Culto Divino com Profª Thalita Regina Garcia da Silva – 21/07/18
20/07/2018
Meditação diária de 21/07/2018 por Flávio Reti
21/07/2018

Comentários da Lição 03 (3o Trim/2018) por Profª Ana Kelly Ribeiro

A vida na igreja primitiva

“Todos os dias, continuavam a reunir-se no pátio do templo. Partiam o pão em suas casas, e juntos participavam das refeições, com alegria e sinceridade de coração, louvando a Deus e tendo a simpatia de todo o povo. E o Senhor lhes acrescentava todos os dias os que iam sendo salvos.” Atos 2:46,47

Durante a vida, tive alguns amigos empolgados com esporte. Daquele tipo que começou a jogar tênis há uma semana e já precisa comprar uma raquete igual a do Roger Federer. Ou que acreditou piamente que se calçasse tênis Air Jordan poderia, até mesmo, se tornar a próxima estrela do basquete! Eu mesma já me empolguei, acreditando que o que me faltava para deslizar pelas ruas do parque era investir nos melhores patins disponíveis. Não demorou muito, descobri que era melhor ter começado comprando joelheiras ou quem sabe aprendendo a sair do lugar. Curioso é que quando você começa pelos acessórios, a frustração tende a ser inevitável.

Quando a igreja primitiva ergueu as mãos ao céu, buscou o Espírito Santo e se tornou alvo de Seu poder transformador, começou a experimentar dos mais incríveis “aparatos” celestiais. Seus corações estavam sendo purificados “do amor pelas coisas dessa terra e sendo preenchido com o desejo por santidade”. Eram um grupo lindo, poderoso, magnético! Só de olhar dava uma tremenda vontade de fazer parte. Mas essa construção era de dentro para fora. Querer produzir os frutos do Espírito: a santidade, coragem, o poder para crescer como igreja, sem estar ligado à Fonte, é insustentável.

Por outro lado… “Por outro, alguns cristãos estão de braços cruzados, à espera de alguma renovação espiritual que aumente grandemente sua capacidade de iluminar outros. Eles deixam sua luz enfraquecer, enquanto aguardam um momento no qual serão transformados e preparados para o serviço sem nenhum esforço da sua parte.” Os Embaixadores, p.28. Que igreja queremos ser?

Ensino e comunhão. “Eles se dedicavam ao ensino dos apóstolos e à comunhão, ao partir do pão e às orações.” Atos 2:42. O melhor lugar para começar é pelo começo mesmo. Ensino – estudar a Bíblia, comunhão – orar uns pelos outros e congregar e partir o pão – comer juntos e estreitar laços de ajuda e afeição. Essa é a nossa parte. Simples assim. Todos os dias. No templo e nas casas.

Isso dá trabalho, é claro! E tenho para mim que quando começamos a inventar e falar sobre muitas outras coisas de nossa vida espiritual, estamos, inconscientemente, fugindo daquilo que deve ser nossa busca diária. É nesse caminho e nessa prática que o Consolador nos encontrará em condições de sermos servos do Reino Celestial. As demais coisas serão acrescentadas pelo céu em forma de ação e não de debates.

A cura de um coxo (Atos 3). Há milhares de coxos espirituais que substituíram aqueles que hoje podem ser atendidos pela medicina e tecnologia. Pessoas com corpos perfeitos, mas com mentes e corações dilacerados. Aguardam aqueles que com suas vidas e palavras indiquem a Fonte inesgotável de Poder e Salvação.

Pedro e João representaram o próprio Cristo para aquele homem sem perspectiva. Jesus, que seria sua esperança, já não caminhava mais por aquele templo e tudo que aquele sujeito expectava eram esmolas. Quem poderia acreditar que aqueles apóstolos seriam como janelas entre o céu e a terra? Uma multidão se ajuntou no Pórtico de Salomão. Mais milagres aconteceriam em outro sermão de Pedro. Ele tinha duras verdades sobre a maldade e egoísmo daquele povo. Mas tinha também uma mensagem de perdão, confiança e recomeço.

