Meditação diária de 21/06/2019 por Flávio Reti – Maria Eva Duarte de Perón
21/06/2019
Meditação de Pôr do Sol 21/06/2019 por Heber Girotto
21/06/2019

Comentários da Lição 12 (2o Trim/2019) por Classe ECC

Comentário da Lição da Escola Sabatina – 2º Trimestre de 2019

Lição nº 12 – Que viram em tua casa?

No momento em que escrevo esse comentário, estou a caminho do Congresso da SOCESP – Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo  – um dos mais respeitados eventos científicos da Cardiologia Brasileira e mundial – visto que a SOCESP reúne a maior parte dos nomes da Cardiologia em nosso país que participam dos grandes “trials”  (estudos) nacionais e internacionais que conduzem as práticas dessa fabulosa área da medicina na atualidade.

É aquilo que chamamos de “medicina baseada em evidências”.

Num mundo de achismos, curandeirismos, mercenarismos e outros “ismos” que podem tornar a prática médica um risco, a “medicina baseada em evidências” se torna não somente um elevado padrão para o exercício da cardiologia, mas uma total necessidade.

É por meio dela que os médicos abandonam práticas arcaicas e desprovidas de segurança e razão, para seguir as práticas que não só promovam o bem, mas deixem (ou pelo menos minimizem) de fazer mal ao paciente.

Não há argumentos contra evidências.

Elas são o atestado da verdade em qualquer lugar, situação ou experiência.

Pensando assim, vamos trazer o conceito para a questão familiar.

O que os nossos vizinhos e amigos têm visto em nossa casa?

No mundo da hipocrisia relacional prevalente nas redes sociais em que todos são vencedores e “amam a sua família”, estão ocultas dores profundas e rupturas permanentes, disfarçadas atrás de fotos muito bem tiradas, com rostos sorridentes (mas corações dilacerados por culpa, ausência e ressentimentos), em lugares bonitos, roupas bonitas, e rótulos de sucesso.

Muitos fazem dos filhos seus troféus ou seus ídolos, das suas conquistas o seu maior alvo, e do seu dinheiro/propriedades a sua maior prova de sucesso.

Essa foi precisamente a história de Ezequias, relatada em II Crônicas 32, 38 e 39.

Um líder entre o povo de Deus, que tinha recebido uma bênção incomum, preferiu ostentar seu poder, dinheiro e imagem de sucesso diante dos incrédulos – que ironia, logo eles, que tinham vindo de longe pra ouvir pessoalmente o que o Deus de Israel havia feito na vida do Seu servo…

Que oportunidade perdida! Que falha de percepção! Que falta de sabedoria!

Que ausência do Espírito Santo!

O comportamento de Ezequias mostrou exatamente isso: alguém muito interessado e feliz em receber as bênçãos de Deus, mas totalmente desinteressado e desconectado Dele. Suas prioridades ficaram evidentes. Sua pobreza espiritual também.

Seria muito triste que tal padrão fosse visto em nossos lares cristãos. Se, em vez de usar todas as bênçãos e oportunidades que Deus nos concede pra poder apresentar o que Ele tem feito por nós mas principalmente EM NÓS, usássemos nosso tempo e nossos preciosos contatos pra mostrar quanto sucesso temos, quão poderosos somos e como somos demais…

Essa seria uma evidência. Evidência da total perda de foco do porquê estamos aqui. Um lamentável sinal de amor e apego ao mundo. Uma escola de secularismo para os filhos e um grave risco de perder o Céu em família.

E quanta bênção deixaria de fluir para aqueles que nos cercam, quem sabe uma outra família que busca uma referência de família cristã…

Nosso maior campo missionário é nossa própria casa.

Começamos por aí nosso testemunho. É aí que a verdade será testada sobre nossa real condição espiritual. Nos mínimos detalhes. No trato de uns para com os outros. Na alegria e na tristeza, na prosperidade e na adversidade. E essa intrincada rede de influenciar e ser influenciado (para o bem ou para o mal), transbordará as fronteiras do nosso quintal.

Na ciência, para que alguma coisa seja reconhecida como verdade, ela deve ser provada em laboratório. Não somente uma vez, mas centenas e até milhares de vezes.

A maneira como vivemos entre quatro paredes vai, mais dia menos dia, atestar quais são as nossas prioridades. Se o respeito e o amor (reveja Efésios 4:5) forem a norma pela qual vivam os pais e mães cristãos, muitas coisas boas serão vistas, sentidas e percebidas nas atitudes dos filhos e aquela casa será uma evidência da presença do Senhor. Amor e respeito entre cônjuges, entre pais e filhos mas principalmente de todos para com Deus e Sua Palavra: aí estão os fundamentos da casa construída sobre a Rocha.

Esse incrível laboratório provará os temperamentos e os comportamentos de molde a formatar uma belíssima evidência do espírito do Céu.

A etapa seguinte é inequívoca: não se pode esconder a cidade edificada sobre um monte. As pessoas vão querer saber a razão da paz, da alegria, e do brilho nos olhos de uma família assim – ainda que enfrentando lutas e provações.

Sim, eles virão. De todo lugar. Do seu ambiente de trabalho, da sua classe, da sua rua, da sua igreja….

Então deveremos convidá-los a entrar em nossa vida, talvez em nossa casa.

E aí caberá a nós escolher o que vamos mostrar a eles…

Simplicidade, amor e fé não são percebidos em palavras, assim como o medicamento não cura por apenas lermos o rótulo ou a bula. É necessário experiência com ele.

Contra evidências não há argumentos.

“Pais e Mães que põem Deus em primeiro lugar na família e ensinam os filhos a considerar o temor do Senhor como o princípio da sabedoria, glorificam a Deus diante dos anjos e dos homens, oferecendo ao mundo o espetáculo de uma família bem dirigida e bem educada – uma família que ama e obedece a Deus e contra Ele não se rebela. Cristo não será um estranho numa família assim; Seu nome ser-lhes-á familiar e O reverenciarão e glorificarão. Os anjos se deleitam numa família em que Deus reina soberano e os filhos são ensinados a honrar a religião, a Bíblia e o Criador. Essa família tem direito à promessa: Aos que Me honram, honrarei.”  I Sam. 2:30. O Lar Adventista, pág. 27

 

Josele Mara Paula Vizotto, médica cardiologista, é casada com Elias Vizotto há 30 anos e mãe de Giordanno e Rafaella, gêmeos de 23 anos. Juntamente com seu esposo, se dedica ao ministério do ECC (Encontro de Casais com Cristo) em todo o Brasil, há 16 anos.

Os comentários estão encerrados.