Meditação diária de 30/10/2020 por Flávio Reti – Transfusão de Sangue
30/10/2020
Feliz Sábado
30/10/2020

Comentários da Lição 05 (4º Trim/2020)

LIÇÃO 5 – Jesus como Mestre dos mestres.

“Porque Deus disse: Das trevas resplandecerá a luz, Ele mesmo resplandeceu em nosso coração, para iluminação do conhecimento da gloria de Deus, na face de Cristo” (2Co 4:6)

Uma primeira pergunta surge como fonte de inspiração para o estudo dessa semana. “Ó Deus, poderíamos ver o Teu rosto?”

Por muito tempo, à época do nascimento de Jesus, essa era a necessidade premente do povo, ver a Deus.

Segundo o verso para memorizar, Deus reponde a súplica e envia Jesus, o Mestre dos mestres em uma missão: mostrar seu rosto à humanidade.

Revelando o Pai (parte 1)

Jesus veio à Terra para mostrar ao ser humano quem é o Pai. Em tempos pretéritos, Deus era revelado por meio dos profetas, mas em Jesus, no entanto, a revelação final e completa de Deus chegou até nós.

Como Filho encarnado, Jesus refletiu a glória de Deus a fim de que pudéssemos entender claramente o caráter de Deus.

Se desejamos conhecer o Pai, devemos ouvir atentamente o que o Mestre dos mestres disse sobre Ele. Assim, o Pai é visto no filho.

Revelando o Pai (parte 2)

Jesus já existia antes de o mundo existir, ou seja, desde a eternidade. Isso pode ser comprovado em Jo 1:1-18. Contudo, Cristo se fez homem!

Todas as ações de Jesus durante Sua via na Terra tinham um único propósito: “a revelação de Deus para o reerguimento da humanidade”. (Educação. p. 82).

A lição que fica é o que Jesus disse: “Quem Me vê a Mim vê o Pai”. (Jo 14:9).

Lendo a mente do Mestre dos mestres

Qual era a essência do Mestre? Sua humildade?

Se Cristo adotou a forma humana, “assumindo a forma de servo, tornando-Se em semelhança de homens” (Fp 2:7), e até Se submeteu à crucifixão!

Somos lembrados de que há muito a aprender com o Mestre dos mestres. Podemos moldar nossos relacionamentos com os outros conforme o exemplo da Sua grande complacência e disposição de trocar as glórias do Céu pela manjedoura.

Aprendemos uma lição diferente na manjedoura de Belém e com o Mestre, isso nos faz refletir e entender a mente de Cristo, nosso Mestre.

O Mestre dos mestres e a reconciliação

A reconciliação está no centro da encarnação de Cristo e de sua função como Mestre, isso porque Cristo veio nos reconciliar com o Pai.

Essa ação fica clara em 2Co 5:16-21, onde Paulo esclareceu quem de fato é o responsável pela reconciliação – Deus, o Pai, assumiu a liderança em restaurar nosso arruinado relacionamento com Ele. E o Senhor realizou essa obra de reconciliação “por meio de Cristo” (2Co 5:18). “Deus estava em Cristo reconciliando Consigo o mundo” (2Co 5:19).

Assim, somos todos convidados a participar do ministério da reconciliação!

Os primeiros discípulos do Mestre dos mestres

As condições humildes do nascimento de Jesus não davam nenhuma indicação do milagre da encarnação, no entanto, com a ajuda de visões, sonhos e anjos, aqueles primeiros discípulos (os pastores) Dele foram capazes olhar além da aparência exterior do nascimento de Jesus.

Juntamente com os magos do Oriente, os pastores e anjos, somos chamados a adorar a Cristo, o Rei recém-nascido e ver Nele a realidade do próprio Deus.

A lição que fica é que a educação cristã está fundamentada na adoração a Cristo.

Estudo adicional

“Todo verdadeiro trabalho educativo centraliza-se no Mestre enviado por Deus. De sua obra hoje, exatamente como de que estabeleceu há mil e oitocentos anos (esta declaração foi publicada em 1903), o Salvador fala […] Eu Sou o Alfa e o Ômega, o Princípio e o Fim” (Ellen White, Educação, p. 83).

Quer ter sucesso como educador? Reflita Jesus!

Resumo elaborado por Carlos Alberto Ferri, professor do ensino superior, UNASP-HT.

Os comentários estão encerrados.