Meditação diária de 23/10/2020 por Flávio Reti – Teste do Pezinho 
23/10/2020
Feliz Sábado
23/10/2020

Comentários da Lição 04 (4º Trim/2020)

LIÇÃO 4 – Os olhos do Senhor: A Cosmovisão Bíblica.

“Os olhos do Senhor estão em toda parte, observando atentamente os maus e os bons.” Provérbios 15:3

Introdução

“Quando eu era menino, falava como menino, pensava como menino e raciocinava como menino. Quando me tornei homem, deixei para trás as coisas de menino”.(1 Coríntios 13:11) . Gosto dessa passagem de Paulo pois entre tantas coisas ela me mostra as transformações que ocorrem com nossa maturidade física e também espiritual. A lição dessa semana apresenta como tema “os olhos do Senhor: a cosmovisão bíblica. Esse termo cosmovisão em um significado mais simples nos mostra que cada ser humano adquire um conceito de mundo diferente, e esse conceito pode mudar à medida que se adquire mais experiência, cultura e conhecimento, como afirma Michelson Borges “Cosmovisão é a estrutura abrangente das crenças básicas de uma pessoa sobre as coisas. Mesmo quando não temos ideia das respostas a essas perguntas temos uma cosmovisão”. Disponível em (http://www.criacionismo.com.br/2017/05/definindo-nossa-cosmovisao-biblica.html).  A cosmovisão bíblica cristã é um chamado para seguimos o modelo de vida cristã, Cristo é o nosso padrão, nosso princípio para vivermos nesse mundo corrupto. A influência cristã deve ser mais forte que as influencias mudanças, esse filtro é significativo e essencial para todas as gerações. O pastor Adolfo Soares contribui com essa reflexão dizendo que“ Hoje as pessoas fogem da religião institucionalizada. Preferem caminhos espirituais alternativos que não exigem demasiado comprometimento nem sejam modulados por crenças doutrinárias. A mentalidade pós-moderna parece evitar o seguimento de qualquer coisa que pareça uma cartilha de fé e comportamento. ” Ele continua afirmando “De fato, parece que é tremendamente difícil dizer-se “cristão”, “crente” ou “religioso” nos dias de hoje.  O motivo parece ser óbvio, religião hoje tornou-se sinônimo de cultura para velhos, alienados ao prazer ou pessoas desesperadas em busca de auxílio psicológico”. Na contramão do mundo devemos crer e viver a cosmovisão bíblica.

Os olhos do Senhor

Diz o tolo em seu coração: “Deus não existe”. Corromperam-se e cometeram atos detestáveis; não há ninguém que faça o bem. O Senhor olha dos céus para os filhos dos homens, para ver se há alguém que tenha entendimento, alguém que busque a Deus. Todos se desviaram, igualmente se corromperam; não há ninguém que faça o bem, não há nem um sequer. Salmos 14:1-3. No final da introdução eu afirmei que devemos andar na contramão do mundo, pois grande parte da intelectualidade mundial defende uma cosmovisão ateísta, afirmando que essa forma de pensar é firmada na ciência. Mas a cosmovisão ateísta é limitada diante da cosmovisão bíblica. A cosmovisão ateísta é satânica, pois desmerece o caráter criador de Deus, afirmando que não há nada divino, muito menos criador, muitos tem caído nessa armadilha acreditando que pensar dessa maneira é lógico, inteligente e racional. Mas a história da vida pode ser conhecida por outro viés, “no princípio Deus criou os céus e a terra. Gênesis 1:1. A cosmovisão cristã é sustentada no relato bíblico da criação, crendo que Deus é o criador de toda a vida, e a bíblia é a nossa maior fonte de pesquisa pois a mesma nos revela um registro confiável, incluindo a criação do homem em sete dias literais de 24 horas, por essa razão o tema desse resumo é “os olhos do Senhor” pois a crença na criação é fundamental para a compreensão da cosmovisão na qual defendemos. Compreendemos também que do ponto de vista acadêmico o registro bíblico da criação não responde a todas as perguntas que podem ser feitas sobre as origens, mas de um ponto de vista racional devemos continuar nosso estudo para aprofundar cada vez nossa fé nas palavras contidas no livro sagrado, pois ser inteligente é afirma que Deus existe.