O surgimento da oposição. “Mas, muitos dos que tinham ouvido a mensagem creram, chegando o número dos homens que creram a perto de cinco mil.” Atos 4:4. A igreja crescia. E muito. Aliás, congregação que não cresce tem problemas. Não devemos temer o crescimento da igreja. Se tivermos que construir mais e mais salas para o Departamento Infantil, ALELUIA! Se a igreja lota três cultos, que maravilha! É o povo vindo buscar alegria e paz no lugar certo.

“Na igreja em que vidas são transformadas, casamentos são restaurados e o amor flui livremente, será preciso trancar as portas para evitar a afluência do povo.” Rick Warren.

Mas isso pode ir de encontro a interesses pessoais não santificados. E perseguições, externas e internas, surgirão para provar os cristãos. Impressionados com a inesperada coragem daqueles discípulos, a mente dos fariseus e dos descrentes saduceus foi impressionada com as declarações da ressurreição de Jesus. Mas resistiram as inquietações da verdade por medo e egoísmo. Sem ter argumentos para o milagre reconhecido, apelaram para autoridade proibindo a pregação. Pedro e João já não eram os mesmos! “Julguem os senhores mesmos se é justo aos olhos de Deus obedecer aos senhores e não a Deus, pois não podemos deixar de falar do que vimos e ouvimos”. Atos 4:19,20. Que Deus nos envolva com essa convicção!

Ananias e Safira (Atos 4 e 5). Esse casal ficou conhecido por brincarem de ser cristãos. Queriam a alegria, o glamour, os amigos, mas, não desejaram a melhor parte: Jesus. Aquele que transforma nosso caráter, que lê e substitui nossos pensamentos foi ignorado por Ananias e sua esposa. Seria ingênuo, se não fosse tosco.

O texto é muito simples. Eles não eram obrigados a participar com sua propriedade, mas também não podiam querer que o Reino de Deus fosse feito de hipocrisia como o reino dos homens. Não era exigido começarem sua vida espiritual pelos frutos, mas não podiam fazer da igreja, palco de suas mentiras. E o resultado indica, uma vez que Deus conhece o futuro, que aquele foi um caso perdido. Não nos esqueçamos que nos é prometido a completa transformação do caráter se assim quisermos. O Espírito Santo proverá tudo àquele que desejar. No entanto, “brincar com a verdade significa naufragar na fé”. Os Embaixadores, p.38

A segunda prisão dos apóstolos. Quando me dou conta das reclamações que temos em relação à nossa jornada espiritual, à luz do que os discípulos passavam, fico corada de vergonha. Quando os sinais e prodígios aumentaram, a proporcional inveja dos líderes religiosos os lançaram novamente na prisão. Deus decidiu que dessa vez sairiam em grande estilo. Reforçando sua fé e incendiando seus motivos, um anjo, nada menos que um anjo em pessoa veio abrir a porta da prisão com a mensagem: “… voltem para o templo e digam todas as palavras dessa vida!”. Tem noção do que Jerusalém viveu? Tem noção do poder daquela igreja? Gamaliel, com sua experiência e sabedoria, começa a perceber algo novo e declara sobre a obra que assiste: “… se é de Deus, não podereis desfazê-la…” Atos 6:39

Hoje. A promessa do Espírito é também para hoje. Quais são os flagelos que assolam seus familiares? De que esperança carecem os seus clientes? Quais são os descaminhos na vida de seus alunos? Como seus liderados podem ser motivados pelo seu exemplo? Quando John Wesley foi questionado sobre como atraía multidões para sua pregação ele respondeu: “Eu me coloco em chamas, e o povo vem de toda parte para me ver queimar”. Podemos levar o calor do evangelho ao mundo se, primeiro, ele incendiar nossa vida. Que igreja queremos ser?

Os comentários estão encerrados.