Meditação de Pôr do Sol de 24/06/2016 por Guilherme Carrijo
22/06/2016
Meditação de Pôr do Sol de 01/07/2016 por Holanda Bueno Preuss
01/07/2016

Comentários da Lição 1 (3º Trim/2016) por Filipe Lima

Lição 01 – A restauração de todas as coisas

 

Introdução – Texto chave: Deuteronômio 2:44

 

A lição inicia tratando a decadente situação do mundo. Realmente, há algo de muito errado acontecendo. Nesse trimestre vamos tratar exatamente de qual é o erro, o plano divino para um reinicio perfeito das coisas e como nós podemos ter um papel fundamental nesta proposta de restauração.

Podemos citar aqui algumas evidências do quanto o mundo vai de mal a pior, a exemplo: inúmeras doenças se proliferando a cada instante, a quantidade de guerras desde o século XX até os dias atuais (grandes e menores) aumentaram consideravelmente, o desentendimento humano está acentuando-se a todo momento. Poderíamos citar muitas outras questões.

Porém, a boa notícia é que essa condição não irá durar para sempre, nosso maravilhoso Deus levantará um reino inabalável, que permanecerá para sempre. No entanto, não precisamos esperar até que esse reino seja erguido para que a renovação se inicie, podemos buscar a semelhança de Cristo hoje e agora, buscando a Ele sobre todas as coisas e amando nosso semelhante como a nós mesmos.

 

A imagem de Deus – Texto chave: Gênesis 1:26 e 27

 

Homem e mulher se complementam de forma planejada por Aquele que criou todo o universo. Desde pequeno, fui ensinado que somos criados a imagem e semelhança de Deus, pensar nisso me transmite uma paz muito grande, pois segundo Gênesis 1:26 e 27, a nossa semelhança se encontra não só no exterior como principalmente no caráter. Assim como somos parecidos entre nós, Deus é parecido conosco. Que grande privilégio! Em meio a todas as outras criaturas, somente nós fomos criados à imagem de Deus.

Como é essa semelhança com Deus criador? Além da semelhança física, além do mesmo caráter; Deus é capaz de criar vida, o ser humano é capaz de gerar vida; Deus é capaz de criar coisas, o ser humano é capaz de construir coisas até muito complexas; Deus é capaz de restaurar até a vida de mortos, o ser humano é capaz de curar doenças, ao menos muitas delas; Deus é capaz de criar até matéria do nada, o ser humano é capaz de transformar essa matéria em utilidades. Acima de todas as semelhanças, o homem, com a inteligência e o caráter de DEUS, embora obviamente com limitações, é também, igual a DEUS como um ser livre, capaz de escolher e decidir o que fazer racionalmente e ser capaz de avaliar as consequências de seus atos.

Sermos criados à imagem de Deus, significa inclusive que nascemos ou com o sexo masculino, ou feminino e é preciso cuidar com as facetas de Satanás ao iludir as pessoas com a ideologia de gênero e que a posição sexual pode mudar ao longo da vida.

No entanto, precisamos meditar o quanto o homem se degenerou desde então. Mas o ponto principal da meditação é que por ocasião da segunda vinda de Cristo, todas as coisas se farão nova!

 

A queda e suas consequências – Gênesis 3:8 a 19

 

Algum tempo após a criação (não temos condição de precisar quanto), houve a chamada queda do ser humano, que trouxe consequências imediatas e evidentes. Eu fico pensando que Adão e Eva não fizeram ideia de quanto os seus descendentes sofreriam. É certo que eles viveram situações dramáticas após a queda, como culpa, vergonha e medo, porém o pecado e a maldade intensificaram-se em nosso meio e o que vemos nas notícias hoje, muito provavelmente eles não aguentariam. Hoje, aparentemente vivemos o limite da degeneração em termos alimentícios, segurança e saúde.

Vivemos uma situação de medo constante. Costumo dizer que aqui neste mundo, vivemos apenas momentos de alegria, porém felicidade plena está baseada na esperança proposta por nosso Criador e Redentor Jesus Cristo, pois essa situação dramática será encerrada, está muito próximo este grande dia.

 

Inimizade e expiação – Texto chave: Gênesis 3:14 e 15

 

É interessante analisarmos que no termo original, a palavra inimizade também tem a ver com ódio e inimizade. Deus declarou diretamente a Satanás que colocaria inimizade entre ele e a mulher, ou seja, no coração do povo de Deus, povo escolhido, povo que tem se preparado para encontrar com Ele, cresce um grande ódio e afastamento do pecado e seu originador. Porém precisamos aprender uma grande lição para tal feito, no momento em que devemos tomar uma decisão, seja ela qual for, se não recorrermos a DEUS para aquela decisão, Ele nada fará para que decidamos corretamente. Essa é a única maneira de conseguirmos êxito espiritual e pelo poder de Deus nos afastarmos de frustrações. Quão abençoada é a decisão de pedir orientação a Deus para todas as questões de nossa vida, grandes e pequenas. Isso pode ser real se fizemos da ação da oração um hábito diário.

Veja bem, no momento que a serpente (Satanás) estava dizendo coisas incoerentes a Eva, ela precisaria ter ido a Deus com essas indagações.

Ou num melhor relacionamento com o Criador, nem se afastado dEle a ponto de permitir a tentação tão próxima com Satanás. Mas lamentavelmente a decisão de comer o fruto foi tomada sem a participação do Criador.

Neste contexto do pecado, introduziremos um feito importante segundo Lv 1:3 e 4. No mesmo dia da decisão em favor do pecado, Deus introduziu a expiação, que quer dizer restauração às origens da perfeição, concedendo perdão dos pecados por meio da substituição dos pecadores por Jesus, que é o Criador. Expiar é substituir nossos pecados pela pureza de Jesus, exatamente o nosso Criador.