A pergunta de Leibniz

Por que há algo em vez de nada? Leibniz nasceu na Alemanha em 1646 estudou teologia, foi considerado como erudito que possuía conhecimento universal, poderíamos buscar responder a essa pergunta com várias fundamentações bíblicas, mas a passagem a seguir dar conta de responder tal questionamento, no evangelho de João encontramos” no princípio era aquele que é a Palavra. Ele estava com Deus, e era Deus. Ele estava com Deus no princípio. Todas as coisas foram feitas por intermédio dele; sem ele, nada do que existe teria sido feito. Nele estava a vida, e esta era a luz dos homens. A luz brilha nas trevas, e as trevas não a derrotaram, João 1:1-5. A cosmovisão bíblica enfatiza o processo de criação por meio das mãos da trindade, sustenta a existência de um Deus trino (Pai, Filho e Espirito santo). A sabedoria humana não consegue avaliar e analisar os mistérios do altíssimo, porque a sabedoria deste mundo é loucura aos olhos de Deus. Pois está escrito: “Ele apanha os sábios na astúcia deles”; 1 Coríntios 3:19“Pela palavra do Senhor foram feitos os céus, e todo o exército deles pelo espírito da Sua boca.” “Porque falou, e tudo se fez; mandou, e logo tudo apareceu.” Sal. 33:6 e 9. A Bíblia não admite longas eras em que a Terra vagarosamente evoluiu do caos. De cada dia consecutivo da criação, declara o registro sagrado que consistiu de tarde e manhã, como todos os outros dias que se seguiram. No final de cada dia dá-se o resultado da obra do Criador. Faz-se esta declaração no fim do relato da primeira semana: “Estas são as origens do céu e da Terra, quando foram criados.” Gên. 2:4. Mas isto não confere a ideia de que os dias da criação eram diversos de dias literais. Cada dia foi chamado uma origem ou geração, porque nele Deus gerou, ou produziu alguma nova porção de Sua obra. (http://ellenwhite.cpb.com.br/livro/index/2/111/116/a-semana-literal). Sendo assim a partir dessas afirmações de Ellen White, podemos concluir categoricamente, há algo real e criador no lugar do nada.

A cosmovisão bíblica

Ellen White (DTN – Pag. 356) afirma que “ A Bíblia nos apresenta Deus em Seu alto e santo lugar, não em estado de inatividade, não em silêncio e isolamento, mas rodeado de milhares de milhares e milhões de milhões de seres santos, todos à espera para Lhe cumprir a vontade. Por meios que não nos é dado discernir, acha-se Ele em ativa comunicação com todas as partes de seu domínio. Deus Se inclina de Seu trono para escutar o clamor do oprimido. A toda sincera súplica, responde: “Eis-Me aqui.” Ergue o aflito e o oprimido. Em todas as nossas aflições, é Ele afligido também. Em toda tentação e em toda prova, o anjo de sua face perto está para livrar. Satanás pretende com suas mentiras desviar atenção do mundo usando a ciência para proclamar a inexistência de Deus, Satanás ri ao ver seu plano tão bem-sucedido, conforme observamos em: “Depois de haverem deixado Jesus num segundo plano, atraem a atenção do mundo para si mesmos e para os seus milagres e prodígios de mentira, os quais, declaram, excedem em muito as obras de Cristo. Assim o mundo é apanhado na cilada e conduzido a um enganador sentimento de segurança, para não descobrir seu terrível engano até que sejam derramadas as sete últimas pragas. Satanás ri ao ver seu plano tão bem-sucedido, e o mundo inteiro apanhado no seu engano, (WHITE. Primeiros escritos, P. 266). Sabemos que há um conflito cósmico ao nosso redor e a cosmovisão bíblica garante que Deus será o grande vencedor, sendo assim toda educação cristã deve estar alicerçada na cosmovisão teísta bíblica e tudo que for contrário a essa cosmovisão deve ser radicalmente rejeitada.

