Culto Sábado – 21/06 – Ao vivo
19/06/2020
Grande Oportunidade de Estudar a Bíblia
19/06/2020

Comentários da Lição 12 (2º Trim/2020)

Lição 12: Lidando com passagens bíblicas difíceis

13 de Junho a 19 de junho

 Abertura

 Verso para memorizar:

“E tende por salvação a longanimidade de nosso Senhor, como igualmente o nosso amado irmão Paulo vos escreveu, segundo a sabedoria que lhe foi dada, ao falar acerca destes assuntos, como, de fato, costuma fazer em todas as suas epístolas, nas quais há certas coisas difíceis de entender, que os ignorantes e instáveis deturpam, como também deturpam as demais Escrituras, para a própria destruição deles” (2Pe 3:15, 16).

 Ao discutir as cartas do apóstolo Paulo, Pedro escreveu que nelas e em algumas outras partes das Escrituras existem “certas coisas difíceis de entender” (2Pe 3:16). Essas palavras são deturpadas ou modificadas por pessoas “ignorantes e instáveis […] para a própria destruição” (2Pe 3:16). Pedro não disse que todas as coisas são difíceis de entender, mas que apenas algumas são.

Comentário

Todo estudante da Bíblia concorda que nela há “certas coisas difíceis de entender” (2Pe 3:16). No entanto, sejamos sinceros, nosso maior problema não são os textos bíblicos que não entendemos, mas os que entendemos muito bem e não conseguimos praticar! Na maioria dos casos, o problema não é de interpretação, mas de aplicação. Em vez de moldarmos nossa vida para que se ajuste à Bíblia, distorcemos a Bíblia para encaixá-la em nossa vida. Por isso, Pedro continuou o alerta dizendo que “ignorantes e instáveis” distorcem textos bíblicos “para a própria destruição” (2Pe 3:16).

Portanto, antes de examinar os textos difíceis da Bíblia, é preciso examinar o coração, pois um grande conhecimento teórico sem submissão não garante uma espiritualidade saudável, como é o caso de Satanás e seus anjos (Mt 4:6; Tg 2:19).

  1. Possíveis razões para aparentes contradições

Verso:  2 Timóteo 2:15

Procura apresentar-te a Deus aprovado, como obreiro que não tem de que se envergonhar, que maneja bem a palavra da verdade“.

 Nenhum estudioso honesto das Escrituras negará o fato de que existem na Bíblia assuntos difíceis de entender. Isso não deve nos perturbar. De certa maneira, essas dificuldades devem ser esperadas. Afinal, somos seres imperfeitos e finitos, e não temos um conhecimento abrangente de todas as áreas do aprendizado, muito menos das verdades divinas. Portanto, quando o ser humano finito tenta entender a sabedoria infinita das Escrituras, haverá algum impedimento. Essa dificuldade, contudo, não prova de maneira nenhuma que as declarações da Bíblia sejam falsas.

Comentário

Algumas discrepâncias nas Escrituras podem se dar devido a pequenos erros de copistas ou tradutores. Ellen G. White afirmou: “Alguns nos olham seriamente e dizem: ‘Não acha que deve ter havido algum erro nos copistas ou da parte dos tradutores?’ Tudo isso é provável, e a mente que for tão estreita que hesite e tropece nessa possibilidade ou probabilidade estaria igualmente pronta a tropeçar nos mistérios da Palavra Inspirada, porque sua mente fraca não pode ver através dos desígnios de Deus. Sim, com a mesma facilidade tropeçariam em fatos simples, que a mente comum aceita e em que discerne o Divino, e para quem as declarações de Deus são simples e belas, cheias de essência e riqueza. Mesmo todos os erros não causarão dificuldade a alguém, nem farão tropeçar os pés daquele que não fabrique dificuldades da mais simples verdade revelada” (Mensagens Escolhidas, v. 1, p. 16).

Apesar de ser “uma corporação protestante e conservadora de cristãos evangélicos”, cuja fé está “embasada na Bíblia e centralizada em Cristo” (Tratado de teologia adventista, p. 1), a IASD não crê na inspiração verbal, nem na inerrância absoluta da Bíblia. Cremos que a Bíblia é absolutamente inerrante em sua mensagem, mas não em todos os detalhes textuais, cronologia, números etc.

Assim, apesar de rejeitar o liberalismo teológico, não cremos na inerrância exatamente como a maioria dos evangélicos. Nosso conceito é um pouco diferente pois nosso conceito de inspiração é ligeiramente diferente do conceito predominante entre os evangélicos. Para uma visão adventista da inerrância, leia o artigo A Bíblia e a inerrância, do Dr. Amin Rodor

(https://revistas.unasp.edu.br/kerygma/article/view/349).

  1. Abordagem sincera e cuidadosa

Verso: 1 Crônicas 29:17

“E bem sei eu, Deus meu, que tu provas os corações, e que da sinceridade te agradas; eu também na sinceridade de meu coração voluntariamente dei todas estas coisas; e agora vi com alegria que o teu povo, que se acha aqui, voluntariamente te deu”.


Comentário

Somente quando somos sinceros podemos enfrentar as dificuldades de maneira adequada. A sinceridade nos resguarda de fugir de quaisquer dificuldades ou de tentar ocultá-las. A honestidade também nos impede de dar respostas superficiais, que realmente não suportam a um exame minucioso. Deus Se agrada da sinceridade e da integridade. Portanto, devemos imitar Seu caráter em tudo o que fazemos, mesmo no estudo da Bíblia.

