Meditação de Pôr do Sol de 18/03/2016 por Eleni Maria de Almeida
17/03/2016
Meditação de Pôr do Sol de 25/03/2016 por Elma Camila Silva Farias
21/03/2016

Comentários da Lição 12 (1º Trim/2016) por Jael Eneas de Araújo

A IGREJA MILITANTE

A Pergunta

Ao examinar a natureza histórica das sete igrejas do Apocalipse, surgem perguntas para hoje: (1) Será que nossa posição continua sendo por Cristo e Seu chamado à missão? (2) Dificuldades de coerência e identidade não estariam nos enfraquecendo diante do mundo? Na retrospectiva histórica das igrejas do Apocalipse existe algo aprender?


Objetivo

(1) Conhecer que embora as mensagens às sete igrejas se apliquem às respectivas igrejas, elas também servem aos cristãos pós-modernos. (2) Sentir que Cristo avalia nossa condição espiritual como pessoas e como igreja. (3) Viver de acordo com a vontade de Deus.


Aproximando o Foco

Sem dúvida, a Igreja de Cristo é uma Igreja Militante, devido sua luta contra as hostes do mal. No final do 1º. Século, o apóstolo João escreveu sete cartas, todas destinadas às igrejas que lutavam contra o império do mal.

Nestas cartas há conselhos que Cristo fez às igrejas, além de advertências válidas para a igreja hoje. Como as comunidades de fé não tinham só debilidades, mas, virtudes, então Cristo ofereceu também elogios e promessas para que Seus filhos permanecessem fieis. Um ponto importante: as promessas não servem só para motivar; são, sobretudo, para afirmar certeza da fé.

Em meio ao Grande Conflito, Cristo faz um convite: “Eis que estou à porta e bato; se alguém ouvir a Minha voz e abrir a porta, entrarei em sua casa e cearei com ele, e ele, comigo” (Ap 3: 20). O convite é feito àqueles que lutam, guerreiam e sofrem. É um convite personalizado, onde a porta com fechadura do lado de dentro, só pode ser aberta por você!

 

Reflita no Conceito

Cristo deseja que as igrejas locais e as pessoas que as compõem cresçam espiritualmente num relacionamento com Ele. Jesus, o Médico, faz o diagnóstico da verdadeira condição espiritual de cada igreja e prescreve o que cada uma deve fazer em sua condição específica. Sejam quais forem as reformas espirituais necessárias para cada um de nós, precisamos convidar Cristo, pela fé, a entrar em nosso coração, para que possamos viver, em nosso íntimo, Sua vida justa.

  1. I) Igreja de Éfeso (31 a 100 d.C) | Desejável

Contexto: Cristo, Aquele que conserva na mão direita as sete estrelas (anjos que têm a tarefa de cuidar das igrejas [Ap 1: 20]); e anda no meio dos candeeiros (Cristo em íntima ligação entre as igrejas e o trono de Deus no Céu).

Elogio: (1) Pureza doutrinária; (2) perseverança; (3) suportava provas; (4) não se deixava esmorecer. Ap 2: 2, 3, 6)

Reprovação: (1) Abandonou o primeiro amor (esqueceu-se de Deus). Ap 2: 4

Conselho: Veja onde caiu e arrepende-se, voltando à prática das primeiras coisas. Ap 2: 5.

Promessa: “Ao vencedor, dar-lhe-ei que se alimente da árvore da vida que se encontra no paraíso de Deus”. Ap 2: 7.

Pensar e Orar: Por que é tão fácil abandonar o primeiro amor? (Ap 2:4) O que acontece quando o amor por Deus se esfria? De que maneira pode-se conservar a verdade ardendo no coração?

  1. II) Igreja de Esmirna (100 a 313 d.C)

Contexto: Os crentes de Esmirna tinham trabalho árduo e duro. (Ap 2:9).

Elogio: “Conheço a tua tribulação, a tua pobreza, mas, tu és rico” Ap 2: 9.

Reprovação: Não há censura.

Conselho: “Se fiel até a morte, e dar-te-ei a coroa da vida” Ap 2: 10.

Promessa: “Ao vencedor de nenhum modo sofrerá dano da segunda morte”. Ap 2: 11.

 

III) Igreja de Pérgamo (313 a 538 d.C)

Contexto: A Igreja de Pérgamo pareciam apegar-se à sua fé, embora o “trono de Satanás” estivesse entre eles (Ap 2:13).

Elogio: “Onde estás o trono de Satanás, conserva o meu nome e não negaste a minha fé”. Ap 2: 13.

Reprovação: “Apegam-se aos ensinos de Balaão e a doutrina dos nicolaítas”. Mantém a “Sinagoga de Satanás” e o “Trono de Satanás”. Heresias, idolatria e imoralidade sexual.  Ap 2: 13-15.

Conselho e Advertência: Arrepende-te. Virei até você. “Pelejarei com a espada da minha boca”. Ap 2: 16.

Promessa: Ao vencedor, dar-lhe-ei o maná escondido, uma pedrinha branca, escrito um nome novo”. Ap 2: 17.

