para reflexão:

Quais horas do dia são as mais tranquilas para você? O que o ajuda a se concentrar na Palavra de Deus e a ter um tempo tranquilo com Jesus? Em que circunstâncias cantar músicas religiosas o ajuda a se lembrar das palavras da Bíblia? Em que sentido você vê vantagens em memorizar partes das Escrituras, e como você pode usar isso para ser uma bênção para os outros?

  1. Memória e canção

 Verso: Salmos 119:11

Guardo no coração as Tuas palavras, para não pecar contra Ti”.

Memorizar as Escrituras traz bênçãos multiplicadas. Quando guardamos preciosas passagens da Palavra de Deus em nossa mente, podemos reviver o que foi memorizado e aplicá-lo em circunstâncias novas e variáveis. Dessa maneira, a Bíblia impacta diretamente nosso pensamento e nossas decisões e influencia nossos valores e comportamento. Memorizar as Escrituras traz a Bíblia à vida em nossa experiência diária. Além disso, nos ajuda a adorar a Deus e a ter uma vida fiel de acordo com a Palavra.

 Comentário

 “A música faz parte da adoração a Deus nas cortes do Céu, e em nossos cânticos de louvor devemos tentar nos aproximar o máximo possível da harmonia do coro celestial” (Ellen G. White, Patriarcas e Profetas, p. 594).

CONCLUSÃO

Precisamos voltar a permanecer na Palavra de Jesus (Jo 8:31), e guardar, “até ao fim, a confiança que, desde o princípio, tivemos” (Hb 3:14). Não podemos ser como aqueles descritos na parábola do semeador como “solo rochoso, os quais, ouvindo a Palavra, logo a recebem com alegria. Mas eles não têm raiz em si mesmos, sendo, antes, de pouca duração; em lhes chegando a angústia ou a perseguição por causa da Palavra, logo se escandalizam” (Mc 4:16, 17).

O que provocou alegria no apóstolo João foi saber que seus filhos andavam “na verdade” (3Jo 4). Há uma necessidade urgente de recuperarmos a postura apostólica que nos levará a dizer: “não me envergonho do evangelho!” (Rm 1:16).

_____________________________________________________________________

Pr. Eliézer Wesley de Magalhães

Ancião na IASD do UNASP – HT.

 

Os comentários estão encerrados.