Adorai o Redentor

Uma cosmovisão defendida pela bíblia além da criação é a doutrina da redenção na qual apresenta Jesus o filho de Deus crucificado e ressurreto, esse tema é o centro de nossas crenças, o nosso dever é acreditar na urgência da mensagem de apocalipse que diz: Então vi outro anjo, que voava pelo céu e tinha na mão o evangelho eterno para proclamar aos que habitam na terra, a toda nação, tribo, língua e povo. Ele disse em alta voz: “Temam a Deus e glorifiquem-no, pois, chegou a hora do seu juízo. Adorem aquele que fez os céus, a terra, o mar e as fontes das águas”. Apocalipse 14:6,7. O evangelho eterno está diretamente ligado ao Deus de gênesis criador e aqui esse Deus em apocalipse se apresenta como redentor, é o mesmo Deus que se fez carne e habitou entre nós com único propósito de colocar em ação seu maravilhoso plano de redenção ou seja seu nascimento e o execução de sua promessa exposta nessa passagem do livro de Atos: “Galileus, por que vocês estão olhando para o céu? Este mesmo Jesus, que dentre vocês foi elevado ao céu, voltará da mesma forma como o viram subir”. Atos 1:11. Segundo White (PP – Pag. 63 ) afirma: “A queda do homem encheu o Céu todo de tristeza. O mundo que Deus fizera estava manchado pela maldição do pecado, e habitado por seres condenados à miséria e morte. Não parecia haver meio pelo qual pudessem escapar os que tinham transgredido a lei. Os anjos cessaram os seus cânticos de louvor. Por toda a corte celestial havia pranto pela ruína que o pecado ocasionara. O Filho de Deus, o glorioso Comandante do Céu, ficou tocado de piedade pela raça decaída. Seu coração moveu-se de infinita compaixão ao erguerem-se diante dEle os ais do mundo perdido. Entretanto o amor divino havia concebido um plano pelo qual o homem poderia ser remido. A lei de Deus, quebrantada, exigia a vida do pecador. Jesus então nos substitui, sendo assim adorar o redentor crucificado deve ser o tema de nossas meditações, de nossas conversas, e de nossas mais alegres emoções.

A lei de Deus

“Sabemos que tudo o que a lei diz, o diz àqueles que estão debaixo dela, para que toda boca se cale e todo o mundo esteja sob o juízo de Deus. Portanto, ninguém será declarado justo diante dele baseando-se na obediência à lei, pois é mediante a lei que nos tornamos plenamente conscientes do pecado. Mas agora se manifestou uma justiça que provém de Deus, independente da lei, da qual testemunham a Lei e os Profetas, justiça de Deus mediante a fé em Jesus Cristo para todos os que creem. Não há distinção”, Romanos 3:19-22. Afirmamos no tema anterior que somente a graça de Cisto nos salvou e nos salva da maldição do pecado, mas nesse texto Paulo alerta que pela lei que nos tornamos consciente de nossos erros e pecados uma vez que o mesmo texto afirma que o pecado é a transgressão da lei; o que fazer diante dessa situação anulamos então a lei pela fé? De maneira nenhuma! Pelo contrário, confirmamos a lei. Romanos 3:31. Confirmamos a lei, pois a mesma é fundamentada no amor do pai para com seus filhos, a lei de Deus é nosso código de conduta moral que nos mostra o que é realmente bom diante da face do criador. Diz Davi: “A lei do Senhor é perfeita.” Sal. 19:7. “Acerca dos Teus testemunhos soube, desde a antiguidade, que Tu os fundaste para sempre.” Sal. 119:152. E Paulo testifica: “A lei é santa, e o mandamento santo, justo e bom.” Rom. 7:12. A lei divina requer que amemos a Deus supremamente e ao nosso próximo como a nós mesmos. Sem o exercício desse amor, a mais alta profissão de fé é mera hipocrisia. “Amarás o Senhor teu Deus de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todo o teu pensamento. Este é o primeiro e grande mandamento. E o segundo, semelhante a este, é: Amarás o teu próximo como a ti mesmo. Destes dois mandamentos”, diz Cristo, “depende toda a lei e os profetas.” Mat. 22:37-40.  A lei requer obediência perfeita. “Qualquer que guardar toda a lei, e tropeçar em um só ponto, tornou-se culpado de todos.” Tia. 2:10. Nem um desses dez preceitos pode ser violado sem deslealdade para com o Deus do Céu afirma, White (ME1 – Pag. 218) a autora conclui: É necessária a obediência à lei, não só para nossa salvação, mas para a felicidade nossa e de todos aqueles com quem nos relacionamos. “Muita paz tem os que amam a Tua lei, e para eles não há tropeço” (Sal. 119:165), diz a Palavra inspirada.

Conclusão

Uma solida cosmovisão cristã é essencial para um processo educacional bem significativo, pois como vimos não há neutralidade nesse processo portanto é de vital é essencial que a cosmovisão bíblica forme o fundamento de toda a nossa vida, pois o amor de Deus por cada ser humano é profundo a ponto de morrer por cada um, que nossa decisão seja semelhante a voz de Josué ao proclamar aos seus liderados, “porém, não lhes agrada servir ao Senhor, escolham hoje a quem irão servir, se aos deuses que os seus antepassados serviram além do Eufrates, ou aos deuses dos amorreus, em cuja terra vocês estão vivendo. Mas, eu e a minha família serviremos ao Senhor”. Josué 24:15.

Os comentários estão encerrados.