Novo Encontro (07/07/2019) com a Psicóloga Karina Tavares Girotto
05/07/2019
Meditação de Pôr do Sol 05/07/2019 por Salvador Aguiar Correia
05/07/2019

Comentários da Lição 1 (3o Trim/2019) por Pastoral UNASP-HT

Lição 1: Deus Criou…

“O que oprime ao pobre insulta Aquele que o criou, mas a este honra o que se compadece do necessitado” (Pv 14:31)

Estamos começando a jornada de mais um semestre, e dessa vez em direção ao serviço dos necessitados. Muitas de nossas lições começam com a narrativa de Gênesis 1-3, afinal de contas, é um excelente começo quando o assunto é estudo do texto sagrado, mas como a narrativa da criação poderia nos ajudar a entender a importância do serviço ao próximo? Quero responder essa pergunta falando sobre comida, imagem e semelhança, coletividade.

O Deus da criação é um Deus servidor. “Eis que vos tenho dado todas as ervas que dão semente e que se acham na superfície de toda a terra” (Gn 1:29). O primeiro presente de Deus para a humanidade é a comida. O verbo “dar” (Natan no original) aparece como uma confirmação de que Deus é o único capaz de dar algo, mais especificamente o alimento. É Deus quem dá. É Deus quem serve.

Uma pergunta frequente em um coração egoísta é quem irá me servir? Foi assim quando Cristo e seus amigos celebravam a última pascoa antes da cruz. Naquela ocasião Cristo se levantou e assim como no Éden serviu o alimento. E sabe o que os discípulos discutiam? Qual deles parecia ser o maior no reino (Lc 22:24). Jesus reponde com outra pergunta, quem é maior, o que se assenta para comer ou aquele que está em pé servindo? (v.27) Ele completa dizendo que Ele é aquele que serve, convidando seus amigos a se levantar da mesa e servir ao mundo. Deus é aquele que que se levanta da mesa para servir. Ainda não é hora de sentar para comer, é tempo de servir. Quando foi a última vez que ao invés de nos alimentarmos primeiro, saciando desejos egoístas, escolhemos servir primeiro?

Nossos pais são os primeiros a nos alimentar, em especial as mães na amamentação, talvez por isso a paternidade seja uma experiência absolutamente divina. A criança, assim como Adão e Eva, não trabalhou por aquele alimento, também não é capaz de produzir a comida com suas próprias forças. O bebê, assim como nós, é totalmente dependente de alguém que serve, sem nenhum merecimento. É de Deus a força que temos para trabalhar, é dEle a inspiração e os dons que nos capacitam dia a dia. É dEle a vida derramada sobre nossas camas ao acordamos todos os dias. É presente, é de graça.

Nós servimos porque alguém serviu primeiro. Não porque somos bons, ou porque merecemos sentar a direito ou a esquerda quando o reino vier, muito menos para ganhar favor divino, servimos porque ele serviu, como uma imitação de alguém que é a imagem e semelhança. Uma possível tradução da palavra imagem (tselem no original) é sombra. Gosto dessa tradução, somos a “sombra de Deus” Para que a sombra exista é preciso um objeto primário, algo a se refletir. O homem só existe a sombra de Deus. Trazendo também uma noção de proximidade. É preciso estar próximo ao divino para se perceber como homem. Somos também a “sombra do outro”. Só existimos quando percebemos que o outro também é a nossa imagem, quando estamos próximos dos outros, quando servimos.

O planos de Deus é de fato ousado. Ele escolhe a humanidade para se revelar, para se apresentar para todo o universo. O homem e a mulher são o seu DNA. Ele cria homem e mulher para que ambos sejam a sua imagem e semelhança. O que me faz pensar em algo simples mas importante. Conhecer o outro é também me conhecer. Ajudar o próximo é também me ajudar, pois ele reflete a minha imagem, somos sombra um do outro, somos iguais. A partir da noção de igualdade fica mais sensato pensar que nós não ajudamos o próximo mas nós nos dividimos com o próximo, compartilhamos vida, algo que o próprio Deus fez, não com superioridade mas com igualdade, precisamos deles assim como eles de nós.

Mas não é só isso, conhecer e ajudar o outro é conhecer a Deus e ajudar o próprio Deus. Jesus tinha essa leitura ao responder “em verdade vos digo que quando o fizestes a um destes meus pequeninos (oprimidos) irmãos, a mim o fizestes.” (Mt 25:40). Jesus associa a salvação com a noção de coletividade. Ninguém vai pro céu sozinho, e imaginar uma nova terra solitária faz pouco sentido. As dimensões eu, tu e Deus são conectadas por laços inseparáveis. É impossível estar salvo, sem se preocupar com a salvação e as necessidades do outro. O convite de hoje é olhar para criação e se perceber como criatura na certeza de que somos todos iguais, a sombra do original, enquanto o Criador é aquele que estende seu amor, nos alimentando, nos colocando o outro para crescer e se compreender como pessoa.

Só existe vida a sombra de Deus. Só existe vida se vivida em coletividade. Só existe vida quando se dividi não o que se tem, mas a essência do que se é. Só existe vida quando se reparte aquilo que se recebe primeiro, sem merecimento. Só existe vida no servir.

Por Pr. Lucio Pereira, Capelão do Ensino Fundamental II e Ensino Médio.

Os comentários estão encerrados.