Pr Helbert
01/01/2010
Comentários da Lição 2 (1ºTri/2015)
10/01/2015

Comentários da Lição 1 (1ºTri/2015)

Comentários da Lição da Escola Sabatina
Lição 1 – O Chamado da Sabedoria
Por Josele Vizotto

 

HAGIA SOFIA

Bem-vindo a um período de estudos mais que estimulante!

Finalmente vamos navegar pelos Provérbios, livro bíblico que revela perfeitamente a característica literária das nações do oriente próximo antigo: a literatura sapiencial. Árabes e egípcios se destacaram imensamente nesse campo e as nações que foram contemporâneas deles por séculos, influenciaram e foram enormemente influenciadas por um ícone intelectual chamado Salomão, conhecido como o mais sábio dos reis do Oriente…

Precisamos conhecer o cenário.

Estamos no X século antes de Jesus Cristo. Algo como 950 a.C.

Israel está no seu ápice desde a unificação do reino por Davi, o mais celebrado rei desse povo em todos os tempos. A estabilidade financeira e política confere a reputação de prosperidade e sucesso ao governo de Israel.

Salomão, filho da esposa preferida de Davi, Bate-Seba, agora ocupará o trono pelos próximos 40 anos. Começa como um jovem brilhante e idealista, ainda com a clareza de pensamento de que seu sucesso dependerá de um estreito relacionamento com Deus, o verdadeiro Rei de Israel. Ele ora pedindo sabedoria e Deus confirma essa concessão mediante sua lealdade à Aliança, como seu pai Davi fizera. Sua grande capacidade como escritor, observador da ciência e da natureza, legislador e governante o colocam entre as personalidades mais admiradas e badaladas de sua época (I Reis 10:23).

Já no 4º ano de seu governo inicia a construção de uma das mais incríveis obras já realizadas pelo homem: o Templo de Salomão. Leva 7 anos para construí-lo e torná-lo o monumento espiritual mais importante de todos os tempos na história judaico-cristã.

Em meio aos desafios do governo e a acordos políticos selados com vários casamentos, esse jovem vai envelhecendo e a maturidade lhe traz à consciência o fato de que inteligência não é a mesma coisa que sabedoria.

No entanto, a certa altura (a segunda metade do seu governo), embriagado com o sucesso e poder sem precedentes, confunde grande capacidade intelectual com o correto uso dela e aí se inicia sua derrota como homem e como rei.

Dizem alguns que seus escritos poderiam ser assim distribuídos:

Cantares: obra dos seus primeiros anos, ainda jovem; em sua forte conexão com Deus, capta o profundo sentido da união de Deus com o Seu povo, na figura de um romance entre um homem e uma mulher.

Provérbios: escrito provavelmente ainda em seus primeiros 20 anos de governo, na sua maturidade como homem e no auge do poder, ainda consciente do que é importante e verdadeiro, antes de sua derrocada moral e espiritual.

Eclesiastes: produzido em seus últimos anos, é uma reflexão profunda e quase melancólica sobre a vida e as escolhas pessoais do ser humano e suas consequências. Uma confissão do que realmente importa.

Se assim for, estaremos tendo o privilégio de conhecer (com o benefício de um olhar panorâmico do passado), a clara compreensão de um homem brilhante, que finalmente entendeu que ser sábio é mais importante do que ser inteligente.

Melhor: ser sábio é viver no temor do Senhor. HAGIA SOFIA (santa sabedoria)!!!

Simples assim.

Josele

Os comentários estão encerrados.