 

  1. IV) Igreja de Tiatira (538 a 1517 d.C)

Contexto: Para um tempo difícil e complicado para a igreja, Jesus Se revela a Tiatira com “olhos de fogo e pés de bronze polido” (Ap 2: 18).  É assim que o próprio Cristo intervém para influenciar os assuntos humanos, ao andar entre as igrejas (Ap 1) e ao desafiar líderes de nações (Dn 10).

Elogio: “Conheço as tuas obras, teu amor, tua fé, teu serviço, tua perseverança”. Ap 2: 19.

Reprovação: “Toleras Jezabel, que se declara profetisa, que seduz meus servos a praticarem a prostituição” Ap 2: 20.

Conselho: “Conservai o que tendes até que eu venha”. Ap 2: 25.

Promessa: “Ao vencedor, dar-lhe-ei autoridade sobre as nações, e, ainda a estrela da manhã”. Ap 2: 27-28.

 

  1. V) Igreja de Sardes (1517 a 1798 d.C)

Contexto: Jesus foi apresentado à igreja de Sardes como aquele que tem os sete espíritos de Deus e as sete estrelas (Ap 3:1; 5:6). Mais uma vez, apresenta-se um Salvador ativamente envolvido nos bastidores e arregimentando os poderes do Céu para garantir a segurança de Sua igreja.

Elogio: “Tendes em Sardes algumas poucas pessoas que não contaminaram suas vestiduras e andarão de branco junto comigo, pois, são dignas”. Ap 3: 4.

Reprovação: “Conheço as tuas obras, que tens nome de que vives e estás morto”. Ap 3: 1.

Conselho: “Sê vigilante … lembra-te do que tens recebido e ouvido, guarda-o e arrepende-te”. Ap 3: 1-2.

Promessa: “O vencedor será assim vestido de vestiduras brancas…e não apagarei seu nome do Livro da Vida”. Ap 3: 5.

 

  1. VI) Igreja de Filadélfia (1798 a 1844 d.C)

Contexto: A igreja foi elogiada por guardar a palavra de Cristo e por não negar Seu nome, embora sua força parecesse estar bem debilitada (Ap 3:8). A “Sinagoga de Satanás”, uma representação de igrejas apóstatas, tinha tornado difícil a vida dos cristãos primitivos. Elas ensinaram erros e causaram problemas, uma das maneiras pelas quais Satanás trabalha contra as igrejas. Filadélfia parece ser aquela que finalmente livra a igreja dessa fonte de males.

Elogio: “Guardaste a minha palavra e não negaste o meu nome”. Ap 3: 8.

Reprovação: “Tenho posto uma porta aberta, a qual ninguém pode fechar, … que tens pouca força”. Ap 3: 8.

Conselho: “Conserva o que tens para que ninguém tome a tua coroa”. Ap 3: 10.

Promessa: “Ao vencedor fa-lo-ei coluna no santuário do meu Deus, e daí jamais sairá”. Ap 3: 12.

 

VII) Igreja de Laodicéia (1844 até o fim. d.C)

Contexto: A última igreja apresenta um fenômeno: crescente esfriamento do povo de Deus e seu afastamento dEle. Como isso acontece? Embora os sinais da breve volta de Cristo sejam visíveis, todavia, algumas pessoas ainda se apegam persistentemente ao mal e aos poderes das trevas. A alternativa é o juízo divino, em duas fases. Primeiro, pode ser necessário um pouco de disciplina paterna à moda antiga (Ap 3:19); depois, há a possibilidade de Deus “vomitá-los” de Sua boca, como um gole de água morna (Ap 3:16).

Elogio: Nenhum.

Reprovação: “Nem és frio nem quente. Tu és infeliz, miserável, pobre, cego e nu”. Ap 3: 17.

Conselho: “Aconselho-te que de mim compres ouro refinado pelo fogo, vestiduras brancas e colírio”. Ap 3: 18.

Promessa: “Ao vencedor dar-lhe-ei sentar-se comigo no meu trono”.  Ap 3: 21.

 

Resumo Final: (1) Éfeso abandonou o primeiro amor, mas foi encorajada a arrepender-se e voltar para as coisas corretas. (2) Esmirna passou por sofrimentos causados pelo Diabo, porém devia ser fiel até a morte para obter a coroa da vida. (3) Em Pérgamo havia pessoas sustentando doutrinas abomináveis. Jesus prometeu que lutaria contra isso com a espada da sua boca. (4) Tiatira estava sendo seduzida pelos ensinos de Jezabel. (5) Sardes estava espiritualmente morta. Hoje a igreja passa por experiência idêntica. Os Adventistas devem “conservar o que tem”, até que Ele venha. (6) Assim como Deus cuidou da igreja de Filadélfia, por sua fidelidade e perseverança, Deus também cuidará daqueles que forem fiéis. Deus guarda da provação e na provação. (7) A igreja de Laodicéia se acha autossuficiente. Por isso, Jesus aconselhou adquirir dEle ouro, vestiduras brancas e colírio para ver a real situação espiritual.
Jael Eneas
Diretor de Desenvolvimento Espiritual
Pastor do Campus | UNASP Hortolândia
@JaelEneas

Os comentários estão encerrados.