Meditação diária 13/08
13/08/2021
Comentário da Lição 8
19/08/2021

Comentário Lição 7 – 3º trimestre

Tema Geral

Descanso, relacionamento e cura, é o que todos almejamos. Muitas vezes parece que estão além das nossas possibilidades. Só por um milagre! A melhor notícia é que esse milagre está á nossa disposição.

Verso para Memorização:

Agora pois não fiquem tristes nem irritados contra vocês mesmos por me terem vendido para cá, porque foi para a preservação da vida que Deus me enviou adiante de vocês.

Gênesis 45:5

Domingo- Enfrentando o Passado.

José era o governador do Egito e era ele que vendia trigo a todo o povo da terra. Por isso, quando os irmãos de José chegaram, curvaram-se diante dele com o rosto em terra. José reconheceu os seus irmãos logo que os viu, mas agiu como se não os conhecesse, e lhes falou asperamente: “De onde vocês vêm?” Responderam eles: “Da terra de Canaã, para comprar comida”.”       Gênesis 42:6-7 NVI

Comentário 

Imagine o impacto, quando José viu seus irmãos. Em seus pensamentos reviveram todas as cenas cruéis pelas quais tinha passado, tanto em sua família como no poço em Dotã até ao presídio no Egito. Anos que o poderiam ter arruinado e o transformado em um monstro. Mas ele olhava além do sofrimento, ele via uma oportunidade e um propósito além da escravidão, acusação e prisão.

Muitas indagações: o querido pai estaria vivo? E como é o relacionamento da minha família com Benjamim e entre si?   José escolheu perdoar antes de provar a transformação deles.

Os irmãos de José sofreram por anos, levando o fardo pesado da culpa. 

Como cristãos devemos praticar os princípios bíblicos em nossos relacionamentos, mas isso não significa que devemos aceitar o abuso. Quem é abusivo está atacando a propriedade de Jesus. Abuso sexual, violência  emocional ou física nunca devem fazer parte da dinâmica familiar. Caso alguém esteja necessitando de ajuda nessa área, peça ajuda profissional ou peça ajuda a alguma autoridade. Todos fomos comprados pelo sangue de Cristo e todos somos Dele.

Segunda- Preparando o terreno

José provavelmente nunca teria prosperado tanto no Egito se tivesse nutrido ódio pelos seus irmãos. Isso prejudicaria sua relação com as pessoas e com o  Senhor. Seus irmãos descem ao Egito para comprar mantimento.  José falava com eles por um intérprete. José pode ouvir o que seus irmãos conversavam entre si. “Certamente estamos sendo punidos pelo que fizemos a nosso irmão…Rúben respondeu: “Eu não lhes disse que não maltratassem o menino? Mas vocês não quiseram me ouvir! Agora teremos que prestar contas do seu sangue”. Gênesis 42:21-22 NVI

Comentário

Os irmãos de José pensaram que ao se livrarem da presença de José entre eles, estariam livres dos seus sonhos e do filho preferido do pai. Mas em vez de encontrar descanso, tiveram inquietação e angústia por anos, e agora na presença daquele Govenador até então desconhecido para eles, achavam que Deus estava se vingando deles. O pecado não compensa. A luta por esconder, disfarçar e mentir trouxe muita tristeza e amargura.

José ficou feliz ao fazer algumas perguntas e saber que seu pai querido e seu irmão mais novo estavam bem. Viu o grande milagre de Deus em sua vida: um dia um prisioneiro, no outro o governador do Egito. Para os fiéis a recompensa virá inesperadamente. Finalmente em outra ocasião Benjamim veio e José pode rever seu irmão querido e perceber que seus irmãos não sentiam inveja do tratamento especial que  recebeu Benjamim.

TERÇA – Perdoar e Esquecer.

Perdão não significa ausência de consequência nem deixar o agressor continuar com os comportamentos abusivos, mas significa entregar a Deus o ressentimento e o desejo de vingança. Não perdoamos porque os outros mereçam, mas porque é o que recebemos de Deus e precisamos oferecer a quem nos maltratou.