Como Deus é maravilhoso e pensa em nós desde o princípio. Mesmo diante de uma decisão completamente errada e individualista por parte da humanidade, Ele proveu meios para que fossemos restaurados. Vale lembrar que a raiz latina para a palavra expiação significa redimir, e a ideia envolve reparação de um ato errado. A punição deveria ser aplicada a nós diante das leis de Deus, uma dívida que não conseguiríamos pagar, não fosse o plano de o próprio filho de Deus assumir nosso lugar.

Pois bem, quando Jesus ressuscitou da morte eterna, isso foi um sinal para o diabo no seguinte sentido: você perdeu essa guerra! A sorte de satanás e de seus seguidores, uma multidão de anjos maus e também seres humanos maus, estava selada para sempre.

 

Restauração em Jesus – Texto chave: Gálatas 4:19

 

Como mencionamos inicialmente, fomos originalmente criados como seres perfeitos e completos, num mundo perfeito e completo. Porém perdemos esse paraíso pela decisão do pecado. Instantaneamente começou o longo processo de restauração. O plano da restauração foi criado para voltar a perfeição original do planeta, Cristo veio para recuperar o que foi perdido. Aqui nós podemos fazer uma pausa e analisar: pode parecer um tempo muito extenso entre nossos primeiros pais e nós, porém para Deus, esse plano foi rápido e a distância de apenas algumas gerações, inclusive porque temos evidências de que está muito próximo o dia que veremos a humanidade (os fiéis) renovada.

O processo de restauração envolve todos nós e exige uma decisão, a decisão de definirmos de que lado estaremos. Em nossa vida a restauração inicia quando nos entregamos a Jesus. Daí em diante o Espírito Santo passa a operar em nós ações de santificação. Cada dia seremos mais semelhantes a JESUS. Esse processo só termina quando se completar, quando estivermos perfeitos outra vez, ou seja, no dia da segunda vinda de Jesus Cristo.

Paulo afirma que o ponto principal para nossa restauração é permitirmos Cristo habitar em nosso coração e assim deixarmos de olhar para nós mesmos. Ele deseja unir-Se conosco para restaurar a imagem de Deus em nós. Se consentirmos, Cristo, a imagem de Deus, pode estar em nós: “Cristo em vós, a esperança da glória” (Cl 1:27).

 

O papel restaurador da igreja – Texto chave: Marcos 2:1 a 12

 

Deus é maravilhoso e não nos abandonou ao que seria inclusive justo diante de nossa escolha: entrega a morte. A medicina inclusive diz que esse é o nosso fim, porém aos olhos da fé, temos plena convicção de que não é assim. Falemos um pouco neste momento sobre o título principal da lição, o papel da igreja na comunidade. Desde os tempos de Cristo, já foi desenvolvido um hábito, proposto pelo próprio Deus, de reunirem-se nas sinagogas e até hoje, nas igrejas. Todos os seres humanos são convidados a estarem na igreja, participando ativamente do processo de restauração, buscando assim capacidade espiritual, de tal maneira a extrapolar as paredes da igreja, levando as boas novas da salvação diretamente para a comunidade.

Como sucessora de Cristo, a igreja tem que ser pura, oferecer um ambiente contrastante ao do mundo e principalmente, ter o poder do Espírito Santo em intensidade plena. Jesus Cristo agia em três frentes na restauração do ser humano, quando aqui esteve entre nós. Isso é bem ilustrado no caso do paralítico que foi introduzido diante de Jesus pelo teto de uma casa (Marcos 2:1-12 e Lucas 5:17-26). O paralítico sofria de angústia mental porque no tempo de jovem abusara de sua saúde, portanto, sentia-se culpado, e de fato era, e sofria por ser paralítico.

“Repetidamente procuraram os condutores do paralítico forçar caminho por entre a multidão, mas nulos eram seus esforços. O doente olhava em redor com inexprimível angústia. Como poderia ele abandonar a esperança quando tão perto estava o anelado auxílio? Por sugestão sua, os amigos o suspenderam para o telhado da casa e, abrindo o teto, baixaram-no aos pés de Jesus.

Devemos levar Jesus às pessoas para que sejam libertadas do stress e da angústia, até da depressão por causa da vida desregrada e sem princípios, ensinar os bons princípios de vida que nós mesmos vivemos e demonstramos sua eficácia, e também fazer o mais difícil à ciência e à

medicina: curar as doenças das pessoas. Como indivíduos e como igreja ainda temos uma caminhada de santificação pela frente para chegar ao nível de pureza em que Jesus vivia.

 

Comentário de Ellen G. White

“O coração orgulhoso esforça-se por alcançar a salvação; mas tanto o nosso título ao Céu, como nossa idoneidade para ele, encontra-se na justiça de Cristo. O Senhor nada pode fazer para a restauração do homem enquanto ele, convicto de sua própria fraqueza e despido de toda presunção, não se entrega à guia divina. Pode então receber o dom que Deus está à espera de conceder. Coisa alguma é recusada à alma que sente a própria necessidade. Ela tem ilimitado acesso Àquele em quem habita a plenitude. “Porque assim diz o Alto e Sublime, que habita na eternidade, e cujo nome é santo: Num alto e santo lugar habito, e também com o contrito e abatido de espírito, para vivificar o espírito dos abatidos, e para vivificar o coração dos contritos.” Isa. 57:15” (O Desejado de todas as nações, 300).

Filipe Lima
Diretor de Publicações da Igreja do IASP

Os comentários estão encerrados.