Culto Divino com Dr. Lélio Maximino Lellis 11/08/18
10/08/2018
Meditação diária de 11/08/2018 por Flávio Reti
11/08/2018

Comentários da Lição 06 (3o Trim/2018) por Profª Ana Kelly Ribeiro

O ministério de Pedro

E, abrindo Pedro a boca, disse: Reconheço por verdade que Deus não faz acepção de pessoas;
Mas que lhe é agradável aquele que, em qualquer nação, o teme e faz o que é justo. Atos 10:34,35

O que é o evangelho? É um Deus de amor criando pontes de resgate entre o céu e a terra para todos que quiserem. É a história de um Criador que se entregou às suas criaturas para redimi-las, independente de quem são e de onde estão. É a evidência do Poder Divino que nos transforma, nos embeleza até nos tornar parecidos com Ele de novo. É fonte de esperança para todo homem cansado e apequenado pela própria história.

Como poderia a igreja escolher os destinatários desse evangelho? Espanhóis, gregos, persas, orientais vieram da mesma família que saiu das mãos de Cristo. Mansos, impetuosos, ricos, pobres, sensuais, tímidos, agressivos, apáticos… são os filhos pródigos por quem Deus espera desde a queda no Éden.

Pedro era uma visão do evangelho. Aquele judeu impetuoso e grosseiro se tornou um orador do amor, um arauto do Rei, um amigo dos anjos. Pedro não era só da igreja. Ele era igreja. O próprio Cristo lhe disse: “… roguei por Ti, para que a tua fé não desfaleça.” E ainda: “Apascenta as minhas ovelhas.” Ele podia não ter a dimensão do campo missionário, mas naquele momento abriu sua mente e coração para ser guiado. Quem seriam as ovelhas? Como seria o trabalho? Quanto custaria? Quanto tempo levaria? Onde dormiria na próxima noite?

Essas dúvidas eram menores que a eterna lealdade a Jesus. Sua vida respondia diariamente à pergunta: Pedro, tu me amas?

Em Lida e Jope

Em Atos 9 o Pr. Pedro visita os irmãos, na fronteira da Judeia. Possivelmente foi a visão da carência humana que o fez desejar mais uma vez ver Jesus em ação. Lembrou, no entanto, da promessa “Aquele que crê em mim fará também as obras que tenho realizado. Fará coisas ainda maiores do que estas, porque eu estou indo para o Pai”. João 14:12.

Eneias, um paralítico curado ao ponto de carregar a própria cama, e Tabita que voltou a vida depois de ouvir: “-Levanta-te”, trouxeram as antigas emoções de volta e a promessa de que Cristo estaria com eles até os confins da terra.

Pedro sentiu amor pelas pessoas e estava completamente a disposição do Espírito Santo. A cura física e espiritual chegou a Jope e ele teve o privilégio de contemplar outra vez o amor de Jesus por nós.

Na casa de Cornélio

E enquanto sua fé crescia em Jope, os agentes de Deus visitavam Cornélio, um gentio que clamava em oração. Em um trabalho orquestrado, Pedro deveria ampliar os horizontes e ele estava pronto. Prostrado em oração, ele tem uma visão especial, e com lençol que descia do céu com toda espécie de “comida”, vinha com um recado especial: é hora de abrir os olhos para um novo derramamento de graça aos gentios. Antes de conduzir aquele discípulo judeu a presença do incircunciso Cornélio, Deus queria que ele fosse com os olhos bem abertos para as evidências do Seu plano. Não sobraria dúvidas.

Assim, quando Pedro encontra o romano, quando o vê sendo batizado pelo Espírito Santo sem circuncisão, ele entende que Deus é maior que o judaísmo, maior que sua compreensão. Ali o dom línguas, que teve propósito de confirmação e aprovação, foi um ato de orientação e consideração de Deus para com a igreja que, apesar de relutante, aceitou os sinais e a condução do experimentado discípulo. Com humildade ele encerra o relato: “Portanto, se Deus lhes deu o mesmo dom que a nós, quando havemos crido no Senhor Jesus Cristo, quem era então eu, para que pudesse resistir a Deus?” Atos 11:17. Rogo a Deus que nos dê esse despojamento e clareza.

A Igreja em Antioquia.

E o evangelho vai como os raios de sol atravessando as fronteiras.

Lucas descreve de maneira explosiva o “incêndio” causado pelas testemunhas de Chipre e Cirene, por enquanto anônimas, que ainda tem em seus olhos o brilho irradiado pela vida de Estevão. Gentios, gregos de Antioquia respondem ao evangelho. Muitos se converteram. E a Bíblia enfatiza: A MÃO DO SENHOR ESTAVA SOBRE ELES. Mais e mais vão se somando. “-Está acontecendo!” Devem ter dito os discípulos.

Mandem reforços! Barnabé, de Chipre, é enviado. Lucas narra a alegria desse desbravador de novas igrejas. “O qual, quando chegou, e viu a graça de Deus, se alegrou, e exortou a todos a que permanecessem no Senhor, com propósito de coração;” Atos 11:23 É o amor de Jesus chegando aos sedentos. É igreja viva! C. Swindoll descreve: “… lugares onde o mover do Espírito é evidente… Você não consegue detê-lo, porque não foi você que começou. Não pode explicá-lo, porque não foi você quem o fabricou. Não pode duplicá-lo, porque não o criou. O que está testemunhando é a mão do Senhor, enquanto ele se move mediante o seu Espírito no seu povo e através dele. Os perdidos são salvos e os salvos são vivificados.” Tremendo! Não é, Pr. Jael?

A perseguição de Herodes.

E o exército do mal se levanta, movido pelas trevas. Herodes Agripa torna-se um agente, levado por interesses pessoais e desejo de conforto e poder. Talvez o trecho mais triste de Atos 12 é o relato do povo que se agradou da tortura e morte de Tiago. De tal forma que o rei também prende Pedro para ganhar favor do povo, através de sua execução. É chocante ver como a “inteligência” coletiva pode se tornar comprometida.

Imagino Pedro chorando a morte do amigo de jornada. Porém, mais firme ainda no propósito e na esperança. Seu amor cresce a cada dia. Torna-se um gigante na fé porque está aberto para ver o Poder de Seu Mestre que, do céu, busca a humanidade perdida.

Acorrentado, aguarda confiante os próximos passos. Sabe que muito maior que Herodes ou a própria morte é o Senhor da vida.

Mas ele ainda tinha trabalho pela frente. Um anjo vem pessoalmente. As algemas se rompem, as portas se abrem e ele segue o Caminho, provavelmente movido pela mesma pergunta: Pedro, tu me amas?

Os comentários estão encerrados.