Pessoas cuidadosas desejam sinceramente conhecer a verdade da Palavra de Deus e, portanto, constantemente se certificam de que não chegaram a conclusões precipitadas com base em conhecimento limitado ou evidência frágil. Pessoas atenciosas decidem não negligenciar nenhum aspecto ou detalhe importante. Elas não são apressadas em seu raciocínio, mas meticulosas e diligentes em seu estudo da Palavra de Deus e de todas as informações relacionadas.

  1. Abordagem humilde

Verso: Tiago 4:6-10

Antes, ele dá maior graça. Portanto diz: Deus resiste aos soberbos, mas dá graça aos humildes. Sujeitai-vos, pois, a Deus, resisti ao diabo, e ele fugirá de vós.

Chegai-vos a Deus, e ele se chegará a vós. Alimpai as mãos, pecadores; e, vós de duplo ânimo, purificai os corações. Senti as vossas misérias, e lamentai e chorai; converta-se o vosso riso em pranto, e o vosso gozo em tristeza. Humilhai-vos perante o Senhor, e ele vos exaltará.

Comentário

“Todos os que forem à Palavra de Deus em busca de orientação, com mente humilde e inquiridora, determinados a conhecer os conceitos da salvação, compreenderão o que dizem as Escrituras. Mas os que trazem para a investigação da Palavra um espírito que ela não aprova, levarão da busca um espírito que ela não transmitiu. O Senhor não falará a uma mente indiferente. Ele não desperdiça Sua instrução com quem é voluntariamente irreverente ou impuro. Mas o tentador educa toda mente que se entrega às suas sugestões e está disposta a tornar sem nenhum efeito a santa Lei de Deus.

“Precisamos humilhar nosso coração e, com sinceridade e reverência, buscar a Palavra da vida; pois apenas a mente humilde e contrita pode ver a luz” (Ellen G. White, The Advent Review and Sabbath Herald, 22 de agosto de 1907).

  1. Determinação e paciência

Verso: Gálatas 6:9

“E não nos cansemos de fazer bem, porque a seu tempo ceifaremos, se não houvermos desfalecido”.


Comentário

A demora para resolver uma dificuldade não prova que ela não possa ser solucionada. Frequentemente desconsideramos esse fato evidente. Muitos, quando encontram uma dificuldade na Bíblia, pensam um pouco e não conseguem encontrar uma solução. Então concluem que o problema não pode ser resolvido. Alguns questionam a confiabilidade da Bíblia.

Mas não devemos nos esquecer de que pode haver uma solução fácil, mesmo que em nossa limitada sabedoria, ou ignorância, não a percebamos. O que pensaríamos de um iniciante em álgebra que, tendo tentado em vão por meia hora resolver um problema difícil, declara que não há solução possível para o problema, porque ele não a encontrou? A mesma coisa vale para nós no estudo da Bíblia.

  1. Abordagem bíblica e com espírito de oração

 Verso: Atos 17:11

Ora, estes foram mais nobres do que os que estavam em Tessalônica, porque de bom grado receberam a palavra, examinando cada dia nas Escrituras se estas coisas eram assim”.

 Comentário

 A melhor solução para as dificuldades da Bíblia ainda se encontra na própria Bíblia. Lidamos melhor com os problemas bíblicos quando os estudamos à luz de todas as Escrituras, em vez de apenas lidarmos com um único texto isoladamente dos outros ou de toda a Palavra. Devemos, de fato, usar a Bíblia para compreender a própria Bíblia. Aprender a escavar as grandes verdades encontradas nas Escrituras é uma das coisas mais importantes que podemos fazer.

CONCLUSÃO

Estudar a Bíblia é uma atividade que requer a guia do Espírito Santo. Existem mistérios que só Deus pode esclarecer. Deus não nos revelou tudo o que existe, mas Ele revelou o suficiente (Dt 29:29).

É preciso verificar o que a Bíblia toda diz sobre um assunto, comparando os textos. E uma regra básica da hermenêutica é: um texto claro interpreta um texto difícil ou ambíguo. Precisamos evitar aqui o “método texto-prova”, que é a prática de selecionar textos isolados para comprovar uma ideia preestabelecida. O “método texto-prova” apresenta somente versos favoráveis à conclusão a que se quer chegar e omite textos que falam sobre o assunto, mas trarão dificuldade.  As pessoas fazem afirmações e depois recorrem à Bíblia em busca de apoio para suas próprias conclusões.

A Bíblia é a Palavra de Deus (e não apenas contém a Palavra de Deus). Toda ela, o Antigo e o Novo Testamento (Jo 1:1-3; 17:17; 2Pe 3:15-16). “Toda a Escritura é inspirada por Deus” (2Tm 3:16), não apenas uma parte dela. Todas as declarações da Bíblia devem ser avaliadas quando a estudamos (Lc 24:27; At 17:11; Jo 5:39). Além disso, tempo e lugar de cada texto devem ser levados em conta. Existem as questões relacionadas aos contextos históricos, literários e gramaticais: figuras de linguagem, expressões idiomáticas, questões culturais e outras.

_____________________________________________________________________

Pr. Eliézer Wesley de Magalhães

Ancião na IASD do UNASP – HT.

 

Os comentários estão encerrados.