Meditação de Pôr do Sol de 14/08/2015 por Leonardo Serafim
14/08/2015
Meditação de Pôr do Sol de 21/08/2015 por Filipe Freire
21/08/2015

Comentários da Lição 7 (3ºTri/2015) por Wagner Teoro

Lição 7 – Jesus: o Mestre das missões

Prezado amigo,

Jesus é o exemplo máximo da missão. Profetas, patriarcas, reis, rainhas, apóstolos, e todos mais que nos servem de exemplo de fé e abnegação dobram-se ao humilde Mestre da missão. “Deus tinha um único filho e fez dele um missionário”, disse David Livingstone. Para muitos, Jesus é um grande sábio, um poderoso orador, um hábil psicólogo, um exemplo de amor. Mas entre todos os adjetivos mencionáveis, nada se comparam aos atributos de Jesus, o Cristo, o filho do Deus vivo, o Pai da eternidade, o Messias, o Príncipe da Paz, o Caminho, a Verdade, e a Vida. Ele veio reconciliar consigo o mundo, reconstruir o homem a Sua imagem e semelhança, buscar e salvar o perdido. Cristo curou, orou, orientou, alimentou, Cristo amou, morreu e ressuscitou. Mas o verbo que se fez carne já não mais está entre nós. O Filho de Deus enviado, como seus filhos nos enviou: Ide e fazei discípulos, batizando-os em nome do pai, do filho e Espírito Santo.

Por isso é tempo de rever quem de fato temos sido. Em nome da religião homens maus têm se aproveitado da ingenuidade do povo, e têm sido a imagem que Jesus não foi. Teorias humanistas, cientificismo, e a nova era tem gerado discípulos para enganação e usurpado o lugar que somente à verdade caberia. Milhares caminham sem respostas a perguntas das quais sabemos os porquês. A Paz que tantos querem nós a conhecemos. Enquanto as sombras se estendem no mundo, o Espírito Santo aguarda o despertar de nossa geração para o cumprimento da missão.  Para tanto, Jesus é a fonte de beber mais pura.

Primeiro, Ele veio. Isso significa que ser missionário é deixar algo para trás. É privar-se de seus próprios interesses em benefício do outro. Ninguém é missionário em sua zona de conforto. A missão compreende um ir, a postura objetiva de colocar-se a caminho do próximo, de engajar-se na vida de alguém.

Segundo, Ele preparou-se. Cristo conhecia a palavra como nenhum dos mestres judeus. Além de ter se preparado no conhecimento do que haveria de cumprir, a bíblia está repleta de passagens onde revela Cristo em constante oração. Ele jejuou 40 dias no deserto, onde em contato com o Pai ganhou forças para vencer a tentação. Pois missão é colocar-se no campo de batalha, e para isso é imprescindível preparação. Nos tempos em que vivemos o engano tem sido cada vez mais especializado. Por isso, Cristo disse que no fim dos tempos a mentira poderia levar à queda até mesmo os próprios escolhidos. O bom missionário jamais subestima o perigo do campo missionário. Antes, prepara-se em constante estudo da palavra e oração.

Terceiro, Ele ofereceu a todos. O evangelho é para qualquer pessoa. Jesus andou com gente que ninguém andava, Ele jantou na casa de cobrador de imposto, fez amizade com prostituta, falou bem de samaritano, estava no meio de pobres, mas tinha tempo para os ricos e mais abastados. Jesus não fez acepção de pessoas, porque a salvação é estendida a todos. Até na cruz, o ladrão teve sua graca. Assim, o missionário que tem Cristo como supremo exemplo vê em todas as pessoas um destinatário do amor de Deus, uma oportunidade de salvação. Todas as criaturas foram feitas para o criador.

Quarto, Ele não desejou para si. Cristo viveu três décadas de anonimato. Quando quiseram coroá-lo, ele se ausentou. Quando o chamaram de Bom, ele disse bom era somente o Pai. Cristo fez milagres que muita gente sequer viu, porque veio para revelar a Deus. Assim deve ser o missionário, viver de tal maneira que Cristo esteja estampado em si, de tal forma que o eu se esconda para que se sobressaia Deus. O desejado de todas as nações não tinha como missão se tornar um respeitado líder religioso, mas buscar e salvar o perdido.

Quinto, Ele morreu. Porque no caminho da missão há uma cruz. Cristo já disse que aquele que deseja ir após ele a si mesmo se negue. Ele não tinha onde dormir, esteve sujeito ao sol e a chuva, foi expulso da cidade, mas nunca desistiu. Jesus foi contestado, mas não abandonou a missão. Jesus chorou, porque quantas vezes quis, mas os seus não o quiseram. Jesus sofreu, e, finalmente, morreu. A missão não promete flores. “Se me perseguiram a mim, também perseguiram a vós”, disse Jesus. Quantas vezes a missão roubará o sono, a tranquilidade, e o conforto. No caminho da missão há injustiça e batalhas que serão perdidas, mas a vitória é sempre certa afinal. Felizes aqueles que sofrem por amor de Cristo.

Ellen White chegou a dizer que “seja qual for a vocação de uma pessoa na vida, seu primeiro interesse deve ser ganhar almas para Cristo”.  Amigo missionário, existe uma luz a sua disposição para o cumprimento da missão. Ser o sal da terra requer envolvimento diário e constante. Cristo escolheu ser revelado ao mundo não por anjos, mas por nós. Como missionário, “…haja em vós o mesmo sentimento que houve em Cristo Jesus” (Filipenses 2.5).

Wagner Teoro

Os comentários estão encerrados.