“Então Pedro aproximou-se de Jesus e perguntou: “Senhor, quantas vezes deverei perdoar a meu irmão quando ele pecar contra mim? Até sete vezes?” Jesus respondeu: “Eu digo a você: Não até sete, mas até setenta vezes sete.”    Mateus 18:21-22

Comentário:

Perdão, eis o precioso remédio para a cura de todos os que quiserem. José tinha comunhão íntima com Deus. Recebeu o perdão, e deu o perdão. O mais beneficiado é o que concede.

Toda ofensa cometida não é simplesmente contra a vítima, mas contra o Criador. Quando se maltrata uma criança, os mais ofendidos são os pais. O mesmo acontece com os filhos de Deus.

QUARTA – Tornando Pratico.

A palavra perdão não é usada com tanta frequência como deveria ser porque existe no caminho uma grande montanha chamada orgulho. Só o sangue de Cristo pode remover esse obstáculo. Precisamos aprender com o Redentor do Calvário.” Pai, perdoa- lhes porque não sabem o que fazem.”

Abençoai os que vos amaldiçoam, orai pelos que vos acusam falsamente. Amai os vossos inimigos Lc 6:28-36.

COMENTÁRIO

Humanamente é impossível colocar em prática este conceito colocado por Cristo. Temos um exemplo prático na vida de José. Com certeza ele ficou ofendido, mas a comunhão com Deus foi o segredo desse perdão mesmo antes de ser pedido. Tanto José como Jesus perdoaram, antes de ser pedido o perdão e perdoaram a quem não merecia.

Dar o perdão não solicitado e não merecido, é obra sobrenatural do Espírito em nossa vida. O perdão é uma decisão racional, e não emocional. As emoções negativas precisam ser subjugas e depositadas aos pés da cruz. Perdoamos porque Ele nos perdoou. Perdoamos não simplesmente porque o outro merece mas o fazemos por amor de Cristo.

QUINTA.- Descanso após o Perdão.

“Vocês planejaram o mal contra mim, mas Deus o tornou em bem, para que hoje fosse preservada a vida de muitos. Por isso, não tenham medo. Eu sustentarei vocês e seus filhos. E assim os tranquilizou e lhes falou amavelmente.”   Gênesis 50:20-21 NVI

COMENTÁRIO.

Depois de tanto tempo, aproximadamente 37 anos, ainda permanecia o medo e a culpa na mente dos irmãos de José. O pecado fere, pode haver o perdão, mas as marcas permanecem. Quando as mágoas querem ressuscitar, precisamos entregá-las novamente ao Cristo crucificado. O seu sangue tem poder para neutralizar a dor.  José os tranquilizou. O perdão era verdadeiro era um perdão que procedia do trono da graça.

  • E se José tivesse permanecido como escravo ou como prisioneiro o perdão teria acontecido?  O que vem de Deus não depende de circunstâncias. Só o Calvário traz luz perfeita sobre o verdadeiro perdão. Quanto maior a ofensa, maior é a Graça.

Na resposta de Jesus a Pedro sobre quantas vezes se deveria perdoar, Jesus disse até setenta vezes sete, ou seja até 490 vezes. Será que esse número foi por acaso? Deus em Sua infinita misericórdia perdoou, tolerou, esperou Israel por 70 semanas, ou seja 490 anos.

“Sede misericordiosos, como também é misericordioso vosso Pai.”   Lucas 6: 36

SEXTA. 

– Jose foi vendido por seus irmãos por 20 moedas de prata. Jesus foi vendido por um discípulo por 30 moedas de prata.

– José foi preso, acusado falsamente e condenado injustamente. Jesus foi preso, acusado falsamente e condenado injustamente.

– José teve que abandonar seu lar querido. Jesus teve que deixar as glórias eternas.

– José perdoou aos seus algozes. Jesus perdoou aos seus algozes

O diabo esperava destruir o propósito de Deus para a vida de José, mas Deus interveio milagrosamente. O mal pode nos ferir e nos destruir, mas Ele cura e salva. O diabo não pode destruir o propósito divino para uma vida consagrada a Deus. E você já perdoou seus ofensores? Cristo já pagou o preço. Perdoe por amor a Cristo e receberá a paz e o descanso que só Ele pode lhe dar.

Pr Moizes Ludtke 

Os comentários estão encerrados.