Meditação de Pôr do Sol de 24/04/2015 por Jair Silva
22/04/2015
Meditação de Pôr do Sol de 01/05/2015 por Carlos Vitorino
01/05/2015

Comentários da Lição 5 (2ºTri/2015)

COMENTÁRIOS DA LIÇÃO DA ESCOLA SABATINA – 2º Trimestre de 2015

Por Wellington Romangnoli

 

Lição 5 – Cristo como o Senhor do sábado

 

Sábado à tarde

Lucas não era judeu. Mas, quando se converteu ao cristianismo, entendeu a enorme importância do sábado. No seu evangelho e no livro de Atos dos Apóstolos, escritos para os gentios, Lucas coloca o sábado em um lugar de destaque.

O sábado foi dado à Adão, representante de toda a humanidade. Portanto, foi um presente a todo ser humano, independentemente de raça ou cultura.

Lucas também deixou bem claro que em Sua primeira vinda, Cristo honrou o sábado e confirmou que a guarda desse dia santo deveria ser universal.

“O sábado não se destinava meramente a Israel, mas ao mundo. Fora tornado conhecido ao homem no Éden, e, como os demais preceitos do decálogo, é de imutável obrigatoriedade. Dessa lei de que o quarto mandamento é uma parte, declara Cristo: ‘Até que o céu e a Terra passem, nem um jota ou um til se omitirá da lei, sem que tudo seja cumprido’” (DTN, 233)

 

Domingo – “Segundo o Seu costume”

A lição de domingo apresenta várias passagens bíblicas que comprovam o costume de Cristo frequentar a sinagoga aos sábados. Toda a cristandade admite que Cristo é nosso modelo, é nosso exemplo em TODAS as coisas. Então, Ele também é nosso modelo na observância do sábado. Por que grande parte dos cristão/discípulos modernos não seguem seu Mestre nesse detalhe?

É importante destacar que Jesus não costumava guardar o sábado sozinho, afastado de seus irmãos. Ele ia à sinagoga. Hoje, Ele viria à igreja.

O apóstolo Paulo escreveu anos depois da ascensão de Cristo: “”E consideremo-nos uns aos outros, para nos estimularmos ao amor e às boas obras, não deixando a nossa congregação, como é costume de alguns, antes admoestando-nos uns aos outros; e tanto mais, quanto vedes que se vai aproximando aquele dia.”” Hebreus 10:24-25.

Veja algumas razões bíblicas para frequentar a igreja:

  1. É uma ordem divina: “”Mas o lugar que o SENHOR vosso Deus escolher de todas as vossas tribos, para ali pôr o seu nome, buscareis, para sua habitação, e ali vireis.”” Deuteronômio 12:5
  2. São abençoados os que vêm à igreja: “”Bem-aventurados os que habitam em tua casa; louvar-te-ão continuamente.”” “”Porque vale mais um dia nos teus átrios do que mil. Preferiria estar à porta da casa do meu Deus, a habitar nas tendas dos ímpios.”” Salmos 84:4 e 10
  3. A igreja é um lugar de refúgio em tempos de dificuldades: leia Isaías 37:1, 14-20, 33-38.
  4. A igreja é um lugar de ensino: “”E irão muitas nações, e dirão: Vinde, e subamos ao monte do SENHOR, e casa do Deus de Jacó, para que nos ensine os seus caminhos, e andemos pelas suas veredas; porque de sairá a lei, e de Jerusalém a palavra do SENHOR.”” Miquéias 4:2
  5. Era costume de Jesus ir à igreja: E, chegando a Nazaré, onde fora criado, entrou num dia de sábado, segundo o seu costume, na sinagoga, e levantou-se para ler. Lucas 4:16
  6. Os apóstolos seguiram o mesmo costume de ir às sinagogas (igrejas): “”E passando por Anfípolis e Apolônia, chegaram a Tessalônica, onde havia uma sinagoga de judeus. E Paulo, como tinha por costume, foi ter com eles; e por três sábados disputou com eles sobre as Escrituras,”” Atos 17:1-2

Ir à igreja, principalmente aos sábados, é um testemunho de que nós servimos a Deus, de que obedecemos a Sua Palavra e de que seguimos o exemplo de Jesus Cristo.

 

Segunda – O sábado: sua mensagem e significado

As pessoas frequentavam as sinagogas para orar e estudar a Palavra de Deus. Lucas descreve Jesus ensinado e reinterpretando as Escrituras na sinagoga em Nazaré. Ele citou Isaías 61: 1 e 2 para explicar aos nazarenos a Sua missão. As seis declarações dessa passagem fornecem um resumo preciso da missão de Cristo nessa Terra.

Há muita discussão sobre o significado dessas seis declarações que Cristo aplicou a Si mesmo. Afinal, elas devem ser entendidas espiritualmente ou fisicamente? Jesus veio para os que eram pobres materialmente ou para os que eram pobres espiritualmente? Ele veio libertar os cativos de Roma ou os cativos dos diabo? Ele queria curar fisicamente os cegos ou abrir os olhos daqueles que não podiam discernir o que Deus estava fazendo no meio deles?

