Feliz Semana
16/10/2021
Feliz Sábado
22/10/2021

Comentário Lição 04

Ame o Senhor, seu Deus

18 – 22 de outubro

            Quando eu cursava a 8ª série, eu temia as aulas de matemática, e em especial, a professora. Naquele tempo havia aulas aos sábados e, frequentemente, ela marcava provas e fazia testes valendo nota, nos sábados, e lá íamos nós pedir-lhe provas substitutivas, o que nem sempre conseguíamos, e ela procurava nos humilhar, (a mim e a minha irmã),  zombando da nossa fé.

            Diferentemente de meus sentimentos para com a professora, quando eu tinha uns 8 anos, pedi para a minha mãe me fazer um quadro desenhado à lápis numa cartolina, com as duas tábuas da lei, onde estavam escritos os dez mandamentos. Todas as noites, antes de me deitar, eu me ajoelhava olhando para o quadro, onde lia cada mandamento e procurava ver onde eu havia transgredido, e depois suplicava perdão. Eu não tinha medo de Deus. Apesar de não entender nada sobre justificação pela fé, e achar que eu tinha que lutar e me esforçar sozinha para obedecer, eu acreditava que Deus estaria comigo e um dia, eu seria vitoriosa.

            Desta forma, muito cedo na vida descobri o que é temer a Deus. E nesta semana esse conceito foi reafirmado – temer não é sentir medo, temer é reverenciar, respeitar.

            Por outro lado, é interessante o fato de que Deus nos ordena amá-lO. Pense num diálogo entre um rapaz em uma moça: o rapaz: – “Case-se comigo.” Ela: “Eu não te amo, não posso me casar.” Ele: “mas você tem que me amar!”

            Será que é possível amar alguém por obrigação, ou o amor é uma escolha? Você ama a quem você escolhe amar. E você escolhe amar a alguém que você sente que te ama. E você ama alguém que te faz bem.

            Antes de dizer a Israel: “Ame ao Senhor, teu Deus, de todo o seu coração, de toda a sua alma e com toda a sua força.” (Deuteronômio 6:5), Deus demonstrou o Seu amor por eles, escolhendo-os “antes da fundação do mundo”.  Escolhendo a eles, os descendentes de Abraão, Isaque e Jacó, portanto, os herdeiros em quem se cumpririam todas as promessas feitas aos seus pais, os patriarcas. Deus ainda demonstrou seu interesse por eles, livrando-os do cativeiro do Egito, sustentando-os e cuidando deles por 40 anos no deserto.

            O amor de Deus era mais do que um assentimento intelectual, mas era visível na nuvem de dia, na coluna de fogo à noite, no maná diário, nas vestes e calçados que não se gastavam, na água que brotava no deserto, e tantas outras demonstrações visíveis. Como não corresponder a esse amor?

            Poderia existir outro Deus como o Senhor, que tivesse tanto interesse por Seu povo e assim o amasse? “Pois vocês são um povo santo para o Senhor, o seu Deus. O Senhor, o seu Deus, os escolheu dentre todos os povos da face da terra para ser o Seu povo, o Seu tesouro pessoal. O Senhor não se afeiçoou a vocês nem os escolheu por serem mais numerosos do que os outros povos, pois vocês eram o menor de todos os povos. Mas foi porque o Senhor os amou e por causa do juramento que fez aos seus antepassados. Por isso Ele os tirou com mão poderosa e os redimiu da terra da escravidão, do poder do faraó, rei do Egito. Saibam, portanto, que o Senhor, o seu Deus, é Deus; Ele é o Deus fiel, que mantém a aliança e a bondade por mil gerações…” (Deuteronômio 7:6-9)

            Hoje a mesma ordem ainda permanece: “Ame ao Senhor, seu Deus, de todo o seu coração, de toda a sua alma e com toda a sua força.” Deuteronômio 6:5

            Será que temos mais razões para amá-lO do que os israelitas? Sim, Ele também nos amou antes da fundação do mundo.  Também somos Descendentes de Abraão e, portanto, somos os herdeiros em quem as promessas finalmente se cumprirão. (“E, se sois de Cristo, então sois descendência de Abraão, e herdeiros conforme a promessa.” – Gálatas 3:29).

            Mas, diferentemente deles, nós conhecemos a Deus mais e melhor do que eles. Nós temos a realidade da história da salvação, uma história escrita com sangue, não de bodes, nem de cordeiros (Hebreus 9:12), mas com o sangue do Verdadeiro “Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo.” (João 1:29). 

            Antes da cruz Jesus profetizara: “E Eu, quando for levantado da terra, todos atrairei a Mim.” (João 12:32). É a cruz que nos leva a afirmar com temor reverente: “Nós O amamos porque Ele nos amou primeiro.” (I João 4:19).

“Porquanto o amor de Cristo nos constrange” (2 Coríntios 5:14)

            Sonia Rigoli Santos

Os comentários estão encerrados.