Culto de Adoração (Sábado 04/01/2020)
03/01/2020
Meditação diária de 04/01/2020 por Flávio Reti – O Aerossol
04/01/2020

Comentários da Lição 1 (1o Trim/2020) pelo Ancionato

COMENTÁRIO DA LIÇÃO DA ESCOLA SABATINA 2020-1-1

Tema Geral: Daniel, o profeta do fim.

Comentários da Lição 1 (1o Trim/2020)

Lição 1: “Da leitura à compreensão”

“Correndo Filipe, ouviu-o ler o profeta Isaías e perguntou: compreendes o que vens lendo?” (At 8:30)

A leitura é tão importante quanto a compreensão daquilo que lemos. Para melhor entendermos o livro de Daniel, três orientações são essenciais: Cristo, a literatura apocalíptica e o historicismo.

 

  1. Cristo

O livro de Daniel tem como centro a pessoa de Jesus. Na leitura do livro, seis princípios nos ajudam a aprendermos mais sobre Cristo.

Primeiro, Jesus é revelado no Livro de Daniel, na medida em que a trajetória das relações de Deus com seu povo e com o mundo culminam em Jesus.

Em segundo lugar, Jesus é promessa e cumprimento, por isso é apresentado como o Filho do Homem e o Messias que há de vir, anunciado nos capítulos 7 e 8.

Em terceiro lugar, o princípio da tipologia deve ser observado, assim podemos ver como Deus estabeleceu de antemão eventos e instituições que prefiguram aspectos do plano da redenção. Nesse sentido, Daniel apresenta Jesus na “instituição” santuário e nos “eventos” sacerdócio e sacrifício.

Em quarto lugar, há o princípio da analogia, em que podemos ver Jesus nos eventos do livro de Daniel. Por exemplo, a pressão que os jovens hebreus sofreram para adorar a estátua de ouro (Dn 3:5) é refletida na tentação feita a Jesus para se prostrar diante de Satanás e receber as riquezas do mundo (Mt 4:9).

Em penúltimo, está o princípio da longitude temática, ou seja, o tema da salvação aponta para Jesus como o supremo Salvador de seu povo.

Por fim, a intertextualidade ou referencias ao livro de Daniel possibilitam encontrarmos Jesus. Apocalipse 13:1-8, por exemplo, faz alusão a Daniel 7; Jesus se referiu a Daniel 7 (Mt 26: 64 e Mc 14:62).

 

  1. Literatura apocalíptica

O livro de Daniel se insere na literatura apocalíptica, que apresenta Deus destruindo a ordem das coisas antes de restaurar a Terra. Eis três características dessa literatura:

  1. a) cumprimento único: ainda que admita múltiplas aplicações teológicas, ela aponta para o cumprimento único de forma incondicional.
  2. b) Recapitulação: a profecia se repete com o objetivo de controlar a interpretação da mensagem. Em cada repetição da profecia, detalhes e pontos de vista são acrescidos, confirmando a mensagem.
  3. c) Princípio dia/ano: símbolos e longos períodos históricos estão presentes na literatura apocalíptica. O intervalo de tempo são simbolização do tempo na perspectiva bíblica de que um dia profético equivale a um ano. As referências para esse entendimento são: Nm 14:34; Ez 4: 5, 6; Gn 5; Gn 6: 3; 1Sm 1:21; Jó 10:5.

 

  1. Historicismo

É o método que vê o cumprimento profético das profecias de Daniel se estendendo desde o tempo do profeta até o estabelecimento do reino de Deus na Terra. O próprio livro de Daniel (cap. 2, 7, 8 e 9) mostra sucessão de eventos a partir de seus dias. Historicismo é a abordagem que melhor se harmoniza com o texto bíblico, autorizada por Jesus ao se referir à destruição de Jerusalém (Mt 24:15-20 e Lc 21:20-22) como cumprimento de Daniel 9:26 e 27.

Conclusão

Compreendes o que vens lendo? Essa pergunta deve incomodar os professores da Escola Sabatina. O professor Filipe naturalmente usou a melhor forma de explicar a profecia, discorrendo sobre o Messias, por toda as escrituras. Ao final da explicação, o aluno eunuco entendeu a leitura e se decidiu pelo batismo. As orientações desta 1a Lição da Escola Sabatina têm o objetivo de fornecer um modo de leitura para que entendamos o livro de Daniel. Ao final do trimestre devemos responder positivamente à pergunta de Filipe: sim, entendemos. E decidamos pela confiança renovada nas promessas de que Deus está no controle da História e que é certo o estabelecimento de Seu Reino na Terra como afirma a profecia.

Comentarista: Afonso Ligório Cardoso

Os comentários estão encerrados.