Ao examinarmos as obras de Jesus, percebemos claramente que Ele atendeu as necessidades físicas e espirituais. E o sábado era um dia especial para o Salvador. Ele se deleitava em ministrar aos sofredores nesse dia em especial.

Ao observarmos o sábado, podemos esperar receber essas bênçãos físicas e materiais na nossa vida.

No livro Educação, à página  250, Ellen White declara que “O que quer que, de nossas posses, Deus exija de nós, Ele devolve enriquecido, transfigurado e com Sua própria glória.” Assim acontece com o dízimo. Quando somos fiéis, Deus nos recompensa com bênçãos sem medida. Assim também acontece com o sábado. Essa pequena porção de tempo que entregamos a Ele, retorna com Seu selo de aprovação e a certeza de que bênçãos físicas e espirituais se seguirão.

 

Terça – Curas sabáticas em Cafarnaum

Ao ser rejeitado pelos nazarenos, Jesus se dirige para Cafarnaum. No sábado seguinte Ele está na sinagoga fazendo exatamente o que disse em Nazaré: libertando, curando, devolvendo a visão, pregando. As pessoas de Cafarnaum ficaram maravilhadas!

O professor Orlando Ritter costumava dizer: “A pior coisa que pode acontecer com uma pessoa é poder ter sido, e não ter sido”. O mesmo se aplica a instituições e cidades. Jesus chorou sobre Jerusalém porque aquela cidade poderia ter sido uma bênção, mas não foi. Nazaré perdeu sua grande oportunidade. Os milagres operados em Cafarnaum poderiam ter sido operados em Nazaré.

Será que nós temos perdido oportunidades que Deus gostaria de nos conceder? Será que outros estão recebendo bênçãos que Deus ofereceu primeiramente a nós? Será que sobre nós vai repousar a desgraçada frase: “podia ter sido”?

 

Quarta – O Senhor do sábado

Em Lucas 6: 1 – 5 encontramos o relato dos discípulos de Jesus pegando algumas espigas de cereal, esfregando-as nas mãos e comendo os grãos apenas para aliviar a fome. Os fariseus os acusaram de fazer uma “colheita” no sábado. É óbvio que eles estavam exagerando, apenas para encontrarem um motivo de acusarem Jesus. Muitos críticos modernos dizem que não precisam guardar o sábado porque Jesus e Seus discípulos transgrediram o sábado.

Jesus e os fariseus nunca discutiram sobre a obrigatoriedade da guarda do sábado. Eles discutiram sobre o modo correto de guarda-lo. Jesus nunca transgrediu uma lei bíblica sobre a guarda do sábado. O que ele fez foi quebrar as leis farisaicas que tornavam o sábado um fardo.

Em Lucas 6: 6 -11 lemos a história de um poderoso milagre de Jesus. Ele curou a mão ressequida de um homem. A cura ocorreu num sábado e Jesus mostrou que nesse dia devemos fazer o bem e salvar vidas. Que diferença dos fariseus! No mesmo dia, sábado, eles estavam alimentando ódio no coração e buscando uma maneira de matar Jesus.

Jesus, o Criador, o Senhor do sábado, aquele que entregou as tábuas da lei para Moisés, por suas palavras e atos nos mostrou como devemos guardar o santo dia do Senhor.

 

Quinta – O sábado: o doente, o boi e o jumento

Quanta coisa errada pode ser feita “em nome da religião”! Jesus operava milagres extraordinários, oferecia alívio e paz, desfazia o sofrimento e mesmo assim os fariseus O acusavam de transgredir o sábado. Defendendo suas convicções religiosas eles se tornaram quase piores que o diabo.

Eu também conheço muitos cristãos (inclusive adventistas do sétimo dia) que são diabólicos quando defendem suas “doutrinas favoritas”. Vou citar alguns exemplos:

1) A “piedosa” diaconisa que critica uma jovem que está assistindo o culto divino de calça jeans, sem saber que ela é uma visita que veio à igreja depois de muita insistência por parte dos amigos.

2) O “vigilante da temperança” que repreende um recém batizado pelo “pecado” de trazer um assado de queijo para o junta panelas da classe de escola sabatina.

3) Os dois irmãos da igreja que não se suportam e cortaram relações há anos por divergirem em algum detalhe da natureza humana de Cristo.

Guarda do sábado, vestuário, dieta, música, estilo de culto, detalhes doutrinários, etc. A lista continua. Nossa prática religiosa está nos tornando mais semelhantes a quem? A Jesus ou aos fariseus?

 

Sexta – Estudo adicional

Que Jesus, o Senhor do sábado, seja nosso modelo na guarda desse dia santo. Que possamos individual e coletivamente usufruir das bênçãos que Deus quer nos outorgar no sábado.

Um Feliz Sábado a todos.

Os comentários estão encerrados.